Clube do São Paulo é quem mais forma jogadores para a Série A, mas usa menos da metade no próprio elenco

O São Paulo é o maior formador de jogadores que atuam no Campeonato Brasileiro, mas só consegue aproveitar menos da metade em seu elenco principal.

Esta é uma das conclusões do Centro Internacional de Estudo de Esportes (CIES), que analisou dados das quatro ligas de futebol mais ricas da América Latina: Brasil, Argentina, Chile e México.

De acordo com o instituto, o São Paulo formou 31 atletas que disputaram a edição passada da Série A. Mas “apenas” 13 fizeram parte do elenco tricolor em 2019.

Entre os aproveitados no Morumbi, os destaques são o meia Igor Gomes e o atacante Antony, referências na campanha que garantiu uma vaga na Copa Libertadores de 2020.

Na contramão, estão nomes como o zagueiro Rodrigo Caio e o volante Willian Arão, campeões brasileiros pelo Flamengo e formados na categoria de base são-paulina.

No ranking apresentado pelo estudo, quatro clubes argentinos aparecem à frente do São Paulo: Boca Juniors (46 atletas formados para a própria liga local), Vélez Sarsfield e River Plate (empatados com 39) e Newell’s Old Boys (33).

Do Brasil, estão, atrás do São Paulo, outros cinco clubes: Botafogo (29 formados), Internacional (27 formados), Santos (25 formados), Grêmio e Flamengo (22 formados cada).

O estudo aponta também a liga mexicana como a, entre as quatro analisadas, que oferece mais minutos em campo aos jogadores estrangeiros e a Argentina disparada como maior provedora de atletas para as demais ligas da América Latina.

ESPN

O ranking atualizado das folhas de pagamento dos clubes da Série A na CLT

Em 26 de março e em 10 de maio, o blog publicou as folhas de pagamento dos clubes da Série A, sem contar direito de imagem, ou seja, os valores registrados nas carteiras de trabalho dos profissionais, na CLT. As informações às quais tivemos acesso são resultado de levantamento feito a partir dos registros dos jogadores de futebol no sistema da CBF. Ele contém os custos mensais dos 20 integrantes da primeira divisão.

O direito de imagem pode ser até 40% em cima da remuneração. Ou seja, um jogador que ganha R$ 10 mil pode embolsar cerca de R$ 2.850 por mês dessa maneira e os perto de R$ 7.150 como salários “na carteira”. Com as contratações e saídas de jogadores, mudam as despesas dos times do Brasileirão com remuneração. A lista abaixo traz as cifras atualizadas, quanto aumentou ou diminuiu e posição do ranking no levantamento anterior.

Note que dos 20 que disputam o campeonato, apenas o Atlético não teve alteração no valor da folha de pagamento. Cruizeiro e Vasco reduziram o custo com salários na carteira e os demais elevaram tal despesa. Evidentemente valor pago mensalmente por cada clube com os direitos de imagem pode modificar radicalmente o ranking abaixo. O motivo: alguns clubes têm mais jogadores recebendo tudo, ou quase, em CLT e outros menos.

Folhas de pagamento – CLT*

1º Palmeiras R$ 8,8 milhões + R$ 300 mil (1º) ⬆

2º Corinthians R$ 8,1 milhões + R$ 500 mil (3º) ⬆

3º Cruzeiro R$ 7,6 milhões – R 400 mil (2º) ⬇

4º Flamengo R$ 7,0 milhões + R$ 400 (4º) ⬆

5º Internacional R$ 5,7 milhões + R$ 800 mil (5º) ⬆

6º Santos R$ 5,4 milhões + R$ 600 mil (7º) ⬆

7º São Paulo R$ 5,3 milhões + R$ 400 mil (6º) ⬆

8º Atlético-MG R$ 4,1 milhões = sem alteração (9º)

