Jucilei abre mão de R$ 2 milhões para rescindir com o São Paulo

Chegou ao fim a passagem de Jucilei pelo São Paulo. Clube e jogador chegaram a um acordo para a rescisão de contrato, em informação que foi noticiada primeiramente pelo jornalista Paulo Vinícius Coelho, o PVC.

Segundo apurou a ESPN Brasil, o meio-campista, após ficar perto de ser negociado com o Vasco, aceitou abrir mão de R$ 2 milhões para ficar livre do vínculo.

O São Paulo, por sua vez, calcula uma economia ainda maior considerando todo o “pacote” que incluia os pagamentos do atleta: R$ 6 milhões.

Jucilei, que chegou ao São Paulo em fevereiro de 2017, tinha contrato com o São Paulo até 2021.

No último mês, Jucilei esteve perto de acertar com o Vasco, por empréstimo até o final da temporada. Os altos vencimentos do jogador, contudo, inviabilizaram a transferência.

Depois de ser reintegrado por Fernando Diniz em setembro do ano passado e chegar até mesmo a ser titular no início da trajetória do treinador no São Paulo, Jucilei aos poucos caiu no ostracismo e, por mais que tenha participado da pré-temporada deste ano, foi descartado pela comissão técnica.

Ele deixa o São Paulo após três temporadas, 108 jogos disputados e um gol marcado.

ESPN

São Paulo rescinde com Jucilei e pode economizar R$ 6 milhões

O São Paulo selou em reunião na noite da última terça-feira a rescisão do contrato com Jucilei. Depois da longa polêmica com a possível transferência para o Vasco, que não se confirmou, o volante aceitou receber o valor da rescisão nos próximos quatro anos.

O contrato do volante iria até dezembro de 2021. Sem pagar salários, direitos de imagem e impostos nesses 24 meses, o São Paulo imagina economizar R$ 6 milhões.

Jucilei chegou ao Morumbi em fevereiro de 2017. Em três temporadas, disputou 108 partidas e marcou um único gol, contra o Fluminense.

Blog do PVC / Globo Esporte

Jucilei avisa ao São Paulo que ida ao Vasco melou; há outros interessados

Após ter sido liberado dos treinos no São Paulo para finalizar as conversas com o Vasco, na quinta-feira passada, o volante Jucilei avisou à diretoria do clube paulista que a negociação melou. Agora, o jogador de 31 anos vai analisar outras ofertas – há duas possibilidades concretas do futebol asiático.

A negociação entre São Paulo e Vasco estava bem encaminhada no fim da semana passada. O Tricolor topava liberar o jogador por empréstimo até dezembro deste ano, com salários divididos quase que igualmente. A diretoria do clube carioca, no entanto, sempre tratou o tema com cautela, a ponto de o diretor de futebol André Mazzuco até negar as conversas. A informação da desistência do cruz-maltino foi publicada mais cedo pelo “Globo Esporte”.

LANCE! apurou que a repercussão negativa da notícia pesou para que a diretoria do Vasco recuasse. Além disso, o valor que seria gasto com os salários dele era considerado alto e dividia opiniões no clube.

No São Paulo, a possibilidade de Jucilei permanecer ainda é considerada pequena, apesar do contrato válido até o fim de 2021. Sem espaço com Fernando Diniz, ele nem sequer foi inscrito no Campeonato Paulista (ainda é possível acrescentá-lo até 6 de março, se o clube desejar) e perdeu a camisa 8 para Tchê Tchê.

O volante chegou ao Morumbi em 2017, inicialmente emprestado pelo Shandong Luneng (CHN), e acabou comprado em 2018 por cerca de R$ 5 milhões. No ano passado, chegou a ser afastado do elenco por Cuca para que pudesse procurar um novo clube, mas nenhuma oferta agradou simultaneamente a ele e ao clube. Fernando Diniz o resgatou na reta final da temporada e chegou a transformá-lo em titular, mas isso durou pouco.

Lance

Jucilei deixará o São Paulo, e Vasco deve contratá-lo por empréstimo

O São Paulo está próximo de acertar o empréstimo do volante Jucilei, de 31 anos, ao Vasco da Gama. Ele deve ficar em São Januário até dezembro deste ano com salários divididos, quase que meio a meio.

