Raí diz que Bolsonaro tem postura “irresponsável”, sugere renúncia e teme volta precoce do futebol

Enquanto o São Paulo se prepara para dar condições aos seus atletas e funcionários quando o futebol voltar à ativa, o diretor-executivo de futebol Raí deu uma declaração pessoal muito forte em relação ao posicionamento do presidente Jair Bolsonaro no combate à pandemia de coronavírus. O dirigente sugere a renúncia do político.

– Um posicionamento atabalhoado, é o mínimo que se pode dizer. Naquele momento, por exemplo, que ele deu aquele depoimento em rede nacional… Ele está no limite, muitas vezes, da irresponsabilidade, quando ele vai contra todas as recomendações da Organização Mundial da Saúde – disse o dirigente.

Raí reforçou que essa opinião em relação ao governo de Bolsonaro é totalmente pessoal, desvinculada do seu trabalho como diretor-executivo do São Paulo. Mas nessa entrevista ao GloboEsporte.com, o campeão do mundo com a seleção brasileira em 1994 completou:

– Outro absurdo do Bolsonaro é inventar crises políticas ou de interesses próprios, familiares, no meio de uma pandemia. É inaceitável. Tenho certeza que muita gente concorda, inclusive alguns apoiadores do Bolsonaro. Ele foi eleito democraticamente, mas a própria democracia está conseguindo frear.

O ex-meia sugere a renúncia de Bolsonaro no lugar de um processo de impeachment.

– Se perder a governabilidade, eu torço e espero uma renúncia para evitar o processo de impeachment, que sempre é traumático. Porque o foco tem que ser a pandemia. (O impeachment) não é uma coisa que tem de se pensar agora, energia nenhuma pode ser gasta nisso, mas se estiver prejudicando ainda mais essa crise gigantesca de saúde, sanitária, tem que ser considerado – opinou.

– Eu acho que isso me fez até questionar o presidencialismo. Estar sujeito a uma pessoa como essa, a um presidente como esse, que foi eleito democraticamente, mas que toma decisões que confundem completamente a população. Por causa dele, e aí o cálculo pode até ser feito, milhares de mortes a mais vão acontecer – acrescentou.

Raí, diretor executivo do São Paulo — Foto: MISTER SHADOW/ASI/ESTADÃO CONTEÚDORaí, diretor executivo do São Paulo — Foto: MISTER SHADOW/ASI/ESTADÃO CONTEÚDO

Raí, diretor executivo do São Paulo — Foto: MISTER SHADOW/ASI/ESTADÃO CONTEÚDO

 

Irmão de Sócrates, ídolo do Corinthians, líder da Democracia Corinthiana e com papel importante na campanha de Diretas Já, Raí foi questionado como seria o posicionamento do parente, que morreu em 2011.

– Bom, se vocês acharam o meu depoimento forte, imagina o Sócrates. Inaceitável, indignação, só que na natureza dele iria se colocar e obviamente na mesma linha eu seguiria. E ao estilo do Doutor Sócrates, que com certeza teve uma importância gigantesca na história do país – falou Raí.

O posicionamento do São Paulo

Como diretor-executivo do Tricolor, Raí está preocupado com uma eventual aceleração do processo de retorno às atividades do futebol no Brasil.

– É bom deixar claro e reforçar que a posição do São Paulo não é voltar rápido. É voltar ao seu tempo, com as orientações, e gradativamente, começando obviamente o treino sem uma data certa de quando o campeonato vai retornar – disse o dirigente.

Em Brasília, o presidente Jair Bolsonaro se mostrou favorável ao retorno do futebol, desde que houvesse parecer técnico do Ministério da Saúde. Na última segunda-feira, ele afirmou ter sido procurado por autoridades do futebol e disse que “está sendo trabalhado nesse sentido”.

Jair Bolsonaro em entrevista em frente ao Palácio da Alvorada — Foto: Reprodução / TV GloboJair Bolsonaro em entrevista em frente ao Palácio da Alvorada — Foto: Reprodução / TV Globo

Jair Bolsonaro em entrevista em frente ao Palácio da Alvorada — Foto: Reprodução / TV Globo

 

O secretário especial da Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, afirmou que o retorno do futebol brasileiro acontecerá “em breve”.

