Kaká reprova contratações do São Paulo, demissão de Aguirre e saída de Cuca

As excessivas e recentes trocas no comando técnico do São Paulo não vêm agradando a um ídolo da torcida tricolor. Entrevistado da vez no programa “Aqui com Benja”, da Fox Sports, o ex-meia disse que acredita em “contratações por critério” e que eles não devem ser “baseados no resultado do próximo domingo”. No caso de Aguirre, ele entende que o fato de o time ter alcançado a liderança do Campeonato Brasileiro, em certo momento da passagem do uruguaio, aumentou as expectativas sobre o trabalho do treinador demitido há exatamente um ano.

“Não acho que era a hora (de demitir), por mais que você queira mandar embora. Não faltando cinco rodadas. Termina as cinco rodadas, não renova o contrato. A minha crítica é ali”, ponderou, antes de completar: “Acho que tinha que manter. O grande erro do Aguirre foi ter ficado em primeiro. O grande problema dele foi ter terminado o primeiro turno do Campeonato Brasileiro em primeiro. Fez um excelente campeonato, voltou com o time para a Libertadores…”, destacou Kaká, que não aprovou o pedido de demissão de Cuca em 2019.

“Não acho que foi um comportamento correto do Cuca. Não em relação às declarações, mas em relação ao trabalho. Você chega num clube sabendo mais ou menos o que vai encontrar”, comentou.

O melhor jogador do mundo de 2007, entretanto, elogiou o treinador campeão brasileiro com o Palmeiras em 2016. Para ele, a situação no Morumbi é que não ficou muito bem definida.

“Chegar e falar que está saindo porque não deu certo, realmente não acho que é a justificativa mais correta para sair naquele momento. Gosto muito do Cuca como treinador, acho que ele, no Brasil, é um dos diferenciados. Agora, especificamente no São Paulo, a justificativa dele não é muito coerente. Poderia ter levado um pouco mais e tentado fazer as coisas acontecerem”, concluiu.

Créditos: Fox Sports

Anúncios

Após Ponte Preta x São Paulo, tricolores pedem desculpas a Diego Aguirre no Twitter

Ponte Preta x São Paulo foi um dos jogos da sexta rodada do Campeonato Paulista. A partida aconteceu neste sábado (09), no estádio Moisés Lucarelli, popularmente conhecido como Majestoso. A derrota do Tricolor fez com que a torcida, mais uma vez, se revoltasse no Twitter. Agora, porém, outro profissional foi lembrado. Trata-se de Diego Aguirre, demitido na reta final do Campeonato Brasileiro de 2018.

O nome do técnico uruguaio foi muito lembrado por torcedores do São Paulo após o jogo contra a Ponte Preta. Para muitos, Diego Aguirre foi injustiçado ao sair do Tricolor da maneira que saiu.

Confira alguns tweets sobre o comandante charrúa após Ponte Preta x São Paulo:

 

 

Fonte: Torcedores.com

Ex-técnico do SP se manifesta em rede social sobre demissão: Veja!

O técnico uruguaio Diego Aguirre se manifestou nesta segunda-feira, em rede social, pela primeira vez sobre sua demissão do São Paulo, ocorrida no último dia 11, após empate em 1 a 1 com o Corinthians, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro. O auxiliar André Jardine está como técnico interino do São Paulo desde então, com uma vitória (Cruzeiro) e um empate (Grêmio).

No texto, Aguirre não cita nominalmente nenhum jogador ou dirigente. O técnico lembra que foi jogador do São Paulo (no início dos anos 90), disse que trabalhou “com orgulho e vontade” e que o time chegou “a um patamar que ninguém esperava quando a temporada se iniciou”. Depois de acabar o primeiro turno como líder do Brasileirão, o São Paulo caiu de rendimento no returno, e Aguirre acabou sendo demitido.

Veja abaixo o depoimento de Aguirre, na íntegra:

Na última semana, pensei no que dizer como uma forma de me despedir do São Paulo, camisa que defendi com orgulho e vontade como atleta e treinador.