A situação é um pouco diferente de outros empréstimos fechados recentemente pelo São Paulo, que vai colaborar com o pagamento dos salários de Hudson no Fluminense e Everton Felipe no Cruzeiro, mas em uma porcentagem bem inferior aos 50%. No caso de Jucilei, o elevado de salários fez com que diversos clubes interessados recuassem, então será preciso arcar com um valor maior.

Mesmo se a negociação com o Vasco não der certo, o que é improvável neste momento, Jucilei não jogará no Morumbi nesta temporada. Outros dois clubes sinalizaram o desejo de levá-lo em moldes semelhantes. O jogador já até perdeu a camisa 8 para Tchê Tchê, que estreou o número contra o Água Santa na rodada inaugural do Paulistão.

Jucilei chegou ao São Paulo em 2017, inicialmente emprestado pelo Shandong Luneng, da China, e foi comprado no início de 2018 por cerca de R$ 5 milhões. O contrato dele vai até o fim de 2021 e liberá-lo era visto como fundamental pela diretoria para que se cumpra a meta de reduzir a folha salarial.

Lance

Jucilei entra na mira de clubes asiáticos, mas São Paulo não recebe ofertas

O São Paulo ainda tenta enxugar mais a folha salarial para 2020 e o volante Jucilei é um dos jogadores disponibilizados no mercado da bola, em busca desse objetivo.

Por enquanto, o volante, que tem um dos maiores salários do elenco, recebeu apenas sondagens.

Clubes asiáticos fizeram consultas ao jogador, que tem contrato até o fim de 2021 com o Tricolor, mas ele ainda não se empolgou.

UOL

Para aliviar folha, São Paulo coloca Jucilei e Hudson como ‘negociáveis’

O mercado de negociações segue parado para o torcedor são-paulino. Fora o anúncio da contratação do goleiro Tiago Volpi, na véspera do Natal, e a regularização dos contratos de Igor Vinícius e Vitor Bueno, os tricolores não receberam grandes novidades. Uma das metas atuais da diretoria do clube do Morumbi está em aliviar a folha de pagamento. Por isso, nomes como Jucilei e Hudson podem dar adeus nas próximas semanas.

A decisão de colocar os dois volantes como nomes ‘negociáveis’ não é técnica. Fernando Diniz não decidiu abrir mão da dupla para 2020, mas os altos salários pagos para cada um deles inviabiliza a permanência de Jucilei e Hudson no São Paulo. O primeiro foi sondado por clubes árabes e chineses, mas ainda não recebeu propostas oficiais.

Já Hudson, capitão do Tricolor no início da última temporada e um dos jogadores com mais tempo de casa somando suas duas passagens pelo clube, viveu um ano de altos e baixos e passou um bom tempo no banco de reservas. Com Cuca no comando pediu para não virar lateral e teve sua decisão respeitada, mas, com isso, entrou pouco em campo.

Tanto Jucilei como Hudson têm contratos longos (ambos válidos até o fim de dezembro de 2021), ocupam vagas que poderiam ser utilizadas por jogadores vindos da categoria de base e já não são mais tão jovens (31 anos, cada um deles), o que reduz seus respectivos valores de mercado.

Ciente disso e também precisando aliviar a folha salarial do elenco após fechar a temporada passada com um déficit de R$ 180 milhões, a diretoria do São Paulo está aberta a abrir negociações pela dupla. Isto, claro, não significa que o clube pretende se livrar deles, mas sim que uma possível transferência para outro clube não seria dificultada pelo Tricolor.

Lance

Jucilei entra na mira de clubes da China e da Arábia

Um dos jogadores que estão na lista de dispensas do São Paulo, o volante Jucilei foi procurado por clubes da China e da Arábia. Segundo o jornalista André Hernan, 3 clubes vieram procurar o tricolor paulista para saber de informações e valores do volante para uma possível contratação.