9º Grêmio R$ 4,0 milhões + R$ 300 mil (8º) ⬆

10º Fluminense R$ 3,3 milhões + R$ 100 mil (11º) ⬆

11º Vasco R$ 3,3 milhões – R$ 100 mil (10º)⬇

12º Bahia R$ 3,0 milhões + R$ 500 mil (12º) ⬆

13º Athletico R$ 2,7 milhões + R$ 300 mil (14º) ⬆

14º Botafogo R$ 2,6 milhões + R$ 100 mil (11o) ⬆

Goiás R$ 2,6 milhões + R$ 300 mil (15º) ⬆

15º Goiás R$ 2,6 milhões + R$ 300 mil (15º) ⬆

16º Fortaleza R$ 2,4 milhões + R$ 600 mil (17º) ⬆

17º Chapecoense R$ 1,8 milhão + R$ 100 mil (16º) ⬆

18º Avaí R$ 1,4 milhão + R$ 700 mil (19º) ⬆

19º Ceará R$ 1,3 milhão + R$ 200 mil (18º) ⬆

20º CSA R$ 800 mil + R$ 350 mil (20º) ⬆

* em milhões

Obs: não incluído novo treinador do Fluminense, ainda com o interino Marcão; os valores estão arredondados, o Botafogo desembolsa mensalmente R$ 16 mil a mais do que o Goiás Colaborou: Matheus Mandy.

Blog do Mauro Cezar

São Paulo pode virar líder da Série A nesta rodada, mas não depende só de si

Depois de cinco vitórias consecutivas o São Paulo está oficialmente na briga pelo título do Campeonato Brasileiro. Hoje quarto colocado na tabela, o Tricolor poderá terminar a rodada na lideranças da competição.

O que o São Paulo precisa para terminar a rodada na liderança da Série A

Embora uma vitória possa colocar o Tricolor na liderança ele não depende só de si. Como hoje o Santos, o Palmeiras e o Flamengo estão em sua frente, o São Paulo precisa que os três clubes percam na rodada. Se isso acontecer, o Tricolor termina o final de semana como o líder da Série A.

O São Paulo encara o Vasco da Gama no próximo domingo no estádio São Januário, no Rio de Janeiro. O líder Santos encara o Fortaleza na Vila Belmiro também no domingo. O Palmeiras, por sua vez, não jogará na rodada. Já o Flamengo encara o Ceará no domingo no Nordeste.

Na última rodada, o Tricolor venceu o Athletico Paranaense em jogo isolado no meio da semana. A partida em questão aconteceu em Curitiba, e manteve a boa fase do São Paulo após a Copa América.

Torcedores.com

São Paulo é o clube da Série A com menos vitórias em 2019; veja o top-5

A temporada 2019 do São Paulo não é das melhores. Mesmo sendo atual vice-campeão paulista, o Tricolor vem fazendo uma campanha bastante irregular no ano. Um fator que ajuda a comprovar isso é o número de vitórias do time comandado por Cuca.

Foram apenas nove vitórias em um total de 32 jogos disputados. É a equipe da principal divisão do futebol brasileiro com menos triunfos. Perdeu 10 e empatou 13 até aqui. Tem apenas 41,7% de aproveitamento na temporada. É o pior dentre todos da Série A. Os dados são do portal Futdados.

Vale destacar que dessas nove vitórias, seis delas foram no Paulistão, enquanto três foram no Brasileirão. Não venceu jogos nem na Libertadores nem na Copa do Brasil, sendo eliminado precocemente em ambos os torneios.

Quem aparece logo atrás do São Paulo é o CSA. A equipe alagoana venceu 11 partidas, enquanto Ceará, Avaí e Botafogo completam o top-5. Cada um desses três conquistou 14 triunfos.

Veja o top-5 dos clubes com menos vitórias em 2019:

1º – São Paulo: 9 vitórias

2º – CSA: 11 vitórias

3º – Avaí: 14 vitórias

– Botafogo: 14 vitórias

– Ceará: 14 vitórias

Ataque e defesa do São Paulo estão entre os piores da Série A

O início desta temporada tem sido um pesadelo para o São Paulo. Eliminado precocemente da Copa Libertadores, derrotado nos dois clássicos que disputou até aqui e flertando com a possibilidade de não disputar o mata-mata do Paulistão, o Tricolor está crise. Mais do que isso, o time é um dos menos produtivos de todos os 20 participantes da Série A.

