Presidente da CBF: “o mesmo torcedor que pede convocação de seu craque reclama”

Além de adotar um discurso de aproximação aos times que disputam o Brasileirão e torcedores dos mesmos, o presidente da CBF, Rogério Caboclo, também falou sobre as convocações da seleção brasileira, seja para o time principal, como o sub-23 ou sub-17

A manifestação ocorre dentro de um contexto em que o time pentacampeão mundial convoca 19 jogadores e desfalca 12 clubes que disputam o torneio nacional. “Assumimos na CBF dois conceitos: o primeiro é que não existem amistosos”, iniciou Caboclo, em nota oficial. O que existe são jogos preparatórios”, acrescentou o presidente da CBF.

“E segundo que as seleções brasileiras não mais abrirão mão de ter os melhores jogadores em campo”, prossegue o mandatário.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!

“O mesmo torcedor que pede a convocação de seu craque a cada drible ou a cada gol, reclama quando ele desfalca seu clube do coração para servir à Seleção“, observa o presidente da CBF.

“É compreensível. Não é fácil equilibrar duas paixões. Temos trabalhado para otimizar cada vez mais o calendário do futebol brasileiro”, completa Caboclo.

Veja a seguir os jogadores do Brasileirão que foram convocados e serão desfalques nas próximas rodadas:

Atlético-MG: Cleiton e Guga (ambos sub-23)
Athletico Paranaense: Santos (principal) e Bruno Guimarães (sub-23).
Botafogo: Marcinho (principal).
Corinthians: Pedrinho (sub-23).
Flamengo: Reinier (sub-17), Rodrigo Caio e Gabigol (ambos principal).
Fluminense: Caio Henrique e Allan (ambos sub-23).
Grêmio: Matheus Henrique e Éverton (ambos principal).
Internacional: Bruno Fuchs (sub-23).
Palmeiras: Weverton (principal).
Santos: Felipe Jonatan (sub-23).
São Paulo: Daniel Alves (principal) e Anthony (sub-23).
Vasco: Talles Magno (sub-17).

Torcedores.com

Seleção Brasileira e Morumbi: 55 anos de história

O Estádio Cícero Pompeu de Toledo será palco da abertura da Conmebol Copa América: Brasil 2019. E, assim, receberá mais uma partida da Seleção Brasileira, que abrirá a competição.


Ao longo dos anos, até o presente momento, o Morumbi já recebeu 28 jogos do selecionado principal do Brasil. Foram 18 vitórias, nove empates e apenas uma derrota.

O primeiro jogo ocorreu em 13 de abril de 1963, há 55 anos, quando os brasileiros enfrentaram a Argentina pela Copa Roca. O resultado marcou a única derrota da seleção canarinho na casa são-paulina: 2 x 3.

Desde então, o Brasil acumula uma significativa invencibilidade de 27 partidas, das quais, as últimas quatro com vitórias seguidas: 3 a 1 na Bolívia, em 2004; 2 a 1 no Uruguai, em 2007; 1 a 0 na África do Sul, em 2012; e 1 a 0 na Sérvia, em 2014.


Algumas partidas ficarão para sempre na memória, como a despedida de Pelé da Seleção Brasileira (Brasil 1 x 1 Áustria, em 1971), ou a goleada sobre a Venezuela nas Eliminatórias de 1989, com quatro gols de Careca e um de Silas. E claro, os dois gols de Luis Fabiano na já citada vitória sobre o Uruguai, em 2007, em que o atacante se ajoelhou no distintivo do Tricolor.

 

Fonte: saopaulofc.net

Nenê publica vídeo de gols em treino do São Paulo, e Neymar brinca com “chapada”

Neymar brincou com Nenê nas redes sociais. O camisa 10 do São Paulo publicou um vídeo com gols em um treino do Tricolor, no CT da Barra Funda, em que ele faz gols com a famosa “chapada” (veja abaixo).

A batida do meia virou febre entre a torcida e até motivou a criação de um copo no clube.

– Ê ê ê chapada do Nenê – escreveu Neymar, com bom humor.

Artilheiro do São Paulo na temporada com 12 gols, ao lado de Diego Souza, Nenê está confirmado para o San-São de domingo, às 16h, na Vila Belmiro.