Ainda sem uma definição para retorno das atividades, o São Paulo tem se preparado para equipar o clube e ter condições de retomar a rotina com segurança. Inclusive para fazer testes do coronavírus.

– É uma preocupação nossa os testes. Vemos que está começando a crescer oferta, nós também temos de estar ligados à realidade do país, a necessidade dos hospitais. De qualquer forma, estamos encomendando e vendo como podemos ter acesso a todos equipamentos de segurança – disse.

Raí vai propor à Federação Paulista de Futebol também que os clubes e a FPF ajudem os hospitais:

– De alguma forma, quando voltar, o futebol tem de estar atento para colaborar também dependendo da realidade no momento e na medida do possível com a rede estatal de hospitais. É uma coisa a se pensar também. É uma coisa que também estava pensando em propor à federação. Os clubes vão precisar dos equipamentos, mas a federação e os clubes também podem colaborar com a população.

O Brasil registra mais de 5 mil mortes por Covid-19. No estado de São Paulo houve mais de 2 mil óbitos até esta quarta-feira, de acordo com o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde.

O governador do estado, João Dória (PSDB), decretou quarentena até o dia 10 de maio, quando haverá nova avaliação da situação.

Globo Esporte

Raí convoca torcida do São Paulo para fazer doações em campanha

O São Paulo está engajado em suas redes sociais durante esta pandemia de coronavírus. Além de alertar os seguidores para a importância do isolamento doméstico e dos cuidados que precisam ser tomados, o clube se preocupa com aqueles menos favorecidos no momento. Dessa forma, Raí gravou um vídeo convocando os torcedores a participarem de campanha de doação.

Na última sexta-feira, o Tricolor iniciou um projeto para arrecadar dinheiro que será revertido na compra de cestas básicas que irão para comunidades carentes da capital paulista. A distribuição dos alimentos será feita pela CUFA (Central Única das Favelas), atendendo mais de 500 mil pessoas em 250 favelas de sua rede. A doação pode ser feita em qualquer quantia.

O São Paulo abriu a campanha com uma doação institucional de 500 unidades de cestas básicas, cada uma no valor de R$ 54, contendo itens como arroz, feijão, macarrão, leite em pó, farinha, café e biscoitos. Raí, como ídolo e dirigente do clube fez um apelo para os são-paulino fazerem parte dessa campanha e indicou os caminhos para realizar a contribuição.

– Fala torcida tricolor! O momento é de união e de pensar no próximo, tudo isso vai passar, mas enquanto não passa cabe a nós ajudar. O São Paulo está organizando uma grande campanha de arrecadação de doações que serão revertidas em cestas básicas para ajudar quem está precisando. Essas cestas básicas serão entregues para a CUFA (Central Única das Favelas), organização presente em várias comunidades que mais precisam na capital e saberão a melhor forma de distribuí-las, quem quiser saber mais, ter mais informações, é só conferir em todas as redes sociais do São Paulo, lá você vai ver todos os detalhes e também os dados para quem quiser depositar, vamos ajudar quem mais precisa. Vamos, São Paulo! – declarou o diretor de futebol tricolor.

São Paulo FC (de 🏠)

@SaoPauloFC

Raí tem uma mensagem importante para você. Se puder, ajude nossas comunidades mais carentes, nesse momento difícil, com o trabalho da @CUFA_Brasil (Central Única das Favelas).

Veja como contribuir: http://spfc.vc/2wawPEv 

Vídeo incorporado

178 pessoas estão falando sobre isso

Segundo o clube, neste momento, qualquer grandeza de valor é importante. Abaixo, os dados bancários para fazer as doações:

Banco Bradesco S/A (237)
Agência: 3391
Conta Corrente: 41.447-6
CNPJ: 60.517.984/0001-04

Lance

Raí e Lugano levam gancho e São Paulo é multado por gritos de ‘bicha’

O TJD-SP puniu Raí e Lugano, dirigentes do São Paulo, com 15 dias de suspensão pelas reclamações contra a arbitragem do empate sem gols contra o Corinthians, pelo Paulistão. Eles abordaram o árbitro Douglas Marques das Flores a caminho dos vestiários, precisando ser contidos pela Polícia Militar, e deram declarações duras na zona mista.