O São Paulo tem uma das piores médias de gols marcados das equipes da elite do futebol brasileiro. Até aqui, em dez partidas oficiais disputadas, o time do Morumbi marcou apenas nove gols. Os números só não são piores do que os registrados por Palmeiras e Athletico-PR, clube que disputa o estadual com a equipe sub-23.

O rendimento do ataque é uma das maiores preocupações atuais do Tricolor. Afinal, a diretoria reforçou o setor para esta temporada com a chegada de Hernanes, principal contratação para 2019, Pablo, reforço mais caro da história do clube, e Biro Biro, como opção para as pontas, mas os resultados ainda não apareceram.

Os problemas ofensivos se repetem na defesa. Dos dez jogos oficiais disputados na temporada, o São Paulo sofreu nove gols de seus adversários. A média só não é pior do que as de Corinthians e Bahia. O momento é tão complicado que, dos adversários deste ano, apenas o Red Bull Brasil não conseguiu fazer gol no Tricolor. Se considerarmos os jogos da Florida Cup, quando a equipe levou seis gols em dois jogos, a média sobe para 1,25 – o que seria a pior do país.

Ciente do desequilíbrio apresentado pela equipe neste início de temporada, a comissão técnica interina tenta encontrar soluções para os vários problemas da equipe do Morumbi. Uma das ideias de Vagner Mancini é dar mais velocidade pelas laterais do campo. Enquanto isso, a diretoria tenta enxugar a folha salarial e mudar o perfil do elenco. Tudo isso em meio à crise e aos protestos dos torcedores.

Os piores ataques da Série A:

Athletico-PR – 0,83 gol por jogo
Palmeiras – 0,88 gol por jogo
São Paulo – 0,90 gol por jogo
Chapecoense – 1,08 gol por jogo
CSA – 1,10 gol por jogo

As piores defesas da Série A:

Corinthians – 1,09 gol por jogo
Bahia – 1,00 gol por jogo
São Paulo – 0,90 gol por jogo
Fortaleza e Internacional – 0,88 gol por jogo
Flamengo – 0,86

 

Fonte: Lance

Saiba quanto cada clube da Série A ganhou com patrocínio máster em 2018

Campeão brasileiro, o Palmeiras faturou sozinho o equivalente a outros 11 clubes da Série A do Brasileiro em patrocínio máster ao longo de 2018. E olha que, nesta conta, não estão inclusos Corinthians, Fluminense e Vasco, os três times que não tiveram um parceiro comercial fixo no espaço mais nobre da camisa durante a temporada que está terminando.

A Crefisa pagou R$ 78 milhões apenas pelo direito de estampar sua marca no peito e nas costas do uniforme alviverde. Somando outras propriedades, o investimento passou dos R$ 100 milhões, de acordo com Leila Pereira, dona da financeira que faz do Verdão o mais rico do país.

Exceção ao Palmeiras, há equilíbrio no mercado de patrocínios. O Flamengo ainda aparece um pouco mais distante, com faturamento de R$ 25 milhões junto à Caixa. A partir daí, a diferença é mínima. O São Paulo embolsa R$ 14 milhões do Banco Inter, seguido por Grêmio e Inter, cujos contratos são idênticos com o Banrisul: R$ 12,9 milhões, cada.

Santos, Atlético-MG, Botafogo e Cruzeiro completam a relação dos outros brasileiros que levam para casa a partir de R$ 10 milhões anuais (o ranking completo está no fim da matéria).

Por falar em patrocínio, dá para afirmar que a Caixa Econômica já foi mais presente, embora ainda tenha a hegemônica em 2018. São 12 clientes na Série A e um investimento pouco superior a R$ 100 milhões – já foram 15. Corinthians e Vasco, que tinham parceria com o banco estatal, não conseguiram reocupar o lugar desde a rescisão do vínculo.