André Hernan

@andrehernan

Jucilei entra na mira de clubes da China e Arábia. Três clubes já manifestaram interesse e buscaram informações. Jogador tem contrato com o SPFC até 2021.

311 people are talking about this

Jucilei é um dos salários mais altos do elenco no momento. O volante ganha aproximadamente R$750 mil reais por mês e com uma crise financeira e um déficit de R$180 milhões, o São Paulo se vê obrigado a vender jogadores. Além de jogadores com alto valor de mercado como Antony e Liziero, o tricolor paulista quer se livrar de jogadores com salários altos e que não vem sendo utilizados para abrir espaço na folha de pagamento.

O jogador chegou ao Morumbi no começo de 2017 e foi contratado em definitivo no final do mesmo ano por 4 temporadas. Com contrato até 2021, o jogador chegou a ser dispensado este ano e treinou separado do elenco, mas foi reintegrado por Fernando Diniz

SPFC.Net

Possível chegada de Allan ao São Paulo deixa Hudson e Jucilei na berlinda

A possível contratação de Allan, do Fluminense, pode ocasionar mudanças no elenco do São Paulo. Isso porque o jovem de 22 anos, que agrada muito o técnico Fernando Diniz, chegaria para concorrer por uma vaga no meio-campo tricolor, onde outros nomes, hoje com bem menos prestígio, vêm tendo dificuldades para se firmar, casos de Hudson e Jucilei.

Allan é visto como Fernando Diniz como um jogador que possui características que se encaixam perfeitamente em seu estilo de jogo. Tido como um volante técnico, com capacidade de construção de jogadas, o jovem que pertence ao Liverpool, da Inglaterra, está emprestado ao Fluminense até o fim de 2019.

Atualmente, o único volante são-paulino que se assemelha a Allan é Liziero. Luan, que também tem bom passe, possui mais características de marcação, se estabelecendo como um meio-campista mais fixo na cabeça de área. O mais velho dos três possui 23 anos, sinal que Fernando Diniz poderá ter uma composição de time mais jovem em 2020.

Mas, a prioridade pela juventude pode colocar alguns velhos conhecidos da torcida tricolor na berlinda. Hudson e Jucilei, por exemplo, já não gozam do mesmo prestígio de outrora e passam longe de ser primeira opção para a comissão técnica. Os altos salários que recebe torna a presença da dupla no clube ainda mais indigesta para a diretoria.

Com a chegada de Fernando Diniz, Jucilei até recebeu algumas oportunidades, sendo reintegrado ao elenco e ganhando uma sequência de quatro jogos como titular, entretanto, não convenceu a comissão técnica e acabou perdendo sua vaga no meio-campo. Hudson, por sua vez, entrou em campo apenas quatro vezes sob o comando do atual treinador, sempre nos minutos finais do segundo tempo.  Ambos têm contrato com o São Paulo até o fim de 2021.

Gazeta Esportiva

Jucilei celebra retorno ao São Paulo e afirma: ‘Fui afastado injustamente’

No último sábado, na vitória por 3 a 0 sobre a Chapecoense, a principal novidade do time do São Paulo foi a volta de Jucilei aos gramados após mais de seis meses sem jogar. O volante já havia retornado do afastamento em que estava desde a parada para a Copa América e sobre o qual comentou pela primeira vez em entrevista coletiva, afirmando ter sido injustiçado.

Jucilei foi afastado do grupo juntamente com Bruno Peres e Nenê, pouco antes de a delegação partir para um período de treinamentos no CT de Cotia, no fim de junho, durante a pausa para o torneio de seleções. Na época o técnico era Cuca, que não o utilizava desde o segundo jogo da final do Paulistão, no fim de abril. Para o volante, o afastamento foi descabido, já que não é “baladeiro”.

– Eu não vou citar culpado, eu sei de uma coisa: fui afastado injustamente, pelo fato de eu não ser um cara baladeiro, por não ser um cara que chega atrasado. Geralmente você faz uma c***** dentro do clube e você é afastado, mas não foi o meu caso. Daqui para frente agora é página virada, estou muito feliz pela recepção, pela recepção dos jogadores, da diretoria, de todos, desde a portaria ao presidente. Estou muito feliz – declarou o camisa 8 do Tricolor.