Visualizar esta foto no Instagram.

Sempre em busca da evolução vamos com tudo!???? ?????????? @eaife

Uma publicação compartilhada por N10 (@nene) em

 

Militão é convocado para o lugar de Fagner na seleção brasileira

O técnico Tite convocou neste domingo o lateral direito/zagueiro Éder Militão, do Porto, para a seleção brasileira.

Ele substituirá Fagner, do Corinthians, diagnosticado com uma lesão no músculo posterior da coxa esquerda.

“Éder Militão foi observado pela comissão técnica da seleção quando ainda atuava pelo São Paulo. O coordenador de seleções, Edu Gaspar, comunicou o atleta da convocação neste domingo, após a partida do Porto contra o Moreirense”, explicou a CBF.

O Brasil enfrenta os Estados Unidos em 7 de setembro, às 20h30 (de Brasília), na casa do rival.

Quatro dias depois, também em território americano, o time de Tite encara El Salvador, às 21h30.

 

Fonte: ESPN

SELEÇÃO SOBERANA! Imprensa pede jogadores do São Paulo na Seleção Brasileira

​O São Paulo segue forte na liderança do Campeonato Brasileiro. Venceu o último jogo em cima do Ceará por 1 a 0, e abriu três pontos do segundo colocado, o Internacional.

Autor do gol dessa vitória, o lateral Bruno Peres, vem chamando atenção da imprensa. Desde que chegou no Tricolor, ele não saiu mais do time titular. Com boas atuações, já tem jornalista pedindo o lateral na Seleção Brasileira.

Sao Paulo v Ceara - Brasileirao Series A 2018

”Eu teria levado o Bruno Peres para a Copa do Mundo. Iria para o lugar do Danilo. Se o Tite convocar o Bruno Peres, não me surpreenderá”, comentou Fábio Sormani, da Fox Sports.

Além dele, outro nome que está no radar do treinador Tite é ​o lateral Reinaldo. Segundo o jornalista Leandro Quesada, o número 14 pode ser chamado a qualquer momento pelo comandante da seleção.

Reinaldo comemora bom momento e pensa em Seleção Brasileira

Reinaldo teve participação importante na vitória do Tricolor sobre o Ceará, por 1 a 0, no Morumbi. O lateral entrou na área driblando os adversário e rolou para Diego Souza, que fez a assistência para o gol de Bruno Peres. O camisa 14 vive um excelente momento no São Paulo e seu bom desempenho ao longo do ano rendeu elogios de Diego Aguirre.


– A boa fase do Reinaldo é mérito 100% dele. Ele acreditou, é outro jogador. Está sendo um profissional 100% na hora da alimentação, do treino, da academia. Ele mudou um pouco seus hábitos e está em um nível excelente. Estou gostando muito do que ele está aportando ao time e tem que continuar assim – disse o comandante.

Questionado sobre a Seleção Brasileira, Reinaldo disse que espera uma oportunidade.

– Estou trabalhando aqui no São Paulo para estar sempre em alto nível. E jogador em alto nível pensa em Seleção. Tenho pé no chão, humildade de estar trabalhando sempre. Se pintar uma oportunidade, por que não? É esperar que uma hora chega – declarou.

Emprestado à Ponte Preta em 2016 e à Chapecoense na temporada passada, o lateral retornou ao São Paulo disposto a mudar a imagem que a torcida tinha dele. Antes perseguido pelos torcedores, ele agora é um dos atletas mais queridos pelo público. Nos vestiários, Reinaldo exerce uma liderança que não existia antes, incentivada por Aguirre.

– O professor, desde que chegou, me deu muita confiança. Ele vem sempre falando comigo, pedindo para melhorar sempre, para ser um exemplo dentro da equipe. É o que venho fazendo, com minha humildade. Só quem tem a ganhar é o São Paulo – disse o camisa 14.

Nesta temporada, o lateral tem 33 jogos pelo Tricolor, sendo 32 como titular e marcou três gols.

É SELEÇÃO! Tite está de olho em são paulino para defender a amarelinha

Cada vez mais líder do Brasileirão, o São Paulo tem mostrado um futebol invejável. O momento é explicado pela excelente fase de vários jogadores.