O mercado financeiro, inclusive, é o grande investidor no futebol nacional por ora. Além da Caixa, há o Banrisul com gremistas e colorados, o Banco Inter no São Paulo, e a própria Crefisa com o Palmeiras. A Chapecoense, dona de uma das menores receitas no quesito, é a única não vinculada a uma instituição financeira: o patrocinador é a Aurora, do ramo de alimentos.

Em razão da crise econômica no país, quase todos os clubes tiveram de engolir a renovação do contrato para 2018 sem reajuste. Alguns, como o Flamengo, só conseguiram melhorar os bônus em caso de conquista de títulos. Outros, como Atlético-MG e Cruzeiro, ficaram livres para anunciar outras empresas nas costas.

RANKING DOS PATROCÍNIOS MÁSTER NA SÉRIE A EM 2018:

Palmeiras: R$ 78 milhões (Crefisa)
Flamengo: R$ 25 milhões (Caixa)
São Paulo: R$ 14 milhões (Banco Inter)
Grêmio: R$ 12,9 milhões (Banrisul)
Internacional: R$ 12,9 milhões (Banrisul)
Santos: R$ 10,8 milhões (Caixa)
Atlético-MG: R$ 10 milhões (Caixa)
Botafogo: R$ 10 milhões (Caixa)
Cruzeiro: R$ 10 milhões (Caixa)
Atlético-PR: R$ 6 milhões (Caixa)
Bahia: R$ 6 milhões (Caixa)
Sport: R$ 6 milhões (Caixa)
Vitória: R$ 6 milhões (Caixa)
Paraná: R$ 5 milhões (Caixa)
Chapecoense: R$ 4,6 milhões (Aurora)
América-MG: R$ 4 milhões (Caixa)
Ceará: R$ 4 milhões (Caixa)
Corinthians: R$ 0 (sem patrocínio)
Fluminense: R$ 0 (sem patrocínio)
Vasco: R$ 0 (sem patrocínio)

 

Fonte: Blog do Jorge Nicola

[OFF] Fortaleza vence Atlético-GO e garante retorno à Série A após 13 anos

Depois de 13 anos de espera, o torcedor do Fortaleza pode enfim comemorar: seu time novamente está na Série A do Campeonato Brasileiro. A equipe confirmou matematicamente o acesso ao bater o Atlético-GO por 2 a 1, em pleno Estádio Antônio Accioly, neste sábado. Gustavo e Bruno Melo fizeram os gols dos visitantes da partida válida pela 34ª rodada. João Paulo descontou nos acréscimos da etapa final.

Com o resultado, a equipe comandada por Rogério Ceni vai a 64 pontos e não pode mais ser ultrapassado pelo quinto colocado Vila Nova, que, com 52 pontos, até poderia chegar aos 64, mas ficaria atrás em caso de empate por conta do número inferior de vitórias (19 a 13). Pensando na briga pelo título, a equipe tricolor soma sete de vantagem em relação ao vice-líder CSA.

O Londrina, sexto colocado, empatou com o Avaí e ficou nas 51 unidades, mesma pontuação do Atlético-GO, que fica atrás pelo menor saldo de gols (3 a 1).

O Fortaleza não disputa a primeira divisão nacional desde 2006, quando terminou na 18ª colocação. Depois, a equipe parou até na Série C. Aliás, o acesso à elite vem na temporada seguinte à promoção da terceira para a segunda divisão.

Pela próxima rodada do Brasileiro, o time cearense receberá o CSA no Castelão, na terça-feira, às 21h30 (de Brasília). Se o time vencer e o Avaí não ganhar, o Fortaleza irá assegurar o título. Os catarinenses irão duelar com o Atlético-GO, fora, também na terça, às 19h15.

O jogo – Até os 14 minutos de partida, o confronto entre as duas equipes era equilibrado. O Fortaleza assustou após finalização de Éderson, que recebeu passe de Gustagol, enquanto o time de Goiânia respondeu com chute perigoso de Rômulo.