Defendendo essa equipe vivemos grandes momentos e chegamos a um patamar que ninguém esperava quando a temporada se iniciou. Porém, termos alcançado o auge de nossas possiblidades criou uma realidade que impressionou a todos.

Me despeço do São Paulo com o sentimento de que entregamos todo o possível, e a vaga na próxima Libertadores é a prova de que o objetivo foi alcançado.

Deixo meu agradecimento e carinho aos meus atletas, que deram o máximo em cada minuto em campo, e à torcida são-paulina que, nos bons e maus momentos, não deixou de nos apoiar.

 

 

Fonte: Globo Esporte

Ignorado por demissão de Diego Aguirre, Lugano se incomoda e perde força no SPFC

Amigo pessoal e responsável pela indicação ao São Paulo de Diego Aguirre, Diego Lugano ficou chateado com a demissão do treinador uruguaio. Segundo apurou a De Primeira, o ex-zagueiro “entende, mas não concorda com a decisão”. O ex-jogador não foi consultado pelo executivo de futebol tricolor, Raí, sobre a saída do compatriota.

Lugano estava na Argentina para acompanhar a final da Copa Libertadores – Boca Juniors x River Plate – no momento da demissão. O diretor disse que tentou ligar para o ex-zagueiro, mas não teve sucesso. Vale ressaltar, porém, que uruguaio é superintendente de relações institucionais, não participa das decisões do futebol e não era necessário avisá-lo da demissão. Ainda assim, de acordo com a apuração da coluna, Lugano perdeu força nos bastidores do clube e já está pressionado por conselheiros.

 

Fonte: UOL

Veja como os jogadores do São Paulo se manifestaram após demissão do Aguirre

A demissão de Diego Aguirre do comando técnico do São Paulo, ​anunciada na noite do último domingo (11), é o principal tema dos debates futebolísticos neste início de semana. Para muitos torcedores tricolores, a decisão foi precipitada e não causará o ‘fato novo’ necessário para uma reação tricolor no Brasileirão. Para outros, o uruguaio já tinha perdido o elenco e a decisão da cúpula de futebol veio tardiamente.

De acordo com o ​UOL Esportes, alguns nomes importantes do elenco tricolor fizeram questão de se manifestar nas redes sociais após a saída do comandante, prestando homenagem e agradecendo os meses de trabalho ao lado de Diego Aguirre.

Em sua conta oficial no Instagram, o meia-atacante Everton postou uma foto antiga em que comemora ao lado do treinador, com os seguintes dizeres: “Obrigado professor por tudo, desejo que tenha todo sucesso e que Deus possa te abençoar sempre”.

Cruzeiro v Sao Paulo - Brasileirao Series A 2018

Neste mesmo tom, o jovem volante Luan também demonstrou gratidão ao comandante, lembrando que o uruguaio foi o primeiro a confiar em seu potencial no time principal: “Obrigado professor, por tudo e também por ter me dado a oportunidade e confiança para eu dar os meus primeiros passos no futebol profissional, que Deus te abençoe sempre! Abraço”, postou.

🇾🇪 McLovin Tricolor 🇾🇪@McLovinTricolor

Erro gigante da diretoria do São Paulo em demitir Aguirre.
O treinador tinha carta branca para comandar o time, que a princípio era pra brigar no meio da tabela pelo elenco que tem, mas foi longe demais chegando a brigar pelo título.
Hj chegamos no fim do poço!!

Veja outros Tweets de 🇾🇪 McLovin Tricolor 🇾🇪

 

Aguirre vê São Paulo fora da briga: “Queríamos ser campeões, mas temos que assumir a realidade”

Se o São Paulo chegou a vencer o primeiro turno com três pontos de vantagem sobre o então vice-líder, Internacional, agora se vê nove pontos abaixo do novo primeiro colocado, Palmeiras, e apenas na quarta colocação.

– Obviamente que todos queríamos ser campeões, mas temos que assumir a realidade. E acho que o São Paulo está em um processo de melhora. Ano a ano, vai evoluir. Sinto que ajudamos para que o São Paulo esteja um pouco melhor – comentou o técnico.