Nesse domingo, no A Última Palavra, programa dos ​FOX Sports, o jornalista Leandro Quesada informou que Tite está analisando de perto o desempenho do lateral Reinaldo, um dos nomes de confiança de Aguirre nessa campanha do Brasileirão.

Com Marcelo titular absoluto, a concorrência é pesada na posição. O banco também não é menos difícil, já que Filipe Luis e Alex Sandro são vistos como atletas que podem assumir a titularidade.

Ale@Sandro_Dantas

eu vivi p ver reinaldo ser considerado, seriamente, na seleção brasileira

Enquanto isso, Reinaldo continuará trabalhando duro para ajudar o Tricolor na busca por mais vitórias no campeonato. O próximo compromisso será no próximo final de semana, quando medirá forças com o Fluminense, no Morumbi.

Por que não? Reinaldo revela objetivo ousado ao decolar no São Paulo

​Já faz dois anos desde que ​Reinaldo deixou o São Paulo para empréstimos consecutivos para Ponte Preta e Chapecoense. Duas temporadas em muito bom nível, que convenceram a atual diretoria a apostar no seu retorno. Opção que tem se mostrado muito acertada. O lateral-esquerdo é um dos pilares do time de Diego Aguirre e segue se destacando, jogo após jogo.

Titular absoluto do líder do Brasileirão, ao ser questionado sobre o sonho de vestir a camisa da Seleção Brasileira, Reinaldo não titubeou e admitiu que tem a pretensão de dar esse próximo passo na carreira:

Sao Paulo v Ceara - Brasileirao Series A 2018

“Com certeza. Estou trabalhando aqui no São Paulo para isso, para estar sempre em alto nível. Jogador em alto nível pensa em Seleção. Eu tenho pé no chão e humildade de estar trabalhando sempre. Se pintar uma oportunidade, por que não? Estou trabalhando. O São Paulo está em um excelente momento. Individualmente estou bem também. É esperar que uma hora chega”, confidenciou.

Com contrato válido até 2020, o atleta de 2020 nunca esteve tão bem no Morumbi quanto agora. Perseguido pela torcida por atuações abaixo da crítica anteriormente, evoluiu como poucos.

Jean Tricolor@jeanjacksonsp

80% do gol foi de Reinaldo… absurdo o q evoluiu e está nos ajudando depois da sua volta! Tem que valorizar e muuuuito, e criticamos sempre, mas Sidão finalmente salvou uma qnd ainda estava 0x0

​​

Rodrigo Bernardo@RobiBernardo

Mérito TOTAL pro Reinaldo. Caramba, impressionante o tanto que ele evoluiu e é importante pro agora.

 

Com proposta de rival, Miranda prioriza o São Paulo

Zagueiro titular da Seleção Brasileira, Miranda admitiu ter tido conversas com o Palmeiras que não evoluíram. Aos 33 anos e com contrato até o meio de 2019 com a Inter de Milão (ITA), ele disse que não é sua vontade voltar agora ao Brasil, especialmente a um rival do São Paulo, onde atuou de 2006 a 2011.


– O Palmeiras é uma potência no Brasil, em termos financeiros e de estrutura, um dos clubes que mais cresceram nos últimos anos. Normal uma potência assim vir atrás de jogadores que ainda estão em alto nível na Europa. Eu tive algumas conversas com alguém ligado ao Palmeiras, sim, mas expliquei minha situação e a conversa não evoluiu. E eu tenho uma relação forte com o São Paulo. Uma volta ao Palmeiras não seria legal – disse o jogador, em entrevista ao canal do jornalista Thiago Asmar.

– Minha prioridade é permanecer na Europa, tenho contrato com a Inter e no momento vou procurar cumprir este contrato. As coisas no futebol são dinâmicas. Em dois dias eu posso mudar de opinião, caso apareça uma oferta convincente para voltar ao Brasil. Mas hoje acho muito difícil – completou.

O Verdão busca um jogador de nome para a defesa e nesta segunda-feira acertou com uma aposta: o argentino Nicolas Freire, de 24 anos. Ele vai assinar por empréstimo de um ano, com opção de compra ao término do vínculo.