Entretanto, antes da marca dos 15 minutos de jogo, o Leão do Pici abriu o placar. Com erro na saída de bola, Rômulo presenteou Marcinho, que encontrou Gustagol na área. O centroavante bateu de primeira e de chapa, inaugurando o marcador e fazendo seu 12º tento na Série B.

Atrás no placar, o Atlético-GO buscava infiltrar na defesa adversária, mas não encontrava brecha. Aos 25, a situação dos donos da casa ficou ainda pior: Éderson bateu escanteio curto, recebeu de volta e levantou para a área. Bruno Melo não vacilou e balançou a rede.

Com os gols, a partida ficou ainda mais movimentada. O Atlético bem que tentou com Thiago Santos, mas o jogador esbarrou em boa defesa de Marcelo Boeck. Pouco depois, o time de Rogério Ceni quase chegou ao terceiro: Gustagol aproveitou cruzamento e chutou, mas a bola bateu na trave.

Após um primeiro tempo movimentado, a etapa final de partida não engrenou em seu início. O Atlético-GO era mais perigoso, muito pela necessidade do resultado, mas não conseguia chegar com contundência ao gol de Marcelo Boeck.

Isso mudou aos 27 minutos. Os donos da casa tentaram por duas vezes, mas o goleiro do Leão do Pici fez grandes defesas para impedir o tento. Aos 40, novamente Boeck brilhou, impedindo, por duas vezes, gol de Renato Kayzer, atuando como um legítimo paredão. Entretanto, o arqueiro não conseguiu evitar o tento de João Paulo, já no minuto derradeiro de jogo.

Ao apito final do árbitro Jean Pierre Gonçalves Lima, do Rio Grande do Sul, o Fortaleza de Rogério Ceni garantiu a vitória e uma vaga na principal divisão do futebol brasileiro em 2019.

 

Fonte: ESPN

Cinco brasileiros ‘livres’ no mercado que podem reforçar a Série A em 2019

Apesar de ainda estarmos no mês de setembro, os grandes clubes da Série A já começam a estudar seus respectivos planejamentos para a próxima temporada. Neste cenário, alguns nomes conhecidos que atuam no exterior já começam a “aquecer” as especulações, virando pauta e surgindo como possíveis reforços na Série A para 2019. O ​Blog do Rafael Reis levantou uma pequena lista de jogadores estarão livres na virada do ano. Confira:


Diego Tardelli (Shandong Luneng-CHN)

Hebei China Fortune v Shandong Luneng Taishan - 2018 China Super League

O atacante de 33 anos está na China desde 2015, e não desaprendeu a ser decisivo: na atual temporada soma 15 gols em 24 partidas, sendo o principal destaque de sua equipe. Ídolo no Atlético-MG, não descarta um retorno ao futebol brasileiro, onde também já atuou por São Paulo e Flamengo. ​Deve ser um dos nomes mais procurados a partir de dezembro.


Ilsinho (Philadelphia Union-EUA)

Philadelphia Union v Columbus Crew SC

Apesar de ter despontado no futebol brasileiro como lateral-direito, Ilsinho foi deslocado de posição e hoje atua como meio-campista na Major League Soccer (MLS). No Brasil, foi revelado pelo Palmeiras, e também soma passagens por Internacional e São Paulo. Fez longa carreira com a camisa do Shakhtar Donetsk, da Ucrânia.


Souza (Cerezo Osaka-JAP)

Shonan Bellmare v Cerezo Osaka - J.League Levain Cup Quarter Final 1st Leg

Outro velho conhecido de diversos gigantes da Série A, como Palmeiras, Cruzeiro, Bahia e Santos, o volante de 30 anos está há três anos no Japão e tem status de titular absoluto no Cerezo Osaka. Muito prestigiado, deve ser procurado para renovar, caminho natural caso não receba nenhuma proposta vantajosa do futebol brasileiro.


