BOMBA!!! Cavani no São Paulo?? Confira!

Petros Maicon São Paulo

Cavani no São Paulo? Petros e Maicon fazem post enigmático nas redes sociais

Edinson Cavani no São Paulo? A confirmação do interesse do Tricolor no uruguaio feita por Diego Lugano, atual superintendente de relações institucionais do time do Morumbi, tem feito à torcida delirar nas redes sociais com a possibilidade do negócio e os ex-tricolores Petros e Maicon não ficaram de fora.

 

Em meio a chuva de pessoas prevendo gol de Cavani no tetra da Copa Libertadores e outros fazendo promessas de tatuar o rosto do atleta caso venha ao Tricolor, a dupla Petros e Maicon, ex-jogadores do São Paulo que defendem o Al-Nassr, da Arábia Saudita, entraram na zoeira nas redes sociais.

+ Grafite relembra Mundial com São Paulo e ironiza ‘jogou de igual para igual’ usado em defesa do Flamengo

Torcedores do Tricolor declarados, eles publicaram um vídeo nas redes sociais brincando com o nome de Cavani.

– Petros, o que você está fazendo aí, cara? – indaga o zagueiro Maicon.

– Cavani – responde o volante, com uma pá em mãos fazendo buraco na terra.

PROFETIZOU?

Petros defendeu o São Paulo entre as temporadas 2017 e 2018 e criou forte identificação com a torcida por declarações fortes e vistas como verdadeiras nos tempos de Morumbi. Depois, mesmo negociado com o time árabe, ele segue acompanhando o Tricolor registrando fotos de jogos e vídeos de comentários/críticas em seu Instagram.

A torcida do São Paulo, inclusive, cria grande expectativa sobre os vídeos de Petros já que ele acabou antecipando as contratações de Alexandre Pato, Daniel Alves e Juanfran recentemente.

NEGOCIAÇÃO COM CAVANI?

Com problemas de caixa, afinal, fechou o balançou de 2019 com deficit de R$ 156 milhões, o São Paulo tem buscado medidas para aliviar à crise financeira causada pela pandemia do coronavírus e cogita vender o jovem Igor Gomes, além de Antony (ao Ajax), para tentar ter condições de fechar o ano com as contas no azul.

O portal Meu Tricolor apurou no último sábado (11) que Diego Lugano está à frente das conversas com o uruguaio para convencê-lo de escolher o São Paulo Futebol Clube como destino caso tenha o desejo de voltar ao futebol sul-americano. As conversas são embrionárias.

Caso haja uma sinalização positiva por parte de Cavani, o segundo passo será a entrada do diretor-executivo de futebol, Raí, e o gerente de futebol, Alexandre Pássaro, para discutir valores e projetos de marketing.

+ Diego Forlán revela que torcia pelo São Paulo e sonha em treinar o clube um dia

O que pesa contra na história, além das altas cifras salarias e de luvas, é a dificuldade encontrada pelo clube de atrair parceiros. Daniel Alves, por exemplo, até o momento só conta com o DAZN o utilizando como garoto-propaganda mediante a contrato de R$ 5 milhões. Situação segue em aberta.

Anúncios

Danilo é traidor ou foi traído? Olha essa história

Danilo Gabriel de Andrade, ou mais conhecido apenas como Danilo, carrega o status de ídolo pelas passagens vitórias em São Paulo e Corinthians. Porém, há uma ala são-paulina que coloca o meia como traidor por ter ido jogar no rival ao invés de voltar ao Morumbi. Só que a história não é bem assim.

HISTÓRIA

Contratado em 2004 pelo São Paulo a pedido do técnico Cuca, o meio-campista veio do Goiás sem muita badalação, disputou posição com Marquinhos no começo e logo se tornou peça fundamental do time atuando pela faixa esquerda de campo junto ao lateral Junior.

No ano seguinte, agora com o técnico Emerson Leão, a formação de 3-5-2 no Tricolor e fez com que o futebol de Danilo explodisse e transformasse na referência. Longe de ser um velocista, o meia canhoto era o cérebro do time são-paulino e disparava pancadas de qualquer lugar do gramado. Atuando assim, ele foi decisivo nas conquistas de Paulistão, Libertadores e Mundial de Clubes.

As atuações do meio-campista na conquista do título brasileiro do são-paulino em 2006 fizeram o Kashima Antlers, do Japão, não ter dúvidas em comprá-lo e viu o atleta se transformar em um dos maiores ídolos do clube entre os anos de 2007 e 2009.

POLÊMICO RETORNO AO BRASIL

Com saudades da família e amigos, Danilo optou em não renovar com o time japonês para voltar Brasil em 2010 e, logicamente, foi bater na porta do São Paulo Futebol Clube para saber como poderia traçar um plano de retorno.

O Tricolor chegou a abrir conversas com o agente Gilmar Rinaldi para repatriar o meia, porém, tinha como prioridade a renovação de contrato do atacante Washington e acabou deixando como segundo plano. Depois, quando correu atrás, já era tarde demais pelo fato do Corinthians ter fechado acordo.

“Eu trabalhava com o Washington e ele estava negociando renovação de contrato com o São Paulo. Então, falei com o São Paulo, eles tinham interesse no Danilo, mas tinham que escolher se iriam renovar com o Washington [ou priorizar o retorno do meia e escolheram o Coração Valente]”, contou Gilmar Rinaldi, em entrevista ao UOL Esporte.

“Quando Danilo conseguiu a liberação no Japão, o Andrés [Sanchez, presidente do Corinthians na época] me ligou e eu dei a prioridade ao Corinthians. Depois, o São Paulo ainda tentou falar com o Danilo, mas a prioridade já era para o Corinthians”, completou o empresário.