Há sete anos na Europa, jogando por Atlético de Madri (ESP) e Inter, Miranda antes tornou-se ídolo no São Paulo, onde chegou para substituir Lugano e foi decisivo para o tricampeonato brasileiro, de 2006 a 2008. Jogar em um rival do Tricolor é uma possibilidade cogitada apenas se o clube do Morumbi não tiver como repatriá-lo no futuro.


– Acho que em um retorno a prioridade seria o São Paulo. Se o São Paulo não quisesse ou não tivesse força me contratar, eu sou profissional primeiramente e devo fazer meu melhor pelo meu trabalho e para mim mesmo. Se não tivesse oferta do São Paulo e tivesse do Palmeiras, por exemplo, jogaria pelo Palmeiras e faria o melhor para o Palmeiras ganhar título – completou.

Brenner volta à Seleção e desfalca reinício de treinos no São Paulo

O São Paulo não terá Brenner na reapresentação de terça-feira, no CT da Barra Funda. O atacante de 18 anos se junta nesta segunda à Seleção sub-20 para um período de treinos em Belo Horizonte (MG). Ele deve estar de volta no dia 5 de julho, antes da reestreia tricolor no Campeonato Brasileiro.

Tem sido algo constante a ida do garoto para trabalhar com a Seleção, tanto de base quanto profissional. Em junho, ele treinou por duas semanas com o grupo convocado por Tite, na preparação para a Copa do Mundo. Brenner ficaria com o elenco apenas na Granja Comary, em Teresópolis (RJ), mas agradou tanto que viajou para mais uma semana de treinos em Londres, na Inglaterra.

Na mesma semana após seu retorno, ficou no banco contra o Vitória e entrou no segundo tempo do triunfo por 3 a 0. Antes, havia ficado fora de seis partidas por conta da Seleção.

Quase um mês antes, o atacante já havia sido requisitado para treinar com o Brasil sub-20, no CT Joaquim Grava, do Corinthians, como preparação para o Sul-Americano da categoria, no ano que vem. Os trabalhos a partir desta segunda também são pensando nessa competição. Além dele, outros são-paulinos foram convocados: Helinho, Igor, Jonas Toró, Luan e Walce. Todos estes integram o time sub-20.

No São Paulo, Brenner tem 18 partidas pela equipe principal (11 como titular), com três gols. Embora seja considerado muito promissor, jogou menos com Diego Aguirre, tanto que diretoria e comissão técnica tentaram convencê-lo a seguir treinando no CT da Barra Funda, mas jogar pelo time sub-20 ou sub-23 para ganhar ritmo.

Após a Seleção, o garoto terá ainda duas semanas para convencer Aguirre a ser usado mais frequentemente, já que a reestreia do time no Brasileiro será dia 18 de julho, contra o Flamengo, no Maracanã.

 

Fonte: Lance

Brenner vê SP mais forte no 2º semestre e destaca aprendizado com a Seleção Brasileira

Brenner desfalcou o São Paulo em maio e não estará na reapresentação da equipe nesta terça-feira (26) por um nobre motivo. O jovem, de 18 anos anos de idade, foi chamado para integrar os treinos da seleção brasileira durante a preparação para a Copa do Mundo, na Granja Comary. Como teve bom desempenho, ele acabou sendo convidado também para viajar com a delegação para Londres. Nesta segunda-feira (25), ele vai se integrar o elenco da seleção sub-20, que treina de olho no Sul-Americano Sub-20 de 2019.

“Foi muito bom. Fui muito bem recebido na Granja Comary e me senti como parte do grupo. Depois, viajei para Londres, e deu para sentir aquele clima de Copa, né!? Só tenho a agradecer essa oportunidade. Aprendi muito, prestei bastante atenção em muitas coisas, como postura fora de campo, esquema tático, posicionamento. Uma experiência que vou guardar para toda a minha carreira, e só tenho a agradecer ao Tite e toda a comissão técnica da seleção”, disse o jovem, que aposta no potencial da seleção nacional.

“O Brasil sempre é favorito. Nesse período eu pude comprovar toda a qualidade do grupo, e a minha torcida e confiança só aumentaram. A Suíça mostrou um pouco de como todos vão se portar contra nós, fechados e bem postados na defesa. Mas temos talento de sobra para vencer os próximos jogos, e acredito muito no hexa”.