Se não se reerguer na classificação, o São Paulo pode mudar uma escrita neste formato do Campeonato Brasileiro. Até hoje, todo time campeão do primeiro turno terminou em primeiro ou em segundo lugar ao final da competição.

Veja abaixo como foi a entrevista coletiva de Diego Aguirre:

Resultado em si
O empate não é bom para nenhum dos dois, mas também acho justo pelo que vi do jogo, momentos de São Paulo, momentos de Flamengo. Tivemos chance de fazer o terceiro gol, depois Flamengo empatou e teve chance clara de fazer mais. Para mim, foi um resultado justo. Não gosto de empatar em casa, porque ficamos longe da primeira posição, mas temos que aceitar.

Atuação do time
Perdemos muitos jogadores importantes por diferentes motivos, da metade do ano até agora. Não são desculpas, mas jogadores que marcavam uma característica importante de velocidade, de contra-ataque. Everton, Militão, Rojas. Este time está sofrendo. Nós estamos tentando aos poucos colocar os meninos que estão bem, que estão respondendo, mas o time mudou a característica, principalmente as características individuais. Carneiro, depois de um ano sem jogar, está mostrando ser uma realidade, mas também acaba sofrendo, pediu para ser substituído. Mesma coisa com Luan. Tivemos que fazer trocas forçadas, que não esperávamos. Os últimos minutos eu não gostei, mas aconteceram coisas que afetaram o real funcionamento.

Sobre Nenê
Não aconteceu nada. Saiu rápido, mas é normal. Todos jogadores querem jogar, são competitivos. Mas nada para falar disso.

Escalação de garotos da base
Tenho liberdade de tomar as decisões. Todos gostamos de ver esses jogadores aparecerem e se tornarem realidade. O Luan é realidade. Tem um crescimento, hoje é um jogador muito importante dentro do time. Tem só 18 ou 19 anos, é uma realidade. Liziero também. Depois, chegou a hora de Helinho, de colocá-lo na equipe. Uma estreia sonhada, com um gol maravilhoso. Mas também vocês viram que ele sofreu, que ele sentiu as exigências de jogar na equipe profissional. Temos que ter calma. O Helinho vai continuar ganhando minutos, mas não podemos de um momento para o outro dar a responsabilidade a esses meninos de coisas tão importantes. Vamos com calma. A mesma ansiedade que tem a torcida, eu também. Gosto de botar os meninos, mas temos que ir com cuidado. A primeira coisa é pensar no melhor para os meninos e para o São Paulo.

Mais sobre a atuação do time
Até surpreendemos no começo, fizemos o gol. Mas uma coisa que falei no vestiário foi que não tivemos… Não sorte. Mas aconteceu que o Flamengo fez logo o gol de empate. Não conseguimos com nossa tática, o Flamengo surpreendeu porque foi imediatamente ao empate. Gostei do time em momentos, mas uma mudança importante pôr contra um adversário muito entrosado pode te fazer sofrer mais. Mas temos que assumir, pelas dificuldades que estamos tendo pela falta de jogadores que não estão.

O São Paulo recuou muito depois do segundo gol, Aguirre?
A sensação pode ser essa. O que eu penso é que num momento bom, depois do gol do Helinho, foi a melhor versão do time no jogo, 10, 15 minutos em que controlamos e tivemos opção de fazer um terceiro gol, que poderia ter sido definitivo. Mas vocês viram: aconteceram mudanças não planejadas. Queria que Carneiro jogasse, estava bem, com muita velocidade. Mas sentiu, não uma lesão, mas a intensidade do jogo. Depois o tornozelo de Luan. Não estava previsto. Fizemos mudanças que tornaram o time um pouco mais sem saída ou sem velocidade na frente. São coisas que acontecem, temos que tentar resolver. Nos últimos minutos, não encontramos uma resposta para contra-atacar ou fazer uma situação de ataque, e a sensação foi ruim.