A história foi confirmada pelo próprio Danilo em entrevista há um ano ao UOL Esporte. O meio-campista contou que a escolha pelo rival Corinthians após a desistência do São Paulo se deu pelo fato de ser uma equipe em ascensão dentre aquelas que haviam lhe feito proposta.

“Estava no Japão há três anos e, na época, estava conversando para retornar ao São Paulo. Mas no final da história acabei indo para o Corinthians, em um ano que a equipe estava em evolução. Também havia chegado o Ronaldo Fenômeno e o Roberto Carlos. Acabei optando pelo Corinthians”, revelou Danilo, que apontou o motivo da decisão”, contou o jogador.

“Eu vi o que era melhor no momento. No São Paulo, graças a Deus, eu tinha uma história muito bonita e foi muito bom o tempo que eu fiquei lá. Na época, sentei com o Gilmar Rinaldi, que era o meu empresário e sabe muito de futebol. O empresário nessa hora é fundamental. Por ele também ter jogador futebol [o ex-goleiro atuou no Flamengo, Internacional, São Paulo e na seleção], achamos que naquele momento o Corinthians estava em ascensão. Fizemos a escolha certa porque as coisas acabaram se encaminhando muito bem na minha carreira”, finalizou.

NÚMEROS DE DANILO PELO SÃO PAULO

Pelo Tricolor do Morumbi, Danilo disputou 193 jogos (111 vitórias, 44 empates e 38 derrotas), 37 gols e conquistou quatro títulos (Paulista 2005, Libertadores 2005, Mundial 2005 e Brasileirão 2006).

Danilo é traidor ou foi traído?

 

Fonte: Meu Tricolor

São Paulo anuncia férias coletivas a todas as categorias de base

São Paulo anunciou nesta segunda-feira (6) que dará férias coletivas a todas as categorias de base a partir da próxima semana. Funcionários, comissões técnicas e atletas do sub-15, sub-17 e sub-20 serão liberados entre os dias 13/4 e 4/5.

O Tricolor já havia dado férias aos departamentos de futebol masculino e feminino. A decisão se deve à pandemia do novo coronavírus e coincide com os esforços exercidos pela CBF e FPF. Todas as competições nacionais e internacionais estão paralisadas.

Todos os atletas, apesar de liberados, contarão com acompanhamento à distância (por vídeos) dos preparadores físicos, permanecendo ativos, em casa, e dispondo dos setores de assistência social, psicologia, pedagogia, departamento médico, comissão técnica, além da diretoria e apoio administrativo.

Desde o dia 16 de março as atividades das categorias de base do São Paulo foram suspensas, incluindo a disputa da Copa do Brasil sub-17. As equipes tricolores também se preparavam para o início da Copa do Brasil sub-20 e Campeonatos Paulistas júnior, juvenil e infantil que estavam marcados para começar no primeiro final de semana de abril.

Desde o avanço da pandemia no Brasil, funcionários do São Paulo receberam instruções e, inclusive, contaram com uma palestra no CFA de Cotia para se prevenirem em relação ao coronavírus. A partir do dia 3 de março, foi ampliada a disponibilidade de ácool em gel e folhetos informativos em pontos estratégicos do complexo das categorias de base tricolor.

As famílias dos atletas também receberam kits com álcool em gel e folhetos. Para evitar aglomerações, os horários das refeições no refeitório foram alterados, e os funcionários dos grupos de risco também foram liberados das atividades.

ESPN

Muricy cogita retorno ao São Paulo em 2021: “Quem sabe posso pensar nisso?”

Quando se fala em Muricy Ramalho é praticamente impossível dissociá-lo da imagem do São Paulo. Em entrevista exclusiva ao UOL Esporte, o hoje comentarista descartou qualquer possibilidade de voltar a dirigir o time. No entanto, ainda existe a esperança de vê-lo trabalho no clube do Morumbi a partir de 2021.

“Tenho contrato com o Grupo Globo. Se voltar [ao São Paulo], seria para ser coordenador, para ajudar nas contratações e o treinador. Quem sabe posso pensar nisso? Mas tem de ser algo mais tranquilo, nada tão intenso. Sem tantas viagens. Se for assim, podemos estudar, com certeza”, disse Muricy.

É importante ressaltar que no fim deste ano será realizada a eleição presidencial no clube. Até o momento, os dois nomes ventilados como prováveis candidatos para a vaga hoje ocupada por Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco são Júlio Casares e Marco Aurélio Cunha. Os dois mantêm excelente relação com o ex-treinador.

Apesar de ser sócio do clube, Muricy não acompanha tanto a disputa política. O time, porém, ainda é visto de perto pelo ex-treinador. “[Diniz] É interessante. É um técnico diferente de todos. Fui ao CT entrevistá-lo, vi o treinamento e vi que o trabalho é bem feito. Diretoria e torcida precisam acreditar nisso. Ele é um dos poucos com ideia e coloca em prática essa ideia. Precisa ter paciência. Não adianta querer trocar no primeiro deslize. Precisa acreditar em alguém e esse alguém é o Diniz. Tem a simpatia dos funcionários, chegou a hora de dar sequência, e a diretoria apoiou, e está de parabéns por isso”.

UOL

Vice-artilheiro da década no São Paulo, Pato ainda pensa na Seleção

A paralisação das atividades no São Paulo e no futebol brasileiro veio justamente no momento em que Alexandre Pato vinha atuando cada vez melhor e com a titularidade absoluta no ataque, mas isso não o frustra para os objetivos dentro e fora do clube. Vice-artilheiro do Tricolor na década, o camisa 7 está com a cabeça no Morumbi, mas ainda sonha com Seleção Brasileira.