​Pelos próximos 15 dias, os dois não poderão frequentar áreas de competição, como os vestiários, em qualquer jogo do clube – eles, no entanto, podem ir ao estádio assistir às partidas. O São Paulo deve recorrer para que a dupla possa acompanhar a delegação no duelo contra a LDU, quarta, pela Libertadores.

​O Tricolor também recebeu uma multa de R$ 30 mil pelos gritos homofóbicos da torcida na mesma partida. O goleiro Cássio ouviu a palavra “bicha” ao cobrar tiros de meta nos minutos iniciais, o que fez a arbitragem paralisar o jogo. O São Paulo colocou nos telões do Morumbi uma mensagem solicitando que isso não se repetisse, e por isso também deve recorrer desta pena. O clube corria o risco até de perder pontos por esta infração.

​Pelo atraso na volta do intervalo no Majestoso, o São Paulo ainda levou uma multa de R$ 2 mil.

Lance

Raí tem duelo familiar e com o passado em partida do SPFC contra o Botafogo

Um filme deve passar pela cabeça de Raí na hora que o São Paulo entrar em campo para enfrentar o Botafogo, hoje (8), no Estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto, pelo Campeonato Paulista. Acostumado com as arenas mais importantes do planeta, o ex-jogador e agora executivo de futebol do Tricolor paulista deu os primeiros passos na carreira na casa do adversário desta tarde.

Não é exagero dizer que a história do time do interior do estado passa muito pela família Souza Vieira de Oliveira. Afinal, os dois jogadores mais famosos do clube de Ribeirão Preto são os irmãos Sócrates e Raí. E essa ligação não para por aí. O executivo do Botinha, por exemplo, é Gustavo Oliveira — sobrinho de Raí e filho de Sócrates. “Vim para o Botafogo muito com a ideia de retribuir o que o clube trouxe para a minha família”, disse Gustavo.

O ídolo corintiano foi o primeiro a se destacar no Botafogo, pelo qual se profissionalizou em 1973. Lá, conseguiu conciliar os estudos na Faculdade de Medicina com o futebol e despontar para o mundo do esporte.

Diz a lenda que o pai de Raí, Raimundo, tinha um camarote no estádio e, ao acompanhar as partidas de Sócrates, brincava com os amigos que o camisa 8 não saia da sombra.

Anos mais tarde, foi a vez de Raí, que nasceu em Ribeirão Preto, iniciar a trajetória no clube. Lá, tentou esconder o parentesco com o irmão para evitar comparações. Não demorou muito e o meio campista ganhou fama e brilhou no Tricolor da capital.

Até mesmo a casa em que o campeão mundial de 92 passou a sua infância ainda pertence à família e fica próxima ao estádio (cerca de 1,5 quilômetros). Portanto, não é de se estranhar que antes ou depois da partida, a mãe de Raí, dona Guiomar de Oliveira, de 99 anos, receba o ídolo são-paulino e o dirigente do Botafogo para um encontro familiar.

UOL

Raí pede poder de reação ao São Paulo para próximo jogo na Liberta

O São Paulo não esperava ser derrotado pelo Binacional-PER, na última quinta-feira, principalmente após ter saído na frente no placar. No entanto, chances perdidas e o cansaço provocado pela altitude acabaram culminando no revés de virada para o time peruano. Agora é pensar na LDU, na próxima quarta-feira e mostrar poder de reação, como pediu Raí, diretor de futebol do clube.

Um dos pouco a passar pela zona mista do estádio Guillermo Briceño Rosamedina, em Juliaca, o ídolo são-paulino admitiu a decepção de toda a delegação com o resultado negativo, mas pediu reação rápida do elenco para a continuidade na Copa Libertadores, ainda mais por ser um time que quer mostrar que irá longe na competição sul-americana.