Fonte: Globo Esporte

Após 2º turno salvador em 2017, São Paulo faz má campanha neste ano

Após ser líder do primeiro turno, o São Paulo ainda tenta entender os motivos que fizeram a equipe despencar tanto de produção na segunda metade do torneio. Com apenas duas vitórias nos 11 jogos do returno, a equipe comandada por Diego Aguirre vem com uma das piores campanhas deste período na competição.

Além dos dois triunfos, contra Bahia e Ceará, o Tricolor paulista acumula outros seis empates e três derrotas desde a 19ª rodada, o que representa 12 pontos conquistados em 33 possíveis, ou um aproveitamento de 36,4%. Com isso, a equipe que foi líder da primeira metade do torneio ocupa apenas a 16ª colocação no returno.

Com essa piora acentuada de aproveitamento e rendimento, a equipe são-paulina já começa a ver o título do Campeonato Brasileiro como um objetivo mais distante, já que hoje a distância para o líder Palmeiras é de nove pontos.

Essa mudança drástica da equipe de um turno para o outro na competição não é algo inédito se tratando de São Paulo. Isso porque no ano passado, o Soberano conseguiu reverter um péssimo primeiro turno, que encerrou inclusive na zona do rebaixamento, com uma segunda metade bastante elogiável.

Após completar as primeiras 19 rodadas com apenas 19 pontos ganhos e a 17ª colocação, o Tricolor Paulista conseguiu se recuperar na segunda parte da competição e terminou o segundo turno do ano passado com a quinta melhor campanha, com 31 pontos, um a menos que o líder do período, a Chapecoense.

A título de comparação com a fraca campanha do returno desta temporada, com 11 rodadas na segunda metade do ano passado a campanha são paulina era de cinco vitórias, três empates e três derrotas, acumulando 18 pontos.

Para provar para o seu torcedor que a equipe não é tão inconstante quanto a do ano passado, a equipe se prepara agora para enfrentar o Vitória, na próxima sexta-feira, no estádio do Barradão.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

São Paulo pode ganhar até cinco reforços para duelo deste final de semana. Veja

Em preparação para o duelo com o Vitória, o São Paulo treinou na chuvosa manhã desta quarta-feira, no CT da Barra Funda. A imprensa teve acesso apenas ao trabalho de aquecimento da penúltima atividade antes da partida válida pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Durante esse período foi possível ver Luan, Joao Rojas e Gonzalo Carneiro participando sem restrições de um treino de dois toques com os demais jogadores. O trio, que foi titular no empate sem gols com o Atlético-PR, havia feito um trabalho separado na última terça em função do desgaste físico.

O único atleta que não apareceu em campo nesta manhã foi Everton. O meia-atacante ficou no Reffis dando sequência em sua recuperação de um estiramento na coxa esquerda. A tendência é que ele perca ao menos os dois próximos jogos do Tricolor – contra Vitória e Flamengo.

Para o confronto com os baianos, aliás, o técnico Diego Aguirre terá Anderson Martins e Bruno Peres novamente à sua disposição – ambos cumpriram suspensão contra o Atlético-PR. O zagueiro, porém, pode perder posição para Arboleda, que agradou no último sábado.

Como o treino tático desta quinta-feira também será fechado, não será possível cravar uma escalação. A expectativa, contudo, é de que Aguirre promova novas mudanças, pois a equipe já amarga uma série de seis jogos sem vitória.

O jejum derrubou o São Paulo do primeiro para o quarto lugar do Brasileirão, com 53 pontos, nove a menos que o líder Palmeiras e apenas um a mais que o Grêmio, quinto colocado. A oito rodadas do fim do torneio, o clube não fala mais em título e admite que a prioridade passou a ser a conquista de uma vaga direta na Copa Libertadores.

5 motivos que explicam a queda enorme do São Paulo nos últimos jogos

O São Paulo conquistou a marca negativa de seis jogos sem vitória e apenas um triunfo nos últimos nove jogos do Campeonato Brasileiro 2018. O que explica a fase ruim do time que faturou o título simbólico do primeiro turno do nacional e era o principal candidato ao título?