Em entrevista ao programa “Resenha ESPN”, no último sábado, Pato foi extremamente aberto ao falar de sua carreira, daquilo que acha que errou no início dela e de como lida com as críticas sobre parecer que não tem ambições esportivas. Aos 30 anos de idade, o atacante que começou muito cedo o futebol, entende que hoje se prepara muito melhor do que antes.

– Naquela época cada vez eu encontrava alguém, hoje eu tenho um nutrólogo, naquela época, quando você é mais novo você tem que saber o que comer, eu não, com 20 anos eu achava que poderia comer o que quisesse, não tinha noção que um tipo de comida faz bem para lesão e outro tipo faz mal. Eu fazia o que tinha que fazer e tudo bem, mas faltou um pouco disso (nutrólogo, preparador físico, fisioterapeuta…), que naquela época não foi pensado. Pode ter sido uma falha minha, mas eu vejo que a estrutura que eu tenho hoje, se tivesse antes, teria feito muitas outras coisas, mas não me arrependo de nada.

Pato está em sua segunda passagem pelo São Paulo. Na primeira, entre 2014 e 2015 marcou 38 gols, um número que mostra bem o sucesso daquele momento, em que o camisa 7 estava emprestado pelo rival Corinthians. Em sua aclamada volta em 2019, houve uma demora para engrenar, o que tem acontecido agora, em 2020. Desde o retorno há cerca de um ano foram nove gols, o que somado aos da primeira passagem dá o total de 47 tentos.​

Embora as estatísticas da segunda passagem ainda não sejam muito boas, esses 47 gols fazem de Pato o vice-artilheiro do São Paulo na década (desde 2010), atrás somente de Luis Fabiano, que marcou incríveis 92 tentos entre 2011 e 2015. O ex-jogador do Milan supera Rogério Ceni (44 gols), Dagoberto (37 gols) e Lucas Moura (33 gols), que completam o “Top 5” do período.

Se engana quem pensa que Pato não tem aspirações que ultrapassam os limites das conquistas no São Paulo. Na mesma entrevista, o atacante revelou que ainda tem aspirações para voltar a ser convocado para a Seleção Brasileira, além de manter vivo o sonho de disputar uma Copa do Mundo, algo que acabou nas edições de 2010 e 2014, quando era um dos nomes mais badalados. Apesar desse objetivo, ele diz que o foco está no Tricolor.

– Hoje, minha cabeça é sim voltar para a Seleção. Eu quero jogar uma Copa, acho que para vir muitas coisas que não aconteceram naquela época para eu não ir para uma Copa do Mundo, mas o meu objetivo hoje é ganhar com o São Paulo, é fazer gols. Eu tenho um objetivo de ser campeão pelo São Paulo, entrar na história, ao mesmo tempo eu tenho o objetivo de chegar à Seleção, mas isso não é o meu foco agora, eu tenho que focar no São Paulo, é isso que eu estou fazendo – declarou ao “Resenha ESPN”.

Esse status de um dos maiores goleadores do São Paulo nesta década, aliado aos sonhos de Seleção Brasileira, mostram que aqueles que pensam que Pato é um jogador que já não tem muito mais ambição dentro de campo, pois já está realizado fora dele, estão equivocados. Pelo menos é o recado que o camisa 7 tentou passar na entrevista. Sua última convocação para vestir a camisa amarela foi em 2013, quando Felipão ainda treinava o selecionado.

– Muitas pessoas pensam que o Pato está sem vontade, já conseguiu dinheiro, já jogou lá na Europa e não tem mais objetivos. Eu acho que tudo isso, muitas vezes as pessoas não entendem, mas por todo o sacrifício que eu fiz, eu sou muito feliz pelo que eu tenho, porque eu conquistei. Nós que somos jogadores sabemos como são os treinos, você se machuca, enfrenta jogos com neve, frio, viagens, então eu vejo que muitas coisas eu fui aprendendo. Eu cheguei muito rápido lá em cima, e a escada não estava fixada muito bem. Então eu cheguei muito rápido, eu não passei pelo percurso de crescer, de amadurecer, eu fui logo ao nível muito alto. A diferença de hoje para aquela época é a cabeça que eu tenho – concluiu o atacante são-paulino.

Alexandre Pato, assim como todo o elenco do São Paulo, está em período de 20 dias de férias, desde a última quinta-feira. Ainda não há previsão de retorno das atividades coletivas no CT da Barra Funda nem da retomada das competições como Campeonato Paulista e Copa Libertadores. Tudo isso em decorrência da pandemia de coronavírus que assola o Brasil e o mundo.

CONFIRA OS DEZ MAIORES ARTILHEIROS DO SÃO PAULO ENTRE 2010 e 2020

1) Luis Fabiano – 92 gols
2) Alexandre Pato – 47 gols
3) Rogério Ceni – 44 gols
4) Dagoberto – 37 gols
5) Lucas Moura –  33 gols
6) Alan Kardec – 25 gols
7) Hernanes – 24 gols
8) Ganso – 24 gols
9) Michel Bastos – 22 gols
10) Aloísio (Boi Bandido) – 21 gols

Lance

Decisão do São Paulo de cortar salários do elenco sem acordo não tem respaldo jurídico; entenda

A decisão do São Paulo de cortar parte dos salários dos jogadores mesmo sem acordo com os atletas, como noticiou o Blog do PVC, não tem respaldo jurídico, de acordo com advogados especializados em direito do trabalho no esporte.