– Estão decepcionados, chateados e é normal. Acho que são pontos importantes que a gente deixou escapar e não poderia, a gente sabe que o time tinha condições de ganhar aqui dentro, ganhar pontos importantes, uma vitória mesmo. Agora não tem muito tempo, quarta-feira já tem jogo, além do Campeonato Paulista, claro, mas para a Libertadores, quarta-feira, a gente tem que mostrar poder de reação, foi isso que foi conversado ali dentro, usar esse golpe que todo mundo sentiu para reagir, mostrar personalidade, mostrar força, para um time que quer chegar longe – comentou o ex-jogador.

Apesar de reconhecer a influência da altitude, Raí, assim como os jogadores do elenco, preferiu não colocar a culpa toda no ar rarefeito. Segundo o dirigente, pelo que a equipe jogou na primeira etapa, era para ter saído de campo com a vitória. Ele também voltou a pedir força mental para se reerguer na Liberta.

– O jogo é outro com altitude, mas obviamente quando a gente pega o jogo, o São Paulo era para ganhar, criou chances para matar o jogo já no primeiro tempo. No segundo tempo realmente pesou, é difícil analisar qual é o peso de um segundo tempo na altitude, até lucidez acaba faltando em alguns momentos pelo cansaço, mas sem dúvida nenhuma não é desculpa, porque os jogadores sabem, poderíamos e deveríamos ter saído daqui com um resultado muito melhor. Temos dois jogos em casa para mostrar força mental e personalidade para recuperar os pontos perdidos aqui – afirmou.

Por fim, Raí disse acreditar que o gol de empate acabou definindo o destino da partida, pois aconteceu no começo do segundo tempo, quando o Tricolor já estava sem condições de mostrar reação na partida, algo que o Binacional mostrou para poder virar o placar e sair de campo vitorioso.

– Clima de tristeza, conversamos, claro, tristeza porque a gente sabe que tivemos chances para ganhar o jogo, criamos muito mais do que o adversário, e no segundo tempo, com um gol no começo, foi aí que eles reagiram e a gente não tinha mais força para recuperar o resultado e acabamos tomando o segundo gol, mas sem dúvida alguma era para ter matado o jogo no primeiro tempo – concluiu o dirigente são-paulino.

O São Paulo volta a campo neste domingo, diante do Botafogo-SP, às 16h, fora de casa, pela nona rodada do Campeonato Paulista. Já na próxima quarta-feira, o Tricolor recebe a LDU-EQU, no Morumbi, às 21h30, pela segunda rodada da fase de grupos da Copa Libertadores. Os equatorianos lideram o Grupo D após vencerem o River Plate-ARG, por 3 a 0, em Quito.

Lance

TJD adia julgamentos de Lugano, Raí e São Paulo por problemas em clássico contra o Corinthians

O TJD (Tribunal de Justiça Desportiva) adiou o julgamento do diretor-executivo de futebol Raí, do superintendente de relações institucionais Lugano, e do diretor associado de futebol Fernando Ambrogi, todos do São Paulo, por ataques feitos ao juiz Douglas Marques das Flores em clássico contra o Corinthians. O clube também seria julgado por causa de gritos homofóbicos da torcida na mesma partida nesta segunda-feira.

O adiamento foi feito a pedido do São Paulo para a produção de provas. A previsão é de que os casos sejam colocados na pauta da sessão do dia 9 de março, na próxima semana.

Quem enfrenta possibilidade de pena mais pesada é Lugano. Após o jogo, em que o São Paulo afirma que Flores deixou de marcar um pênalti de Camacho em Igor Gomes, o uruguaio precisou se contido por policiais. Na súmula, o árbitro relatou as ofensas.

Lugano foi denunciado em dois artigos do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva): o 243-F (ofender alguém em sua honra, por fato relacionado diretamente ao desporto), que prevê suspensão de até 90 dias e multa de R$ 100 a R$ 100 mil, e o 258 (assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva não tipificada pelas demais regras deste Código), que também prevê pena de suspensão de até 90 dias.

Raí será julgado por declarações contra a arbitragem — Foto: Eduardo RodriguesRaí será julgado por declarações contra a arbitragem — Foto: Eduardo Rodrigues

Raí será julgado por declarações contra a arbitragem — Foto: Eduardo Rodrigues

 

Raí e Ambrogri foram denunciados no artigo 258 e, se penalizados, podem ser suspenso por até três meses. Raí afirmou, em entrevista, que o São Paulo estava sendo “roubado”.