Nesta terça-feira (25), o São Paulo se reapresenta após folga durante o Mundial. No Campeonato Brasileiro, a equipe terminou o primeiro semestre em alta, com a terceira colocação na classificação geral. O time volta a jogar contra o Flamengo, na quarta-feira (18), no Rio de Janeiro. A expectativa do jovem é bem positiva em relação ao Tricolor em 2018.

“Vínhamos em uma sequência de vários jogos e conquistamos diversas vitórias. Apesar de estarmos vivendo um ótimo momento, acho que essa parada é boa para o time descansar um pouco. Teremos tempo para trabalhar antes de a bola rolar novamente e voltaremos ainda melhores”, aposta Brenner.
“Tem sido um ano muito bom para mim, então, só espero coisas boas. Temos duas competições duríssimas no segundo semestre, e estou pronto para ajudar o nosso time a brigar pelas duas. A comissão técnica do Aguirre me passa muita confiança, e estou trabalhando duro para estar preparado quando as oportunidades aparecerem”, completou.

Em rede social, Lugano sugere música para torcida do São Paulo inspirada na Seleção Brasileira

A Copa do Mundo da Rússia de 2018 é um verdadeiro sucesso e a torcida brasileira não perdeu a chance e já criou uma música que viralizou nas redes sociais e também em nosso país, onde exalta as conquistas da Seleção na Copa e os principais nomes de cada uma. Em seu Twitter, Diego Lugano, ex-jogador do São Paulo e dirigente do clube sugeriu uma música para a torcida Tricolor.

Assim como a Seleção Brasileira é extremamente vitoriosa em Mundiais, o São Paulo é um dos clubes brasileiros e do Mundo que mais conquistaram o Mundial de Clubes, ao todo são três conquistas e assim como o Brasil, o Tricolor teve peças fundamentais em cada título e pensando nisso, um torcedor do time do Morumbi se inspirou para fazer uma música ao time semelhante a do Brasil na Copa de 2018.

A canção foi aprovada por Diego Lugano, que inclusive é citado na letra, na terceira conquista de título Mundial do Tricolor, que aconteceu em 2005.

Diego Lugano

@DiegoLugano

Torcida tricolor, que acham de cantar essa música que um amigo me mostrou por aqui?

Lugano é um dos maiores ídolos da história recente do São Paulo. Como jogador teve duas passagens pelo time paulista e conquistou títulos importantes como: Paulistão 2005, Libertadores 2005, Mundial de Clubes da FIFA 2005 e Brasileirão 2006. O uruguaio se aposentou no time do Morumbi e hoje exerce a função de Superintendente das relações institucionais do São Paulo.

A presença são-paulina em todos os jogos do Brasil

Desde 1914, a Seleção Brasileira fez 1087 jogos (até 14 de junho de 2018). O desempenho geral do Brasil é de 700 vitórias, 221 empates e 166 derrotas, 2482 gols marcados e 1018 sofridos. Nestas atuações, a Seleção contou com no mínimo um jogador são-paulino em 590 partidas, ou seja, 54,28% dos jogos, a maior taxa entre todos os clubes.

Confira, nesse artigo, o desempenho dos atletas tricolores presentes nos jogos do Brasil em vários critérios.

METODOLOGIA

Para esse estudo, foram considerados os jogadores nos times em que estavam devidamente registrados na data da convocação. Outro aspecto importante é que não importa a quantidade de jogadores de um mesmo clube em cada partida nessa análise. Todo jogo com um ou mais jogadores de um time será considerado uma única participação para aquela associação. Uma presença.

O ranking é dividido em três classificações. A primeira: a relação geral de todos os jogos do Brasil; a segunda: a relação de jogos oficiais da Seleção; a terceira: a relação de jogos geral de jogos do Brasil desde 1930, quando o São Paulo Futebol Clube foi fundado; e por fim a relação das partidas de Copa do Mundo.

Entenda por jogo oficial as partidas realizadas contra federações nacionais filiadas diretamente à FIFA (ou a própria seleção da entidade). Na relação geral estão incluídos jogos contra clubes, combinados e seleções locais ou estaduais. Nos jogos oficiais, não.