No limite, se levado à frente, o reajuste compulsório pode acarretar uma série de ações judiciais de rescisão de contrato dos jogadores.

O São Paulo busca formas de diminuir despesas durante a crise causada pela pandemia de Covid-19 que paralisou as atividades do futebol. Uma das negociações é o ajuste temporário no pagamentos do jogadores.

Elenco do São Paulo durante treino — Foto: Marcos PauloElenco do São Paulo durante treino — Foto: Marcos Paulo

Elenco do São Paulo durante treino — Foto: Marcos Paulo

 

A proposta do São Paulo, como revelado nesta semana pelo GloboEsporte.com, inclui o corte e 50% do que é pago pela carteira de trabalho e a suspensão do pagamento de direitos de imagem, entre outras coisas.

O clube garante um pagamento mínimo mensal de R$ 50 mil e promete reembolsar todos os descontos no período em seis parcelas iguais a partir do momento em que a situação estiver normalizada.

Na última quarta-feira, o Governo Federal publicou Medida Provisória que prevê a redução proporcional do salário e da jornada de trabalho e também a suspensão temporária do contrato de trabalho. Em ambos os casos, o texto demanda a celebração de acordo por escrito entre empregado e empregador.

– Essa medida provisória, pelo meu modo de ver, precisa em todos os casos da concordância das partes. Veja que os principais artigos que tratam da redução de jornada de trabalho e redução de salários sempre contêm (a previsão de) acordo – afirmou o advogado Thiago Rino.

– Respondendo a pergunta de forma objetiva: a lei permite a redução sem concordância do atleta? Não – afirma o advogado Maurício Corrêa da Veiga.

Veiga, porém, entende que o momento extraordinário não deixa opções e que os atletas devem se conscientizar das dificuldades:

– Não há outra saída, a conta não fecha. A proposta do São Paulo foi muito razoável, pois não se trata de “corte”, mas sim de uma “moratória”, pois os 50% seriam devolvidos parceladamente depois do retorno das atividades. Se comparar com o que está sendo feito nos maiores clubes do mundo, pode-se dizer que a atitude dos atletas é mesquinha e individualista.

O diretor executivo Raí e o técnico Fernando Diniz no São Paulo — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.netO diretor executivo Raí e o técnico Fernando Diniz no São Paulo — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

O diretor executivo Raí e o técnico Fernando Diniz no São Paulo — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

 

O São Paulo apresentou proposta aos atletas no início da semana, mas ela foi rejeitada pela maior parte do elenco. Sem acordo, o clube definiu apenas período de férias de 20 dias neste mês de abril.

Alguns jogadores entendem que a diretoria tenta incluir no acordo dívidas antigas que mantêm com os atletas. Esse jogadores querem primeiro receber os valores atrasados, para então discutir acordo relativo a pagamentos futuros.

Segundo o Blog do PVC, a redução será feita de qualquer maneira por causa das más condições financeiras do clube do Morumbi, cuja folha de pagamento do futebol profissional gira em torno de R$ 12 milhões mensais.

O jornalista cita uma fonte do departamento financeiro do São Paulo:

– Desculpe, eles não aceitaram, mas vai ser assim. Não tem o que fazer diferente. Mesmo os clubes que estão dizendo que vão tentar pagar normalmente depois das férias coletivas, como o Palmeiras, terão muita dificuldade, porque vai faltar dinheiro.

A decisão pode causar reclamações na Justiça do Trabalho:

– A Lei Pelé, no artigo 31, cita que, caso os salários, direitos de imagem ou FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), não sejam pagos por três meses, no todo ou em parte, ensejará em rescisão indireta do contrato de trabalho – afirma o advogado Filipe Rino, que atua ao lado do irmão, Thiago.

Nessa hipótese, no fim, o São Paulo pode ser condenado ao pagamento integral da multa rescisória prevista em contrato com cada jogador.

– Os ajustes dependem de acordo individual ou coletivo. Se os atletas ou o sindicato não aceitarem, qualquer alteração unilateral é irregular – diz o advogado Leonardo Laporta.

Laporta, porém, indica calma aos atletas:

– Não seria bem recepcionado esse pedido (de rescisão) pela Justiça na atual conjuntura (de crise causada pela pandemia). Sugiro apenas que cumpra a ordem imposta pelo clube e espere um prazo mínimo para as coisas se acalmarem, sem assinar nenhum documento consentindo com a proposta.

– No futuro eles podem exercer o direito garantido no contrato e se socorrerem do poder judiciário para receber a integralidade do valor previsto no contrato e, se for o caso, exigir a multa – completou.

O advogado Thiago Rino criticou a forma como o São Paulo tem atuado nesta questão:

– O São Paulo se precipitou. Utilizando a medida provisória ou a CLT, o salário de março teria que ser pago integralmente até o quinto dia útil de abril. Os cortes seriam para frente, ou seja, do mês de abril para ser pago em maio. São 20 a 25 dias para o clube bolar estratégia, mostrar números para os atletas e convencer o elenco antes de impor.

A diretoria do São Paulo ainda analisa o modelo de ajuste de despesas que será necessário nesse momento de crise e admite que será preciso equalizar as contas às receitas do período.

Globo Esporte

Gonzalo Carneiro tem pena reduzida e fica livre para voltar ao São Paulo

O Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem (TJD-AD) reduziu a pena do atacante Gonzalo Carneiro, do São Paulo, de dois anos para um ano. A informação foi publicada inicialmente pelo Globo Esporte.