Para tentar explicar as razões que provocaram a queda do Tricolor da liderança para quarta posição, o Torcedores.com listou sete fatores que, praticamente, custou a conquista do caneco:

1- Invenções de Aguirre

Se no primeiro turno o técnico Diego Aguirre surpreendeu com testes inesperados e conquistou resultados expressivos, agora elas mais atrapalham do que ajudam a equipe em campo.

Rubens Chiri / saopaulofc.net

No jogo contra o Furacão, por exemplo, o lateral-esquerdo Reinaldo atuou como ponta, por ter feito com dois gols atuando na função no Majestoso, e pouco criou ou assustou os marcadores e foi presa fácil para os marcadores.

Escalado a temporada inteira como centroavante, Diego Souza atuou na função de Nenê para criar e dar velocidade ao time. Porém, sabe-se é que o antigo meia se tornou um camisa 9 devido a pouca mobilidade devido a chegada da idade – 33 anos – e ontem esteve sumido em campo. Carneiro precisou deixar a área para criar e falta o próprio para definir na área.

Araruna é volante de origem, mas vem atuando na lateral-direita improvisado para suprir a carência da posição. Pouco cria e quando consegue chegar ao ataque desperdiça a jogada. Será que não há um garoto no Sub-23 ou Sub-17 capaz de ser testado? Pra que tanto investimento na base e se não há jogadores com chances de serem testados?

2- Fator casa

Antes imbatível no estádio do Morumbi, o Tricolor não soube transformar sua casa em um caldeirão neste segundo turno. A presença da torcida nas partida, inclusive, vinha sendo alta, com mais de 40 mil pessoas por jogo, mas começou a cair conforme o desempenho ruim.

A equipe perdeu pontos valiosos que, literalmente, custou a liderança nos empates contra Fluminense, América-MG, Atlético-PR e na derrota para o Palmeiras.

3- Rendimento individual

O time do São Paulo se destacou no Brasileira pela entrega, futebol coletivo e, principalmente, pela individualidade de Nenê, Diego Souza, Joao Rojas e Reinaldo. Coincidência ou não, muitos deles caíram de qualidade no momento de má fase da equioe:

Paulo Pinto / saopaulofc.net

– Nenê: dono da camisa 10, o meia-atacante era o maestro da equipe de Diego Aguirre e maior responsável por municiar Diego Souza, Everton e Joao Rojas. Atualmente, mal consegue dar sequência num contra-ataque de mano a mano.

– Diego Souza: o faro apurado do centroavante na arrancada do time rumo ao topo do Brasileirão surpreendeu e até cogitava-se novos testes na Seleção. As boas apresentações de Carneiro e Trellez colocam sua titularidade em risco.

– Joao Rojas: considerado o motorzinho da equipe pela direita, a vocação ofensiva do equatoriano ficou de lado na queda do time e nem vem cumprindo suas funções defensivas com efetividade.

– Reinaldo: o lateral-esquerdo se tornou uma das maiores forças ofensivas atuando ao lado de Nenê e Everton. O problema é que a queda de rendimento do camisa 10 e a lesão do meia-atacante fizeram o camisa 14 sucumbir.

4- Lesões

Quando dizem que para ser campeão é preciso de um elenco forte, não é brincadeir. O São Paulo provou ter apenas 11 bons jogadores e desabou na tabela quando precisou de peças para suprir lesões.

Ao longo do segundo turno, Everton pouco jogou por uma série de lesões na coxa esquerda e os testes de Aguirre com Reinaldo improvisado na frente, Everton Felipe e Liziero não surtiram efeito.

Na lateral-direita, Bruno Peres chegou para ocupar a vaga deixada por Eder Militão – vendido ao Porto-POR – e viu um estiramento o deixar de molho por 20 dias decisivos em que o Tricolor jogou de quarta a domingo. Araruna, Hudson e Rodrigo Caio não renderam na função.

Rubens Chiri / saopaulofc.net

5- Pressão por títulos

Sem levantar um trófeu desde 2012, quando faturou a Copa Sul-Americana, o Tricolor vive a angústia de ver rivais terem conquistas anuais e a espera do título brasileiro criou uma atmosfera de que o jejum de quase seis anos iria acabar.