Cada uma dessas três classificações é dividida em outros três pontos: jogos no total, jogos com titulares e capitães.

O trabalho se baseia, em muito, nas pesquisas dos já citados André do Nascimento Pereira e Marcelo Leme de Arruda, como também em leituras de revistas e jornais de época. Números até 14 de junho de 2018, ou seja: antes do início da Copa do Mundo de 2018.

As cinco vezes em que um jogador do São Paulo foi capitão da Seleção Brasileira em um jogo de Copa do Mundo:

16/06/1954 5 X 0 MÉXICO – Bauer (José Carlos Bauer)
19/06/1954 1 X 1 IUGOSLÁVIA – Bauer (José Carlos Bauer)
27/06/1954 2 X 4 HUNGRIA – Bauer (José Carlos Bauer)
12/07/1966 2 X 0 BULGÁRIA – Bellini (Hideraldo Luis Bellini)
15/07/1966 1 X 3 HUNGRIA – Bellini (Hideraldo Luis Bellini)

 

Fonte: Site Oficial

Os são-paulinos em Copas do Mundo pela Seleção Brasileira

Michael Serra / Arquivo Histórico do São Paulo FC
revista0052.png

O Site Oficial do São Paulo trará, durante a realização da Copa do Mundo de 2018, como na edição de 2014, uma série de matérias especiais relacionando o Tricolor do Morumbi com o campeonato mundial, a seleção brasileira e algumas seleções estrangeiras. O primeiro desses artigos aborda todos os jogadores da história do clube que disputaram o maior evento futebolístico do planeta vestindo a camisa do Brasil.

Por Arquivo Histórico do São Paulo FC – Equipe do Brasil campeã mundial em 1958: De Sordi, Dino Sani, Bellini, Nilton Santos e Gylmar; Abaixados: Mário Américo (massagista), Joel, Didi, Mazzola, Vavá e Zagalo.

O Site Oficial do São Paulo trará, durante a realização da Copa do Mundo de 2018, como na edição de 2014, uma série de matérias especiais relacionando o Tricolor do Morumbi com o campeonato mundial, a seleção brasileira e algumas seleções estrangeiras. O primeiro desses artigos aborda todos os jogadores da história do clube que disputaram o maior evento futebolístico do planeta vestindo a camisa do Brasil.

copadomundobr678.png
Todos os são-paulinos em Copas do Mundo pela Seleção Brasileira

As Copas do Mundo antes da 2ª Guerra Mundial

O São Paulo nasceu, curiosamente, no ano em que foi realizada a primeira Copa do Mundo, em 1930. E já naquele ano contou com um representante no selecionado canarinho, embora os acontecimentos envolvendo Araken Patusca, o atleta em questão, sejam um pouco mais complexos e mereçam melhor explicação: Araken, quando da convocação da CBD, estava expulso do quadro de sócios do Santos, mas ainda registrado na APEA (federação paulista) como jogador daquela equipe. Em verdade, o craque já se alinhava em campo pela equipe do São Paulo, então no bairro da Floresta. O Santos posteriormente tentou revogar a expulsão proferida, mas Araken permaneceu no Tricolor, fazendo carreira no clube até 1935, regressando ainda nos anos 40.

O caso de Araken não foi a única confusão na primeira Copa do Mundo. Houve uma série de atritos entre as federações paulista e carioca que acabou ocasionando um boicote pela associação paulista e impedindo que outros ídolos tricolores convocados participassem do torneio (Araken acabou sendo registrado, de última hora e de modo um tanto quanto “pirata” – aproveitando-se do litígio com o Santos -como filiado à federação do Rio de Janeiro. Haviam sido convocados: Nestor, goleiro, Clodô, zagueiro, Friedenreich e Luizinho, atacantes.

Na Copa do Mundo da Itália, em 1934, novamente bagunças administrativas internas envolvendo, agora, ligas profissionais e amadoras, impediram que a Seleção Brasileira se apresentasse com os melhores jogadores. Só viajaram à Europa jogadores do Botafogo ou aqueles que foram sorrateiramente contratados pela CBD (amadora e filiada à FIFA). O São Paulo, profissional desde 1933 e filiado a FBF (não-filiada à FIFA), teve quatro jogadores convocados apesar disso. Os jogadores foram aliciados e disputaram o mundial sob contrato direto com a CBD.