Já o São Paulo terá que se defender das acusações de que sua torcida se manifestou de forma discriminatória durante a partida. No jogo, foram ouvidos gritos de “bicha” quando o goleiro Cássio, do Corinthians, chutava a bola.

Por causa disso, a partida chegou a ser interrompida logo em seu início. O São Paulo publicou avisos no telão no Morumbi alertando sobre o fato de que a manifestação era um crime e que o clube poderia ser punido.

O CBJD prevê, no artigo 243-G, a responsabilidade do clube em atos de sua torcida. A pena é de multa que pode chegar a R$ 100 mil.

Globo Esporte

Raí questiona federação e diz que “SP está sendo roubado em casa”

O diretor de Futebol do São Paulo, Raí, reclamou de forma contundente contra a arbitragem no clássico diante do Corinthians, hoje, no Morumbi. Ao mostrar a insatisfação do clube com um suposto erro do juiz Douglas Marques das Flores ao avaliar um pênalti em Igor Gomes, ele declarou que o “São Paulo está sendo roubado em casa”.

“É desagradável repetidamente reclamar da arbitragem e agora temos de questionar a política da federação. O São Paulo não pode mais ser cobaia de árbitro inexperiente, e enquanto isso os árbitros mais experientes estão apitando jogos no interior”, sentenciou Raí.

“Estamos sendo roubados dentro de casa, em clássico e contra time pequeno. Vamos questionar e vamos até as últimas consequências até que seja resolvido”, complementou o diretor.

A revolta da diretoria do São Paulo ficou evidente logo depois do apito final. Raí e Lugano foram em direção da arbitragem na entrada do túnel que leva aos vestiários e reclamaram bastante, mas acabaram contidos pela Polícia Militar.

A reclamação de Raí não começou agora. Há dez dias, ele viu o São Paulo ser prejudicado por erros de arbitragem no empate por 1 a 1 com o Novorizontino, no Morumbi. Na ocasião, dois gols deixaram de ser validados por impedimento e um pênalti em Vitor Bueno não foi marcado.

“Se não há má vontade da federação, é um erro técnico que tem que ser questionado. A Federação tem de assumir os erros e trazer soluções”, complementou o dirigente.

Com o empate sem gols, o São Paulo segue fora da zona de classificação para as quartas de final do Campeonato Paulista. A equipe tricolor soma nove pontos e tem o mesmo número de Inter de Limeira e Mirassol, mas tem menor número de vitórias e saldo de gols.

UOL

Raí diz em reunião que São Paulo precisa vender e não contratar jogador

Em clima ameno, o São Paulo teve a reunião do Conselho Deliberativo nesta noite. Executivo de futebol do clube, Raí participou do encontro e falou sobre o momento do departamento. Os integrantes do órgão questionaram sobre o time e a atuação do Tricolor paulista no mercado da bola na última janela de transferência. O dirigente deixou claro que a equipe do Morumbi vive um momento em que é preciso vender e não contratar atletas.

Até mesmo como reflexo de o São Paulo ter fechado 2019 com um déficit de R$ 180 milhões e por considerar boa a qualidade do elenco, as novidades para 2020 ficaram por conta das renovações do goleiro Tiago Volpi e do lateral direito Igor Vinícius e do retorno de Tréllez. Por outro lado, o Tricolor paulista não negociou o atacante Antony, que despertou o interesse de equipes da Europa.

Ainda durante a reunião desta noite, foi colocado em discussão a ampliação do contrato de patrocínio da Urbano. O acordo foi aprovado e será válido até o fim deste ano. A empresa vai estampar a sua marca nos uniformes dos times profissionais de futebol masculino e feminino e na equipe de basquete. O Tricolor vai receber R$ 2 milhões.

O São Paulo vai jogar neste sábado, no Morumbi, contra o Corinthians, pelo Campeonato Paulista. Após a derrota para o Santo André, a equipe ocupa a terceira colocação no Grupo C do estadual.