Antes motivo de festa pela torcida Tricolor, a fase “segue o líder” é detestada e causa calafrios. A tendência de mais uma temporada sem conquistas é mais realidade que a chance de o time reverter os seis pontos de diferença para o líder Palmeiras nas últimas oito rodadas.

Com o empate, o São Paulo chega aos 53 pontos, retoma a quarta colocação que estava com o Grêmio, mas corre o risco de terminar a rodada até nove pontos atrás do líder Palmeiras. O time terá a semana livre para treinos, ajustes e encontrar soluções para encerrar a série negativa de seis jogos sem vitória. O Tricolor entra em campo contra o Vitória, na próxima sexta-feira (26), no Barradão, pela 31ª rodada do nacional.

Em má fase, Aguirre pode barrar peça importante do time diante do Atlético-PR

O técnico Diego Aguirre vai fazer substituições no São Paulo para enfrentar o Atlético-PR, sábado, às 19h (de Brasília), no Morumbi. O Tricolor caiu da liderança para a quarta posição, sete pontos atrás do Palmeiras, primeiro colocado. Um dos titulares que corre risco de sair do time é o volante Jucilei.


Jucilei foi titular do São Paulo nos últimos sete jogos, dos quais em seis atuou os 90 minutos e diante do Atlético-MG foi substituído aos 42 minutos do segundo tempo.

Normalmente um dos atletas mais regulares da equipe, Jucilei teve atuação considerada abaixo da média diante do Internacional.

Antes desta sequência, Jucilei ficou fora do São Paulo no empate por 1 a 1 diante do Fluminense, no Morumbi, no dia 2 de setembro, quando estava suspenso.

Aguirre tenta buscar soluções para espantar a má fase do time, sem vencer há cinco partidas. O treinador se reuniu com o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, e a cúpula do futebol tricolor na última segunda-feira, no Morumbi. A derrocada no segundo turno e uma reflexão geral do clube sobre os erros cometidos estavam em pauta.

Um dos candidatos a ganhar chance na equipe titular contra o Furacão é Luan. O volante revelado na base está de volta após defender a seleção brasileira sub-20 em amistosos preparatórios para o Sul-Americano da categoria, em janeiro de 2019.

– Estamos prontos para tentar ajudar o São Paulo, quero dar o meu melhor aqui – disse Luan, em entrevista ao site oficial do clube.

Além de Jucilei, outros titulares na derrota por 3 a 1 para o Internacional correm risco. Liziero, autor do gol do Tricolor no jogo e criticado pela marcação de Nico López no gol de empate, e Nenê, substituído contra Botafogo, Palmeiras e Internacional, também podem perder vagas.

Tréllez (entrou contra Palmeiras e Inter), Gonzalo Carneiro (entrou contra Botafogo, jogo no qual fez gol, Palmeiras e Inter), Everton Felipe (tem sido elogiado pelo rendimento nos treinamentos) e o garoto Antony brigam por vagas.

De qualquer maneira, Aguirre não terá Anderson Martins e Bruno Peres (suspensos). Arboleda (de volta da seleção do Equador) e Rodrigo Caio são os favoritos para as vagas – Araruna se recuperou de uma contratura e também é opção. Everton, com estiramento na coxa esquerda, é outro desfalque.

Apesar das mudanças, Aguirre deverá manter Jean como goleiro. A ideia do São Paulo é dar uma sequência ao novo titular nesta reta final do Brasileirão.

Reinaldo, por sua vez, teve carga de treino mais leve na última quarta-feira, pois está com desgaste físico. Se não tiver problemas, o lateral-esquerdo vai para o jogo.

 

Fonte: Globo Esporte

Com Sidão no sub-23, Aguirre faz testes em jogo-treino no São Paulo

Após ser derrotado pelo Internacional no último domingo, o São Paulo se reapresentou na manhã desta terça-feira. Em um jogo-treino entre os reservas e o time sub-23, o técnico Diego Aguirre deu indícios de mudanças para o duelo com o Atlético-PR, no próximo sábado, no Morumbi.