Como a contagem da pena passa a valer no dia da coleta, a punição do uruguaio terminou em 15 de março de 2020. Ele testou positivo para benzoilecgonina, um metabólito da cocaína, em exame realizado após a derrota por 1 a 0 para o Palmeiras, em 16 de março de 2019, pelo Paulistão. Naquele dia, foi titular e jogou os 90 minutos.

A defesa de Gonzalo Carneiro, acompanhada de perto pelo São Paulo, conseguiu a redução do gancho ao mostrar que o jogador estava se dedicando ao tratamento. Como não podia frequentar as dependências do clube, ele voltou para o Uruguai, onde já havia retomado os treinos físicos.

O São Paulo havia suspendido o contrato do jogador e não estava pagando salários durante o período da punição. A tendência é de que o vínculo, válido até o fim de 2021, seja reativado com a liberação dele.

Isso não garante que o atleta será aproveitado por Fernando Diniz, o que ainda dependerá de uma conversa entre as partes. O São Paulo avalia que Gonzalo Carneiro não conseguiu se adaptar à vida no Brasil e à rotina de uma equipe grande, o que colaborou para que ele chegasse ao ponto de cair em um exame antidoping por uso de cocaína.

Lance

Tchê Tchê, do São Paulo, fala de treinos por vídeo e sonhos: “Que não houvesse pobreza e racismo”

Um dos pilares do São Paulo desde 2019, Tchê Tchê se tornou um primeiro volante em 2020 e cresceu ainda mais de rendimento. Com altos índices de passes certos e desarmes, o jogador é um dos mais elogiados pelo torcedor.

A pandemia do novo coronavírus, no entanto, freou a ascensão de Tchê Tchê e do próprio São Paulo. Todos os jogadores passaram a treinar em casa, e o volante tem o seu método para não perder a forma física durante a paralisação do futebol.

– Venho treinando por chamada de vídeo com a personal, na hora de treinar ela liga. Às vezes treino com a minha esposa, às vezes tem um amigo meu que vem me dar treino. A gente tem que se adaptar. Peguei uma esteira agora, está para chegar também, vamos correr aqui. A primeira semana a gente estranha muito, já tem 12 dias que eu não saio de casa. A princípio dá um surto na cabeça, você fica muito sem saber o que fazer, mas você se acostuma, tem que se adaptar – afirmou Tchê Tchê em entrevista à “SPFCtv”.

O jogador também comentou sobre sua nova função em campo. Até o ano passado, ele era o segundo volante da equipe. Fernando Diniz, porém, achou que recuar Tchê Tchê seria mais vantajoso. E foi.

O São Paulo melhorou a saída de bola da defesa e passou a criar mais chances de gol com a tática adotada pelo treinador. Tchê Tchê, porém, acredita que ainda pode melhorar outros aspectos em seu jogo.

– Acho que a maneira com que nossa equipe aprendeu a jogar com o Diniz e as apresentações em 2020, isso facilita muito. Eu erro muito pouco passe, mas tenho trabalhado para melhorar em bolas longas, lançamentos, acho que isso ajuda também, às vezes quando vem pressionar a gente pode achar… Eu, o Dani, o pessoal ali de trás achar um bom passe mais longo acaba quebrando as linhas e facilita para a gente chegar no gol adversário. Acho que é basicamente isso – comentou.

Durante a entrevista, Tchê Tchê também foi questionado sobre seus sonhos, e ele foi categórico na resposta:

– Que não houvesse pobreza e nem racismo. Que todos fossem tratados iguais.

Assim como diversos jogadores ao redor do mundo, Tchê Tchê já foi vítima de injúria racial. Em 2016, quando ainda defendia o Palmeiras, ele foi chamado de “macaco” por um torcedor do Athletico-PR.

Na ocasião, o jogador não tomou nenhuma medida contra o agressor e minimizou o fato em entrevista coletiva.

Globo Esporte

SPFC celebra aniversário de Diniz: ‘Hoje é dia de Dinizismo’

Nesta sexta-feira, o técnico Fernando Diniz completa 46 anos de idade e comemora seis meses de São Paulo. Mesmo durante a paralisação por conta da pandemia de coronavírus, o clube não deixou a data passar e celebrou o aniversário do treinador em suas redes sociais, além disso relembrou a chegada de seu comandante em setembro do ano passado.

E para marcar a 46ª primavera de Diniz, o Tricolor reforçou mais uma vez o termo “Dinizismo” como o oficial para descrever o método de trabalho do técnico. Na última quinta-feira, também em suas redes sociais, o clube já havia oficializado a expressão, uma vez que torcedores vinham debatendo se seria “Dinizmo” ou “Dinizismo”, como também mostrou a reportagem do LANCE!.

Aproveitando a data, o Twitter oficial do clube também chamou os são-paulinos para enviarem mensagens para Diniz nesta data comemorativa. A popularidade do treinador entre os tricolores está crescendo cada vez mais, enquanto a desconfiança de outrora vem dando lugar ao otimismo a para a admiração.

– Hoje é dia de Dinizismo! O nosso professor Fernando Diniz celebra 46 anos de vida. Agora o estagiário vai te dar uma missão, torcedor: escreva uma mensagem bem criativa pro nosso treinador, com o mesmo prazer que ele tem de jogar futebol – diz a postagem.

São Paulo FC (de 🏠)

@SaoPauloFC

🥳🎂 Hoje é dia de Dinizismo! O nosso professor Fernando Diniz celebra 46 anos de vida 🎈

Agora o estagiário vai te dar uma missão, torcedor: escreva uma mensagem bem criatividade pro nosso treinador, com o mesmo prazer que ele tem de jogar futebol.