Jucilei também fez questão de exaltar a importância de Fernando Diniz em seu retorno ao clube. Antes de ser reintegrado, o meio-campista treinou com um preparador físico particular, depois voltou a trabalhar em horários alternativos no CT da Barra Funda, e finalmente foi chamado a realizar atividades com todo o grupo seguindo pedido da comissão técnica que havia acabado de chegar.

– Fernando Diniz já vinha aqui na época do Dorival, me acompanhava, tive a oportunidade de conversar duas ou três vezes com ele, ele me elogiava bastante, também encontrei com ele no aeroporto, eu estava aqui no São Paulo e ele no Fluminense, e ele falou que a gente ainda teria a oportunidade de trabalhar juntos, agora estou tendo essa oportunidade, é um cara que tem me dado bastante força, sou muito grato a Deus e a ele. Se não fosse o Diniz talvez eu poderia não estar aqui, porque se ele fala que não queria, seria mais um imbróglio, mais uma confusão, eu tenho mais dois anos de contrato, seria um negócio que não faria bem para ambas as partes. Estou muito feliz neste retorno, grato ao Diniz por essa nova oportunidade – disse antes de completar:

– Estou me sentindo bem, nesse período eu treinei no Rio de Janeiro, peguei personal, treinei na praia, joguei futevôlei, que dá condição física, depois pude fazer dois períodos aqui e estou preparado. São oito rodadas decisivas, sabemos do nosso objetivo que é a Libertadores e vamos em busca dela.

Por fim, Jucilei também falou sobre cumprir a promessa de se aposentar no clube, no entanto ele disse saber que tudo depende dos resultados e citou casos de outros jogadores que acabaram deixando o Tricolor e foram, em algum momento, apontados como culpados pela torcida.

– O que falamos temos de cumprir. Quero me aposentar no São Paulo. Estava treinando bem, só que futebol em time grande é resultado. Sei como funciona. Sou muito experiente. Se você ganha dez partidas é o melhor. Se você começa a tomar uma pancadinha… fomos eliminados da pré-Libertadores. Foi muito ruim para nós jogadores. Então começam apontar culpado: “foi fulano, beltrano, o Jucilei isso, Jucilei está gordo, Jucilei aquilo”. Aconteceu com Sidão, Rodrigo Caio. Sempre vão achar um culpado. Mas a torcida é paixão. Entendo o lado deles. É zoação. Quando perde um jogo ficam doidos e querem achar um culpado. Mas também vivi isso e sei como é a torcida do São Paulo. Colocou mais de 20 mil pessoas em um treino, quando estava em situação difícil botaram 60 mil contra o Cruzeiro 11h. Sei como funciona e agora é buscar o objetivo. Estou bem, muito bem fisicamente, espero continuar assim.

O São Paulo de Jucilei volta a campo nesta quinta-feira, às 19h30, no Morumbi, para enfrentar o Fluminense, pela 31ª rodada do Brasileirão-2019. Atualmente os são-paulinos ocupam a 4ª posição na tabela com 52 pontos, sete à frente do Corinthians, primeiro fora da zona de classificação para a Libertadores.

Lance

 

Volta de Jucilei é aprovada por Diniz: ‘Foi destaque em todos os treinos’

A vitória do São Paulo sobre a Chapecoense, na noite de sábado, marcou a “reestreia” de Jucilei. O volante de 31 anos não jogava desde 21 de abril, data da final do Paulistão, e ficou afastado do elenco por decisão de Cuca do fim de junho até o começo de outubro, quando Fernando Diniz o reintegrou. O técnico, aliás, rasgou elogios à atuação do jogador no triunfo por 3 a 0.

– Ele foi ótimo como foi nos treinamentos. Reproduziu exatamente o que fez nos treinos e reproduziu também aquilo que eu já conhecia do Jucilei. Sempre achei um jogador primoroso, um jogador grande, que impõe respeito, que tem muita facilidade para achar passes no meio das linhas, tem bola longa. Fiquei muito feliz com a volta dele. E não fiz nada mais que minha obrigação de colocar para jogar. Embora ele estivesse há um tempo afastado, ele chegou muito bem nos treinamentos. Em todos os treinamentos ele foi um dos destaques, e por isso ele ganhou a condição de sair jogando hoje e ajudou muito a equipe – disse Diniz.