O Tricolor não contou com jogadores na Copa do Mundo de 1938. Recentemente refundado, em 1935, o São Paulo ainda engatinhava, buscando novamente se estabelecer como um grande clube do futebol brasileiro. Contudo, Argemiro, Hércules, Luizinho e Waldemar de Brito eram os ex são-paulinos na disputa. Todos eles tricolores até o aliciamento de 1934 ou o fechamento temporário do clube, em 1935.

As Copas do Mundo pós 2ª Guerra Mundial

A Copa realizada no Brasil em 1950 contou com a famosa linha média do Tricolor, composta por Rui, Bauer e Noronha. Bauer saiu consagrado dos escombros daquele certame e sendo apelidado como o Monstro do Maracanã. O atacante Friaça, autor do gol brasileiro na final contra o Uruguai, também era do São Paulo.

Em 1954, a Copa realizada na Suíça levou novamente grandes defensores do Tricolor: Bauer, na segunda participação dele, Alfredo Ramos e Mauro, o zagueiro que oito anos depois ergueria a Taça Jules Rimet na conquista do bicampeonato mundial da Seleção Brasileira. Maurinho, ponta, também representou o Tricolor naquela edição.

Na Suécia, o Brasil conquistou a primeira Copa do Mundo e estiveram em campo com a Seleção os jogadores Mauro, pela segunda vez, De Sordi, que disputou toda a Copa mas não pôde entrar em campo na partida final e o meia Dino Sani. Bellini, que ergueu a taça pela primeira vez na história, era então jogador do Vasco da Gama, mas em 1962, no bicampeonato mundial brasileiro, já era jogador do Tricolor. Ao lado de Bellini, o defensor Jurandir também disputou aquela Copa do Mundo realizada no Chile como jogador são-paulino.

Então favorito, o Brasil deixou escapar a conquista da Copa de 1966, disputada na Inglaterra, jogando muito abaixo do esperado. Tomaram parte naquela edição Bellini e Paraná. Já em 1970, na conquista do Tri, o são-paulino presente era o canhotinha de ouro Gérson, contratado junto ao Botafogo em 1969. Gérson marcou um gol na final da Copa, contra a Itália.

Waldir Peres foi o primeiro goleiro tricolor a disputar uma Copa do Mundo. Não bastasse isso, disputou três consecutivas, 1974, 1978 e 1982. Ao lado do segundo homem que mais vestiu a camisa do São Paulo na história estiveram, em 1974, Mirandinha, em 1978, Zé Sérgio e Chicão – aquele que parou a Argentina na casa adversária hostil – e em 1982, no time que encantou o mundo inteiro, Oscar, Serginho Chulapa e Renato. O zagueiro são-paulino marcou um gol contra a Escócia, enquanto que Serginho balançou as redes contra Nova Zelândia e Argentina.

Recorde de são-paulinos no elenco

Em 1986, novamente o título da equipe brasileira bateu na trave, mesmo com a participação recorde de são-paulinos no evento: Foram 5 jogadores, a saber: Oscar, Falcão, Müller, Careca e Silas. O centroavante Careca, inclusive, marcou 5 gols naquela Copa (Argélia, Irlanda do Norte, duas vezes, Polônia e França).

Em 1990, ao contrário, somente Ricardo Rocha esteve em campo com a Seleção que caiu frente a Argentina, nas oitavas de final. Tudo foi diferente em 1994. Sem Raí, negociado com o Paris Saint-Germain ainda em 1993, e Ronaldão, às vésperas da Copa, o São Paulo enviou à Seleção que se sagraria tetracampeã mundial o goleiro Zetti, os laterais/meio-campistas Cafu e Leonardo (que possuía contrato com o clube até junho daquele ano), além do atacante Müller.

Quatro anos depois, na França, foram vice-campeões mundiais: Denílson, jovem revelação cuja futura transferência para o Bétis, da Espanha, rendeu valores recordes, e Zé Carlos, “revelação” tardia do futebol nacional que alcançou o ápice da carreira ao disputar a semifinal da Copa contra a Holanda, após ter chegado ao Tricolor vindo da segunda divisão paulista, onde jogava na Matonense.