Parabéns, Diniz! 👏🇾🇪

View image on Twitter
938 people are talking about this

Coincidentemente, esta sexta-feira também marca os seis meses de Fernando DIniz como treinador do São Paulo. Seu primeiro dia de trabalho no CT da Barra Funda foi no dia 27 de setembro de 2019, uma sexta-feira, véspera do duelo com o Flamengo, no Maracanã, que terminou empatado em 0 a 0, pelo Brasileirão. O clube relembrou a data e postou o vídeo da chegada do técnico.

São Paulo FC (de 🏠)

@SaoPauloFC

🎥🇾🇪 Que tal rever o primeiro dia de trabalho do aniversariante Diniz no Tricolor? Ele foi contratado na quinta (26/9), treinou o time na sexta (27/9) e estreou no sábado (28/9) no empate por 0 a 0 com o Flamengo no Maracanã. É o pontapé inicial do professor no !

Embedded video

80 people are talking about this

Nesses seis meses de “Dinizismo”, foram 29 jogos oficiais, 14 vitórias, sete empates e oito derrotas, resultando em 56,3% de aproveitamento, além de 34 gols marcados (média de 1,17 por jogo) e 24 gols sofridos (média 0,83 por jogo). Além disso, conseguiu levar o time para a fase de grupos da Copa Libertadores e neste ano foi o primeiro dos grandes a garantir vaga nas quartas de final do Paulistão, com duas rodadas de antecedência na fase de classificação.

As atividades do São Paulo, assim como nas principais competições do futebol brasileiro, estão paralisadas por tempo indeterminado buscando evitar a disseminação da pandemia de coronavírus. Enquanto isso, jogadores e comissão técnica estão mantendo contato diário a partir de suas residências. O elenco recebe orientações de como se preparação fisicamente no período.

Lance

Sem cravar data, Lucas Moura diz que faz planos de voltar ao São Paulo

Lucas Moura, talvez a principal cria do CFA de Cotia e hoje titular do Tottenham, conversou com os fãs em uma live no Instagram da empresa que gerencia sua carreira – a 4ComM – e respondeu a diversas perguntas sobre o São Paulo. O atacante de 27 anos diz que retornar ao Morumbi está em seus planos.

– Eu tenho, sim, o São Paulo na minha cabeça, nos meus planos. Quando cheguei na Europa, eu tinha uma meta de ficar aqui por pelo menos dez anos. Já passaram sete, teoricamente faltam mais três, mas a gente nunca sabe o dia de amanhã. Tenho contrato até 2023 com opção de renovar por mais um ano, mas sinto muita vontade de um dia voltar para o São Paulo, vestir aquela camisa novamente, é o clube que eu amo, a quem eu devo muito, estou sempre acompanhando. Difícil falar. Pode ser daqui três, cinco anos ou pode ser daqui um ano. Futebol é muito dinâmico e é difícil cravar uma data – disse Lucas, antes de responder se cogita vestir outra camisa no futebol brasileiro:

– Não sei se iria conseguir, não. Minha cabeça, no Brasil, é totalmente voltada para o São Paulo. É o clube que me formou, onde fiz grandes amigos, onde passei quatro anos na base e um período fantástico da minha vida. Jogar no Morumbi lotado, conquistar um título da maneira que aconteceu, ver a torcida subindo uma bandeira minha. É um amor muito grande que eu sinto, difícil vestir outra camisa no Brasil.

Lucas jogou na equipe profissional do São Paulo entre 2010 a 2012, acumulando 128 partidas, 33 gols e um título, o da Sul-Americana de 2012. Seu jogo de despedida foi justamente a final daquele torneio, com direito a gol na vitória por 2 a 0 sobre o Tigre (ARG), no Morumbi. Rogério Ceni, então capitão do Tricolor, convidou o garoto para erguer a taça com ele.

Após cinco temporadas e meia no PSG, Lucas transferiu-se para o Tottenham e hoje acredita estar vivendo um dos melhores momentos da sua carreira.

– É um momento muito positivo para mim, pessoalmente falando. Em relação a números não é a melhor temporada, mas em sequência de jogos, atuações e desempenho, eu estava muito satisfeito, com a confiança do treinador. Foi a maior sequência de jogos que tive desde que cheguei na Europa, estava muito feliz e me sentindo cada vez mais à vontade e mais solto em campo.

Veja outras declarações de Lucas durante a live:

Fã de Fernando Diniz
Sou muito fã do trabalho do Diniz, um grande admirador e torcedor. Confio bastante. Tive a oportunidade de conhecê-lo quando ele estava no Oeste, bati um papo muito bacana. É um cara muito inteligente, que pensa de maneira diferente. Torço bastante por ser um cara que preza pelo jogo bonito e por eu ser são-paulino. O time já estava muito bem nessa temporada e vai crescer ainda mais.

Gostaria de ser treinado por Rogério Ceni?
Essa pergunta é muito boa. Seria uma honra, seria um grande prazer, uma satisfação ser treinado por ele. Pela capacidade, pela inteligência que eu sei que ele tem. Foi uma grande honra para mim trabalhar com ele. Ele merece tudo o que conquistou e o que vai conquistar. É um amigo meu, estou sempre torcendo, quem sabe um dia.

Conselhos para o amigo Antony na Europa

O Antony é um grande amigo meu, um grande jogador, que estourou muito rápido e com certeza vai brilhar muito no futuro. O primeiro conselho de tudo, não sei se ele já está fazendo, deve estar, seria fazer um curso de inglês. Isso é muito importante, o europeu olha muito isso, ele chegar no clube já sabendo se comunicar é fundamental. Outra questão é foco, vai bater a saudade da família, dos amigos, das coisas do Brasil, vai ter o frio aqui. Com certeza ele tem muito a brilhar aqui na Europa. Vai para um grande clube, provavelmente vai disputar a Champions League, tem tudo para crescer ainda mais.