O goleiro Jean foi o único titular do revés em Porto Alegre que participou da atividade. Sidão defendeu a equipe de aspirantes e deverá seguir no banco contra o Furacão. Os demais titulares correram em campo e depois complementaram os exercícios regenerativos na academia do CT da Barra Funda.

Com Bruno Peres suspenso, Aguirre testou Araruna na lateral direita durante o primeiro tempo do jogo-treino. O volante, recuperado de uma contratura na coxa direita que o tirou dos últimos quatro jogos, virou opção para ocupar o setor diante dos paranaenses.

Já Arboleda, que está a serviço da seleção equatoriana, deve se reapresentar na quinta-feira. Ele disputa a vaga de Anderson Martins, expulso no último domingo, com Rodrigo Caio.

Dessa forma, com Jean no gol, o time reserva começou o jogo-treino com Araruna, Rodrigo Caio, Edimar e Caíque; Shaylon, Antony, Everton Felipe e Brenner; Gonzalo Carneiro e Tréllez. Com essa formação, o primeiro tempo terminou empatado sem gols.

Na volta para a etapa final, Aguirre promoveu as entradas dos zagueiros Igor Moraes e Alisson nas vagas de Brenner e Antony. Assim, Rodrigo Caio foi deslocado para a lateral direita e Edimar para a esquerda, enquanto Caíque foi adiantado para a ponta esquerda. Sidão, por sua vez, deu lugar a Lucas Perri.

Atuando como volante, sua posição original, Araruna abriu o placar de cabeça para os considerados reservas. Pouco depois, após tabelar com Helinho, Rodrigo Caio deixou Everton Felipe na cara do gol para ampliar a vantagem.

Com os titulares à disposição, o São Paulo volta a treinar na tarde desta quarta-feira, quando Aguirre poderá fazer novas experiências visando ao duelo com o Atlético-PR. O Tricolor, que não vence há cinco jogos, caiu do primeiro para o quarto lugar, com 52 pontos, sete a menos que o líder Palmeiras.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

Desfalques e falta de opções podem levar Aguirre a promover estreia no SP

Não anda muito fácil a vida de Diego Aguirre à frente do São Paulo. Depois de alcançar a liderança e se manter na ponta por um bom tempo, ​o time desandou a tropeçar e já está a sete pontos de distância do Palmeiras, o atual primeiro colocado do Campeonato Brasileiro. A necessidade de mudanças para voltar a vencer urge cada vez mais, mas a tarefa não é tão simples.

Para o jogo com o Atlético-PR, no próximo sábado no Morumbi, o treinador uruguaio corre o risco de não ter opções para a zaga no banco de reservas. Como o plantel só dispõe de quatro atletas para a posição, o cobertor é curto. Anderson Martins está suspenso, assim como o lateral Bruno Peres​. A saída vai ser improvisar Rodrigo Caio na direita e compor o miolo da defesa com Arboleda e Bruno Alves. E quem fica de suplente? Talvez a solução seja um garoto, que ainda sequer estreou entre os profissionais: o jovem Rodrigo.

rod

Capitão da equipe sub-20 na Copa RS, o defensor de 1,89m foi o responsável por erguer a taça após a final contra o Palmeiras. Ele também recebeu o troféu na Copa do Brasil Sub-20 de 2018, após a decisão contra o Corinthians. Aos 20 anos de idade, já esteve relacionado para as partidas com Atlético-MG e Bahia, mas jamais foi utilizado, uma vez que ainda não faz parte do elenco principal em definitivo. Com vínculo até 2021, Rodrigo é visto como uma joia a ser lapidada e conta com muito prestígio dentro do clube.

Entre suspensão e improviso, Aguirre pode ficar sem zagueiros no banco

O São Paulo vive uma espécie de dilema para o jogo do próximo sábado contra o Atlético-PR, no Morumbi: os principais zagueiros do elenco terão de ser colocados à prova em campo, não deixando opções para o banco de reservas. Rodrigo Caio, inclusive, pode jogar de lateral. Com isso, o técnico Diego Aguirre pode usar o garoto Rodrigo, de 20 anos, como opção entre os suplentes.