Alan (Guangzhou Evergrande-CHN)

Tianjin Quanjian v Guangzhou Evergrande - AFC Champions League Round Of 16 1st Leg

Dentre os brasileiros que atuam no futebol chinês, Alan é um dos mais lembrados por clubes do nosso país. Revelado pelo Fluminense, o veloz atacante perdeu espaço no Guangzhou após uma suspensão por agressão e, por conta disso, pode acabar tomando novos rumos ao final de seu contrato. ​Já foi ventilado no Flamengo em diversas oportunidades.


Felipe (Sanfrecce Hiroshima-JAP)

Urawa Red Diamonds v Sanfrecce Hiroshima - J.League Levain Cup Group C

Talvez o menos “badalado” desta lista, Felipe é o camisa 10 do Sanfrecce Hiroshima, atual líder do Campeonato Japonês. Chegou ao país em 2017, alternou bons e maus momentos até sucumbir ao banco de reservas neste ano. Aos 28 anos, pode ver com bons olhos um retorno ao Brasil, onde soma passagens por Palmeiras, Atlético-PR e times de menor expressão.

Aceitaria de volta? Em entrevista, jogador revela tristeza por ter saído do São Paulo

​O ​São Paulo fez muitos investimentos nos últimos anos, mas nem todos deram o retorno que se esperava dentro de campo. Após deixar o time paulista sem conseguir espaço, jogador revela tristeza por não ter dado certo.

Aderllan, que atualmente joga no Vitória,  tem contrato com o Valencia, da Espanha, mas atua no time baiano por empréstimo. Em entrevista ao​ Bom Dia Fox, o defensor falou sobre a sua passagem pelo São Paulo.

”Fiquei com aquele gosto, sem entender o que houve. Eu saí triste, com o coração partido. Deixei amigos lá, sempre fui querido no grupo, mas ontem falando com o Reinaldo (lateral), ele disse: ‘Pô, era pra você estar aqui’…”Aí eu falei para ele: “Oh, Reinaldo, só o Carlos Alberto de Nóbrega para ficar no banco da praça muito tempo”, declarou.

São Rojas™@Caiiioo_SPFC

Menas Aderllan

FOX Sports Brasil

@FoxSportsBrasil

Zagueiro revela tristeza por deixar o São Paulo: “Coração partido”

👉 http://bit.ly/2NalziQ 

Ver imagem no Twitter

O jogador chegou a entrar algumas vezes na equipe titular, porém, nunca se firmou, por isso o Tricolor não pensou duas vezes ao aceitar negocia-lo com o time nordestino.

Emprestado pelo São Paulo, zagueiro permanecerá na Chapecoense

Um dos objetivos do departamento de futebol da Chapecoense no ano foi concretizado. Emprestado pelo São Paulo, o zagueiro Douglas permanecerá no Verdão até o fim de 2019. A prorrogação foi assinada nesta sexta-feira.

O empréstimo pelo São Paulo iria até o dia 31 de maio, mas os clubes chegaram a um novo acordo e o contrato foi ampliado até o fim de julho, quando o vínculo com os paulistas encerra. Concomitantemente, o Verdão assinou um novo contrato, que garante a permanência de Douglas, em definitivo, até o término da próxima temporada.

Empréstimo renovado: até 17/07/2018
Em definitivo: de 18/07/2018 até 31/12/2019

– Rapidamente, eu e minha família nos adaptarmos e nos sentimos muito acolhidos em Chapecó. Aqui, pude voltar a atuar com regularidade e com confiança. Por isso, fiz questão de ficar e me esforcei muito, para que pudesse renovar esse vínculo por mais tempo neste Clube. Gostaria de agradecer à diretoria pelo respaldo e espero que seja um período de ainda mais jogos, vitórias e conquistas – afirmou o zagueiro, por meio da assessoria de imprensa.

Douglas chegou à Chapecoense em setembro de 2017, quase no fechamento da janela de contratações e estreou contra a Ponte Preta, na 25ª rodada do Brasileirão. Até o momento foram 27 jogos e um gol pelo time verde e branco.