A pausa por causa do coronavírus
Aqui na Inglaterra, como em muitos lugares, a solicitação é para ficar em casa. Recebemos mensagem via SMS do governo na sexta-feira pedindo para sair só em caso de necessidade mesmo. E aquela questão de higienização, para manter dois metros de distância, lavar as mãos… A rotina até que não mudou muito porque a gente é bem caseiro, gosta muito de curtir a casa. O Miguel (filho de Lucas) parou de ir para a escolinha, mas não mudou muito a rotina porque gosta muito de ficar em casa, ver filme, fazer churrasco.

Treinos durante a pandemia
A maioria dos jogadores está treinando em casa. A gente recebeu uma ordem para voltar aos treinos só no dia 6 de abril, mas tem profissionais lá no clube, então os jogadores que estavam lesionados podem fazer o tratamento lá e quem quiser, um dia ou outro, pode ir treinar no campo, mas no geral é para ficar em casa. É o que eu estou fazendo, treinando em casa para manter a forma. É um período muito delicado para a humanidade, um momento de muita reflexão. Um momento para a gente refletir sobre nossas prioridades. É o momento de parar, colocar a mão na consciência, revisar nossas prioridades, aproveitar as pessoas que a gente ama e pensar no próximo.

Desejo de voltar logo a jogar

Claro que fico na expectativa de voltar logo, até porque é muito ruim ficar preso em casa sem poder sair e ficar sem jogar futebol. Nosso time não estava em um momento tão bom, eliminado em todas as competições e brigando para chegar entre os quatro primeiros da Premier League, mas a expectativa para a próxima temporada é grande. O Mourinho pegou o bonde andando e não é fácil. A expectativa é conseguir a classificação para a Champions e ano que vem começar bem desde a pré-temporada, com nova filosofia, e almejar coisas grandes.

Hat-trick contra o Ajax no ano passado, na semi da Champions
Foi o grande momento da minha carreira, o momento mais especial. Claro que teve outros, como a minha despedida do São Paulo, que eu jamais vou esquecer. Mas pela grandeza, por ser Champions League, pela dificuldade da partida, perdendo por 2 a 0 fora de casa e tendo que marcar três gols em 45 minutos, foi muito marcante.

Lance

Salários durante a pandemia: São Paulo aguarda decisão coletiva e pode negociar à parte com seus atletas

O São Paulo ainda não definiu estratégias para atenuar os gastos com salários e direitos de imagem durante a pausa do futebol devido à pandemia do novo coronavírus. O clube acompanha as negociações da Comissão Nacional de Clubes com representantes dos jogadores das Séries A, B, C e D do Brasileirão, mas não descarta fazer um acordo diretamente com seu elenco.

Nesta negociação coletiva, conduzida pelas diretorias de Atlético-MG, Bahia, Fluminense, Grêmio e Palmeiras, as partes têm trocado propostas desde sexta-feira. A última, encaminhada pelos clubes na segunda, fala em 20 dias de férias coletivas aos atletas e, persistindo a paralisação das competições, uma suspensão de 25% de salários e direitos de imagem após este período. Os atletas responderão até a noite de quarta.

O São Paulo tem ainda uma particularidade. Daniel Alves, por exemplo, tem uma parcela de seus direitos de imagem a receber no fim de abril. É uma prática do clube estipular gatilhos altos a serem pagos semestralmente para que os gastos mensais com salários sejam menores. Por enquanto, as datas pré-estabelecidas estão todas mantidas.

Após a definição da negociação coletiva, o São Paulo deve iniciar as conversas sobre este tema com seus jogadores, tanto sobre os pagamentos mensais de salários quanto sobre pagamento de parcelas pré-estipuladas de luvas ou direitos de imagem.

O Tricolor teve prejuízo de R$ 50 mil ao realizar o clássico com o Santos, pelo Paulistão, com portões fechados por causa da pandemia. O clube projetava uma renda superior a R$ 1 milhão nesta partida e mais ainda nos jogos dos mata-matas do Estadual e da fase de grupos da Libertadores que seriam realizados entre março e abril e foram adiados. Esta é uma parte importante do orçamento.

Além disso, o contrato de patrocínio máster com o Banco Inter vence no fim de abril e as negociações para renovar estão congeladas devido à incerteza sobre o retorno do futebol. O Tricolor tenta manter a exposição de seu parceiro utilizando as redes sociais e os vídeos de seu canal no Youtube.

No ano passado e no início deste, o São Paulo já teve problemas com o fluxo de caixa e chegou a atrasar direitos de imagem e salários. Todas as pendências já foram quitadas.

O clube fechou o exercício fiscal de 2019 com déficit de R$ 156 milhões. A diretoria aponta que metade deste valor se refere a dívidas antigas que foram renegociadas e serão pagas de forma parcelada ao longo dos próximos anos, enquanto a outra metade foi causada pela decisão de não vender Antony no meio do ano e apenas agora, em fevereiro.

Lance

Calendário brasileiro corre o risco de acabar perto do Natal; veja cenários

A paralisação dos principais campeonatos estaduais do Brasil e de todas as competições sob o comando da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) pode gerar algumas mudanças no calendário do futebol do país. Existe a possibilidade de a bola parar somente nas semanas próximas ao Natal, já em meados de dezembro.