Os quatro zagueiros do elenco profissional são: Anderson Martins, Bruno Alves, Arboleda e Rodrigo Caio. Martins foi expulso em jogo contra o Internacional, no último domingo e, por isso, cumpre suspensão. Bem como o lateral-direito Bruno Peres, sancionado por acúmulo de amarelos.

Dessa maneira, é muito provável que Aguirre opte por colocar Rodrigo Caio na lateral. Arboleda também pode fazer a função. Quem sobrar, compõe a zaga ao lado de Bruno Alves. Não restando, portanto, opções para o banco de reservas. O treinador deve indicar os planos para o jogo a partir desta terça-feira, quando elenco se reapresenta pela manhã no CT da Barra Funda.

No mês passado, o garoto Rodrigo, da base, ficou no banco do profissional nos jogos contra Atlético-MG e Bahia. Portanto, embora não faça parte do plantel principal, é possível que ele esteja novamente entre os relacionados para não deixar uma lacuna entre os suplentes.

Recentemente, o garoto renovou seu contrato com o Tricolor até dezembro de 2021 e, aos poucos, garantem mais rodagem para poder ser utilizado por Diego Aguirre no elenco principal. O São Paulo é o quarto colocado do Brasileirão, com 52 pontos e não vence desde a 24ª rodada. O duelo contra o Furacão é válido pela 30ª rodada.

 

Fonte: Lance

Queda de rendimento deixa renovação de Aguirre no São Paulo indefinida

Em agosto, Diego Aguirre estava em alta no São Paulo. Com o time na liderança do Campeonato Brasileiro, o clube cogitava abrir conversa com o treinador sobre a renovação do seu contrato, que vence no fim desta temporada. Os entraves pareciam ser um eventual convite para assumir a seleção uruguaia e o provável assédio de alguma equipe do exterior. No entanto, no segundo turno da competição, o Tricolor perdeu rendimento e, consequentemente, o primeiro lugar na tabela. Com isso, o futuro do técnico no Morumbi passou a ficar indefinido.

Segundo apurou o UOL Esporte, é consenso entre o departamento de futebol e o próprio treinador que agora não é o momento para se discutir a renovação do vínculo. Afinal, a ideia é unir forças para fazer o São Paulo se recuperar e brigar pelas primeiras colocações. Porém, a permanência do uruguaio no cargo em 2019 também passa pelo desempenho que a equipe vai apresentar nesta reta final do Brasileirão.

Caso o time não consiga uma vaga para a Copa Libertadores, dificilmente Aguirre vai renovar o seu contrato. Aliás, se o time não ficar entre os primeiros colocados no nacional e não garantir a vaga no torneio continental, o próprio uruguaio não deverá querer permanecer no São Paulo. Segundo pessoas próximas, ele sabe que a sua situação no clube ficaria muito fragilizada nesta hipótese.

Até mesmo por causa do seu início de trabalho convincente, Aguirre tem muito mais crédito do que seus antecessores no São Paulo. Por isso, a situação do treinador não é ainda mais preocupante. Mesmo assim, há os mais radicais dentro do clube que cobram uma recuperação imediata do time e não descartam até a possibilidade de uma troca no comando ainda neste Brasileiro caso a equipe não se recupere.

Depois de fechar a primeira metade do nacional na liderança, com 41 pontos e 71,9% de aproveitamento, a situação mudou. No segundo turno, o time se perdeu. Em dez partidas, a equipe somou apenas 11 pontos, com aproveitamento de 36,6%, 14ª melhor marca do returno. Na classificação geral, o Tricolor é o quarto, com 52 pontos – sete a menos do que o líder Palmeiras.

Desta maneira, o resultado na próxima rodada, contra o Atlético-PR, no sábado (20), no Morumbi, pode fazer o São Paulo e Aguirre mudarem seus planos. Afinal, a distância para o líder Palmeiras pode aumentar, e o risco de perder um lugar na Libertadores também começaria a ficar mais real.

 

Fonte: UOL