UOL

Neto detona diretoria do São Paulo e compara política do clube ao Regime Militar

O ex-jogador Neto disparou várias críticas à diretoria do São Paulo, na tarde desta terça-feira (11), no programa Os Donos da Bola. Na última segunda (10), veio à tona uma informação de que o clube paulista atrasou salários e direitos de imagem do elenco profissional.

“Lembram ano passado, quando eu falei que vocês não iam ter dinheiro pra pagar o Daniel Alves? Que vocês estavam com um déficit de 180 milhões? Que você Leco, pediu pros conselheiros do São Paulo uma ajuda pra liberar 33 milhões pra pagar tudo?”, questionou Neto.

“Vocês não tão pagando CLT, direito de imagem. Não sei se é só um mês e quando sai isso é porque o jogador falou”, acrescentou.

Neto também falou sobre o lado esportivo do São Paulo. O último título conquistado pelo Tricolor é a Copa Sul-Americana, em 2012.

“A vergonha que o torcedor são-paulino tá sofrendo vem de vocês todos. Vocês ainda não criam vergonha na cara pra fazer assim: ‘eu não sou mais soberano, eu posso voltar a ser’. Vocês continuam achando que são os soberanos e não sai mais”, opinou.

Por fim, Neto comparou a política interna do São Paulo ao Regime Militar, que ocorreu entre 1964 e 1985, no Brasil.

“Vocês não são mais exemplo pros outros clubes. Democraticamente vocês deixaram de ser democráticos. O que vocês viraram? É isso que aconteceu em 64. É por isso que o São Paulo tá desse jeito”, concluiu.

via: Torcedores

Raí diz que já entrou em contato com FPF: ‘Atuação calamitosa do juiz’

Minutos depois do empate por 1 a 1 do São Paulo com o Novorizontino, nesta segunda-feira, no Morumbi, Raí foi à zona mista para dizer que já entrou em contato com a Federação Paulista de Futebol para manifestar indignação com a atuação do árbitro Flávio Roberto Mineiro Ribeiro.

– Já entramos em contato com a Federação, já passamos a mensagem. Acho que eles vão ser os primeiros a reconhecer o absurdo que aconteceu hoje – disse o diretor do Tricolor.

Fellipe Lucena

@fellucena

Raí detona a arbitragem na zona mista.

Vídeo incorporado

145 pessoas estão falando sobre isso

– Foi uma atuação calamitosa do árbitro. Você faz uma pré-temporada, todo um trabalho sério, profissional, os jogadores se dedicando ao máximo, arriscando a própria integridade. Alguns jogadores saíram até machucados. Eles se dedicaram para tentar passar por cima do que foi feito, mas foi uma atuação calamitosa. Um nível que não dá para considerar profissional. Acho que até a própria Federação vai reconhecer que não foi um nível profissional – emendou.

O São Paulo reclama de dois gols mal anulados de Alexandre Pato, dois pênaltis não assinalados e de um cartão amarelo para Léo Baiano que deveria ter sido vermelho após uma entrada que fez Bruno Alves chegar ao vestiário carregado após a partida, sem conseguir pisar no chão.

– É um desrespeito ao torcedor, não só ao São Paulo e aos jogadores. É uma vergonha para todo o contexto do futebol, para a Federação. Isso poderia muito bem ter sido evitado – disse Raí.

– Não foi um erro. O que foi mais revoltante foi o contexto geral, você vai irritando os jogadores com um erro aqui e outro ali. Não revi ainda, mas foram dois gols aparentemente legítimos, pênalti, faltas, realmente algo revoltante que vai enervando os jogadores. Alguns saíram machucados, outro tomou amarelo injustamente. Pode resolver até um mando de jogo para a próxima fase. Algo inaceitável e vamos tomar as medidas necessárias – completou.

Lance

Confirmado! Após reunião, Raí fica para 2020 com Chapecó, Pássaro e Máfia Barra Funda; Diniz confirmado e o Planejamento se inicia

Depois de uma reunião hoje, Leco e Raí definiram que o trabalho terá sequência em 2020.

Após o anúncio de Belmonte e a rejeição pela mudança por um conselheiro, o nome de Raí passou a ser palatável mesmo em meio aos fracassos.