Jucilei ganhou a vaga de Luan e ficou responsável por ajudar os zagueiros na saída de bola. Destacou-se, principalmente, pelos passes verticais, rompendo as linhas de defesa da Chape. A tendência é de que continue na equipe contra o Fluminense, às 19h30 de quinta-feira, no Morumbi.

Com 52 pontos, o São Paulo é o quarto colocado do Brasileirão.

Lance

“Não fiz mais do que minha obrigação”, diz Diniz sobre acionar Jucilei

Fernando Diniz considerou a escalação de Jucilei como bastante natural. Neste sábado, o volante voltou a jogar pelo São Paulo após mais de seis meses sem disputar uma partida oficial e não decepcionou o seu treinador, dando boa qualidade à saída de bola da equipe e sendo bastante participativo na transição ofensiva, motivos suficientes para o comandante ficar satisfeito com o camisa 8.

“Ele foi ótimo, como foi nos treinamentos. Ele reproduziu exatamente o que ele fez nos treinamentos e aquilo que já conhecia dele. Sempre achei ele um jogador primoroso, grande, que impõe respeito, com facilidade para dar passes entre linhas”, afirmou Fernando Diniz.

“Jogador que impõe respeito ao adversário, não fiz mais do que minha obrigação pôr ele para jogar, porque desde que cheguei ele tem sido destaque nos treinamentos. Hoje ajudou muito a equipe”, completou o treinador do São Paulo.

Ao contrário do que pôde ser visto contra o Palmeiras, neste sábado o São Paulo teve um espírito mais aguerrido em campo. Combativo, o time não sofreu para construir uma vantagem no placar e voltou a se encontrar na defesa, saindo de campo sem ser vazado.

“A mudança de postura [foi fundamental] e o mais importante é que os jogadores não saíram totalmente satisfeitos com o jogo de hoje. Concedemos algumas chances para a Chapecoense no segundo tempo. É aproveitar o resultado, mas melhorar porque tem muita coisa para acontecer”, disse.

“Temos que valorizar a vitória, porque a Chapecoense acabou de ganhar do Atlético-MG, empatou com o Fluminense, perdeu para o Flamengo em um jogo que poderia não ter perdido. Então, não é um time frágil. Fomos bastante agressivos com a posse de bola, na marcação, fizemos dois gols, poderíamos ter feito mais. No segundo tempo baixamos a marcação, poderíamos ter defendido melhor. Gostei da equipe, mas sabemos que temos margem para melhorar”, concluiu.

Gazeta Esportiva

Sem Luan, Diniz pode recuar Tchê Tchê, acionar Hudson ou “ressuscitar” Jucilei

O técnico Fernando Diniz terá uma escolha importante para fazer nesta semana. Sem Luan à disposição para a partida contra o Atlético-MG pelo fato de o volante ter recebido seu terceiro cartão amarelo no Campeonato Brasileiro, o comandante do São Paulo possui três opções para substituir seu titular no próximo domingo.

A primeira delas, que parece ser a mais natural, é recuar Tchê Tchê para atuar como primeiro volante. O jogador que trabalhou com Fernando Diniz no Audax se destaca pelo bom passe e versatilidade, características que dariam mais qualidade à saída de bola do São Paulo em um duelo bem mais difícil que os das últimas rodadas.

Outra alternativa para Fernando Diniz é a entrada de Hudson, com Tchê Tchê sendo mantido como segundo volante. O camisa 25 atuou como titular pela última vez há quase dois meses, na derrota para o Internacional, no Beira-Rio, quando o time ainda era comandado por Cuca. Antes disso, ele vinha sendo escalado como lateral-direito, contudo, disse à comissão técnica que não desejava seguir improvisado no setor.