O calendário divulgado pela CBF em outubro do ano passado prevê uma temporada com quase 11 meses de duração, de 22 de janeiro a 6 de dezembro. Depois da suspensão dos campeonatos devido à pandemia do novo coronavírus, restam pouco mais de oito meses para o término das atividades (ou 38 semanas).

Dessa forma, de 18 de março a 6 de dezembro, há 76 datas disponíveis, com duas partidas por semana. Elas são separadas da seguinte forma: Estaduais (seis), Brasileirão (38), Libertadores e Sul-Americana (11), Copa do Brasil (13), Eliminatórias da Copa 2022 (oito), amistosos data Fifa (dois), além de uma data vaga.

Note que a soma delas atingiu o número de 79. Há uma explicação. A final da Libertadores, marcada para o dia 21 de novembro, vai acontecer em meio a uma rodada do Brasileirão. Além disso, duas rodadas da fase de grupos da Libertadores ocorrerá de forma simultânea a duelos da Copa do Brasil. Assim, as 76 datas disponíveis estão completas.

Uma das possibilidades da CBF é usar as oito datas previstas para os jogos das Eliminatórias e, caso seja necessário, das duas destinadas aos amistosos da Fifa, em 4 e 9 de junho. Além, claro, da data vaga (25 de novembro).

Há dois dias, em entrevista coletiva para tratar do avanço do coronavírus, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que o Brasil vai “passar por 60 a 90 dias de muito estresse”.

Confira agora alguns cenários do calendário brasileiro:

1) Paralisação de um mês, com reinício em 15 de abril

Nesse caso, oito datas teriam de ser repostas. Seria possível, nesse caso, usar todas as reservas destinadas às partidas da seleção brasileira nas Eliminatórias. Os Estaduais e o Brasileirão teriam todas as suas rodadas preservadas, assim como a Copa do Brasil e a Libertadores.

2) Paralisação de dois meses, com reinício em 13 de maio

O cenário prevê o surgimento de 16 novas datas que foram perdidas. A saída seria utilizar as oito reservas destinadas às partidas da seleção brasileira nas Eliminatórias e as duas para os amistosos da Fifa, além da data vaga. Faltariam ainda cinco datas. Haveria a necessidade de estender a temporada até o dia 23 de dezembro. Rodadas de todas as competições mantidas.

3) Paralisação acima de três meses

A CBF e as federações estaduais teriam de fazer mudanças profundas no calendário, com o encurtamento das competições.

UOL

Alexandre Pato treina em casa durante paralisação no São Paulo

Na última terça-feira o São Paulo reuniu jogadores e comissão técnica para transmitir pessoalmente as recomendações para o período de paralisação nas atividades do futebol profissional. Já nesta quarta-feira, Alexandre Pato mostrou em suas redes sociais um pouco de como vai ser a rotina dos são-paulinos neste momento de isolamento doméstico por conta do coronavírus.

Pato postou em sua conta no Instagram e em seu Twitter oficial registros de seu treino físico em uma esteira em sua casa. O jogador, que aparece nas imagens com o uniforme de treinamento do Tricolor, incluiu a seguinte legenda em sua publicação neste primeiro dia de trabalhos fora do CT da Barra Funda.

– E o trabalho não para!! Foco no propósito! – destacou o atacante.

236 pessoas estão falando sobre isso

O diretor de futebol Raí e o gerente executivo de futebol Alexandre Pássaro afirmaram que os jogadores poderão optar por fazer treinamentos individuais em locais fora do CT da Barra Funda, ou nas próprias dependências do São Paulo, desde que sob orientação e autorização do departamento médico, seguindo os devidos cuidados que o cenário atual pede.

Como prevenção contra o avanço do coronavírus, não haverá treinamentos coletivos, e os atletas foram orientados a evitar viagens de avião neste período. O clube acompanhará a pausa e ofereceu suporte ao grupo.

Lance

São Paulo tem prejuízo de R$ 47 mil em clássico com portões fechados

As consequências do coronavírus no meio do futebol são conhecidas no mundo todo. Aqui no Brasil começamos a perceber recentemente e um dos fatores atingidos é o financeiro. No último sábado, o São Paulo recebeu o Santos para o clássico estadual em um Morumbi com portões fechados. Resultado: prejuízo de quase R$ 50 mil para os cofres são-paulinos.

Como ainda não havia a paralisação do Paulistão, foi recomendado que o duelo acontecesse sem torcedores, ou seja, sem venda de ingressos. Dessa forma, os custos da abertura do estádio não seriam absorvidos com o dinheiro da bilheteria e caíram na conta do clube como despesas. O valor exato do prejuízo foi de R$ 47.571,28, que englobou os seguintes itens:

Ambulância: R$ 3.380,00
Controle de Doping: R$ 5.761,00
Equipe de Apoio: R$ 8.368,00
Funcionários: R$ 21.299,78
Orientadores: R$ 1.222,50
Segurança Privada: R$ 5.040,00
?Sonorização: R$ 2.500,00

Além dessa renda líquida negativa no borderô publicado pela Federação Paulista de Futebol, o São Paulo deixou de receber o dinheiro que levantaria com a comercialização das entradas. Pouco antes da determinação para fechar os portões do Morumbi, o clube já havia vendido mais de 16 mil ingressos, que serão ressarcidos aos torcedores que fizeram a aquisição antecipada.

Tanto Paulistão quanto Libertadores, competições disputadas pelo Tricolor no momento, foram paralisadas a fim de evitar a propagação do coronavírus. Dessa forma, o clube também suspendeu as atividades do futebol profissional por tempo indeterminado. Durante esse período de interrupção, os jogadores receberão orientações da comissão técnica e do departamento médico.

Lance