Assim, Raí, Pássaro, Chapecó e cia limitada da máfia da Barra Funda seguem até o fim do mandato Leco.

Diniz continua firme e o planejamento 2020 se inicia.

São Paulo caminha para não ter Raí em 2020 e tem favorito para a vaga

O São Paulo caminha para ter mudanças importantes em seu departamento de futebol para 2020. A tendência é de que Raí, diretor de futebol desde o fim de 2017, não tenha o contrato renovado e deixe o cargo após o Campeonato Brasileiro. O favorito a assumir a pasta é Carlos Belmonte, atual diretor social e responsável pelo projeto do basquete do clube, considerado um sucesso.

​A pressão sofrida pelo presidente Leco para trocar o comando do futebol é imensa. Se há alguns meses os pedidos pela saída do ídolo vinham apenas de conselheiros de oposição, agora vêm também da base aliada ao presidente. Se antes respondia que Raí não sairia “nem se quisesse”, tamanha a confiança que tinha nele, o mandatário agora dá sinais de que fará a mudança – embora não tenha se manifestado publicamente sobre isso.

​Esses conselheiros próximos a Leco cobram uma reestruturação profunda no futebol do São Paulo e julgam que Raí já deu mostras de que não é a pessoa adequada para tocá-la. A sugestão é por um conselheiro não remunerado e com força política para liderar essa reformulação, que não diz respeito ao elenco, mas à estrutura física e pessoal do CT da Barra Funda. Belmonte se enquadra neste perfil.

​Já se discute internamente a possibilidade de fazer dele, inclusive, candidato à presidência do clube em dezembro de 2020 em caso de bom trabalho como dirigente no futebol. Hoje, o favorito a representar a situação no pleito é Júlio Casares.

​Essas mudanças ainda não estão 100% definidas e só serão confirmadas após a participação do Tricolor no Brasileirão – ou após a obtenção da vaga direta na fase de grupos da Libertadores, que virá já nesta quarta em caso de vitória sobre o Internacional, às 21h30, no Morumbi.

Lance

São Paulo prevê R$ 80 milhões em vendas ainda em 2019; definição de orçamento fica para quinta

Por Marcelo Hazan – Globo Esporte

São Paulo projeta ganhar ao menos R$ 80 milhões com vendas de jogadores até 31 de dezembro. O dinheiro servirá para cobrir o prejuízo financeiro nas contas do clube – de janeiro a agosto o Tricolor registrou déficit de R$ 76,5 milhões.

Neste momento, o jogador mais valorizado do elenco no mercado é Antony. O atacante é alvo, por exemplo, de observação do Borussia Dortmund (da Alemanha) e também está na mira de outros clubes. Nos bastidores ele é cogitado como um dos atletas que poderá ser negociado depois do Brasileirão.

Raí (diretor executivo) e Alexandre Pássaro (gerente) participaram da reunião do Conselho de Administração nesta segunda-feira, no Morumbi, na qual o órgão discutiu sobre a proposta orçamentária de 2020. A promessa é bater a meta de vendas orçada para este ano: R$ 121 milhões. Mas não foi falado se um ou mais jogadores serão negociados para que esse número seja atingido.

O orçamento de 2020, por outro lado, ainda não foi fechado. Há números em discussão e a ideia é diminuir, por exemplo, o valor inicialmente previsto para gasto com salários, encargos e direitos de imagem, de R$ 26,8 milhões.

O encontro desta segunda-feira foi o segundo para debater o orçamento de 2020. A proposta inicial também projetava para o próximo ano receitas de 33 milhões de euros (cerca de R$ 154 milhões) com negociações de jogadores, sendo 75% do valor recebido à vista. Mas esse número não está fechado.

Uma última reunião do Conselho de Administração será feita na quinta-feira, prazo final para que a proposta orçamentária seja definida. Depois de aprovado, o documento será submetido ao Conselho Deliberativo, em reunião a ser marcada ainda neste mês.

As premissas da proposta orçamentária de 2020 serão usadas como base de 2021 a 2023. Mas ano a ano esses números serão revisados e novamente aprovados.