A opção menos provável é a escolha por Jucilei. Dispensado por Cuca para procurar um novo clube para jogar, o volante chegou a treinar por conta própria no Rio de Janeiro, mas não encontrou qualquer time disposto a contratá-lo. Desta maneira, ele retornou ao Tricolor, onde passou a trabalhar em horários alternativos aos do elenco, mas com a chegada de Fernando Diniz, acabou reintegrado.Tido como um dos pilares do time de Diego Aguirre, no ano passado, Jucilei entrou em campo apenas sete vezes na atual temporada, a maioria delas pelo Campeonato Paulista. O último jogo do volante com a camisa do São Paulo foi a partida de volta da final do Estadual, contra o Corinthians, em Itaquera. Ou seja, o jogador não atua profissionalmente há mais de seis meses.

A provável escalação do São Paulo para o confronto com o Atlético-MG, que marcará o reencontro de Vagner Mancini com seu ex-clube, deverá ser composta por Tiago Volpi; Igor Vinícius, Bruno Alves, Arboleda e Reinaldo; Tchê Tchê; Antony, Liziero, Igor Gomes e Vitor Bueno; Pato.

Gazeta Esportiva

O que levou Fernando Diniz a reintegrar Jucilei no São Paulo

Depois de três meses longe do elenco, Jucilei foi reintegrado ao São Paulo.

Antes de chamá-lo para trabalhar com os demais jogadores, o técnico Fernando Diniz consultou integrantes do departamento do futebol e outros atletas.

As referências foram as melhores possíveis. Ainda de acordo com a apuração da reportagem, o treinador se surpreendeu positivamente com a condição física do volante, que trabalhou sozinho no Rio de Janeiro.

– Em primeiro lugar, tecnicamente é um jogador que me agrada muito. Sempre gostei do Jucilei como jogador. Ele estava afastado, mas é um cara que tem boa condição física natural, o biotipo dele é muito bom. Ele chegou magro, não chegou acima do peso. Já está integrado, é querido por todos, diretoria e jogadores.

Ele é muito bem-vindo e tenho certeza que vai nos ajudar bastante – avaliou o comandante.

UOL

Jucilei vai bem em treino e vive expectativa de ser relacionado

Jucilei tem evoluído dia após dia e vive a expectativa de ser relacionado por Fernando Diniz para o jogo contra o Atlético-MG, às 16h de domingo, no Morumbi. Ele teve bom desempenho no treino técnico desta terça-feira, com mobilidade e aproveitamento alto nos passes. Desde que foi reintegrado, no início do mês, tem sido elogiado por ter voltado em boa condição física.

Havia a possibilidade de o volante ficar no banco já no jogo contra o Avaí, no último domingo, mas o São Paulo preferiu ser cauteloso. Apesar de ter se reapresentado visivelmente mais magro, Jucilei não joga uma partida oficial desde a final do Paulistão, em 21 de abril, e ficou quase quatro meses longe dos treinos com o grupo – durante o período de afastamento, ele abriu mão de trabalhar no CT da Barra Funda e ficou treinando por conta própria no Rio.

Titular em boa parte de 2018, o jogador de 31 anos terminou a temporada passada na reserva de Luan, mas recuperou seu lugar no time no início deste ano, quando o jovem concorrente foi convocado para a Seleção Brasileira sub-20. Ele não jogou bem contra o Talleres, na Libertadores, e perdeu espaço de vez após a chegada de Cuca. Escalado pelo treinador apenas uma vez, justamente na final estadual, foi liberado para buscar outro clube na pausa para a Copa América, em junho. A justificativa era de que suas características não eram as desejadas por aquela comissão técnica.

Com contrato até o fim de 2021, o meio-campista não recebeu nenhuma proposta convincente enquanto esteve longe do elenco. Após a saída de Cuca, ele viu com bons olhos a possibilidade de retornar, ainda mais depois de uma conversa em que Fernando Diniz manisfestou o desejo de contar com ele.

As outras opções para a posição são Luan e Hudson. O jovem promovido da base está suspenso para o jogo contra o Galo, mas a tendência é de que Diniz recue Tchê Tchê para a função de primeiro volante e escale Igor Gomes ou Hernanes ao lado de Liziero na armação.

Lance