Por fim, o capitão tricolor, Rogério Ceni, tomou parte na disputa das Copas do Mundo de 2002, onde foi campeão mundial ao lado dos também são-paulinos Belletti e Kaká, e em 2006, junto do volante Mineiro.

Percebe-se assim que, além de ser o maior fornecedor de jogadores à Seleção Brasileira em Copas do Mundo (fato que abordaremos em matéria vindoura), sempre que a Seleção Brasileira foi campeã do mundo havia um jogador do São Paulo no elenco.

Confira a relação resumida de são-paulinos na Copa do Mundo pela Seleção Brasileira:

  • 1930: Araken Patusca*;
  • 1934: Sylvio Hoffmann 1, Armandinho 2, Luizinho 3, Waldemar de Brito 4;
  • 1950: Bauer 5, Rui 6, Noronha 7, Friaça 8;
  • 1954: Mauro 9, Alfredo 10, Bauer 11, Maurinho 12;
  • 1958: De Sordi 13, Mauro 14, Dino Sani 15;
  • 1962: Bellini 16, Jurandir 17;
  • 1966: Bellini 18, Paraná 19;
  • 1970: Gérson 20;
  • 1974: Waldir Peres 21, Mirandinha 22;
  • 1978: Waldir Peres 23, Chicão 24, Zé Sérgio 25;
  • 1982: Waldir Peres 26, Oscar 27, Serginho 28, Renato 29;
  • 1986: Oscar 30, Falcão 31, Müller 32, Careca 33, Silas 34;
  • 1990: Ricardo Rocha 35;
  • 1994: Müller 36, Cafu 37, Zetti 38, Leonardo 39;
  • 1998: Zé Carlos 40, Denílson 41;
  • 2002: Rogério Ceni 42, Belletti 43, Kaká 44;
  • 2006: Rogério Ceni 45, Mineiro 46.

Totalização:

– 47 presenças, 46 convocações (*excluída a participação de Araken, então convocado em litígio, e não incluídos os quatro jogadores impedidos de disputar em 1930).

– 39 jogadores presentes, 38 jogadores convocados (seis deles convocados duas vezes, e um convocado três vezes:

2 vezes: Bauer, Mauro, Bellini, Oscar, Müller e Rogério Ceni
3 vezes: Waldir Peres.

Pré-Convocações e Listas de Espera (não foram à Copa)
  • 1930: Nestor (impedido de ir);
  • 1930: Clodô (impedido de ir);
  • 1930: Luizinho (impedido de ir);
  • 1930: Friedenreich (impedido de ir);
  • 1934: Orozimbo (pré-convocação);
  • 1950: Savério (pré-convocação);
  • 1950: Teixeirinha (pré-convocação);
  • 1950: Mauro (uma das pré-voncações);
  • 1954: De Sordi (pré-convocação);
  • 1958: Riberto (grupo de 40 convocados);
  • 1958: Zizinho (grupo de 40 convocados);
  • 1958: Canhoteiro (grupo de 40 convocados);
  • 1958: Gino Orlando (grupo de 40 convocados);
  • 1962: De Sordi (grupo de 40 convocados);
  • 1962: Prado (grupo de 40 convocados);
  • 1962: Benê (grupo de 40 convocados);
  • 1966: Roberto Dias (grupo de 40 convocados);
  • 1966: Fefeu (grupo de 40 convocados);
  • 1966: Fábio (pré-convocação);
  • 1970: Toninho Guerreiro (pré-convocação);
  • 1970: Jurandyr (pré-convocação);
  • 1974: Gilberto Sorriso (grupo de 40 convocados);
  • 1974: Chicão (grupo de 40 convocados);
  • 1978: Serginho Chulapa (pré-convocação);
  • 1982: Mário Sérgio (grupo de 40 convocados);
  • 1982: Zé Sérgio (uma das pré-convocações);
  • 1986: Gilmar (grupo de 40 convocados);
  • 1986: Sidney (grupo de 40 convocados);
  • 1998: Márcio Santos (cortado);
  • 2014: Alan Kardec (grupo de 30 convocados).
  • 2018: Rodrigo Caio (grupo de 35 convocados).