Patryck e Talles são campeões do Mundo Sub-17

Os são-paulinos Patryck e Talles entraram para a lista de campeões mundiais Sub-17. Os garotos #MadeInCotia fizeram parte da equipe brasileira que venceu a Copa do Mundo na noite deste domingo (17), ao superar o México de virada por 2 a 1, gols feitos por Caio Jorge e Lazaro, em Gama (DF).

A dupla se junta a outros quatro são-paulinos que foram campeões do Mundial juvenil: Andrey, em 1997, Leandro Alves, em 1999, Bruno e Arthur, em 2003.

Patryck, lateral-esquerdo, foi titular da equipe em todas as partidas e fez um gol, diante da Itália nas quartas de final. Talles começou a competição entre os titulares e também foi nome importantíssimo da equipe. O atacante Juan, convocado para o Mundial, foi desconvocado por conta de uma lesão muscular.

Já o técnico brasileiro, Guilherme Dalla Déa, também passou pela base Tricolor. Pelo São Paulo, o treinador venceu a Copa Votorantim Sub-15 (2013 e 2014) e o Campeonato Paulista Sub-15 (2014).

A Seleção levou o troféu com 100% de aproveitamento: vitórias sobre Canadá (4×1), Nova Zelândia (3×2) e Angola (2×0) na primeira fase; Chile (3×2) nas oitavas de final; Itália (2×0) na quartas e França (3×2) na épica semifinal.

Ao todo, contando com 2019, 32 atletas do São Paulo foram listados para jogar o Mundial Sub-17. O primeiro chamado foi Ivan, lateral-esquerdo, para a disputa da Copa do Mundo de 1985. Já na última edição, em 2017, quatro tricolores foram convocados: o lateral Weverson, o atacante Brenner e os meio-campistas Rodrigo Nestor e Helinho – esse último foi convocado após lesão Vinícius Junior, então jogador do Flamengo.

saopaulofc.net

Anúncios

Com Cristiane, Seleção Brasileira vence a Itália e avança na Copa do Mundo Feminina

Nesta terça-feira (18), a Seleção Brasileira de Cristiane – atleta representante do Tricolor na Copa do Mundo Feminina – garantiu a classificação para a próxima fase da competição ao vencer pelo placar de 1 a 0, com gol marcado por Marta. Artilheira do Brasil, Cris não balançou as redes na partida.

Precisando de um empate para se garantir na fase seguinte, a seleção iniciou a partida com Cristiane entre as titulares e lutou para buscar a vitória desde o primeiro minuto. Cris teve boa atuação mas não conseguiu balançar as redes como nas outras partidas. Aos 19 minutos da segunda etapa, a atacante foi substituída por não estar em condições físicas para aguentar os 90 minutos.

A Seleção Brasileira encerra a primeira fase na terceira colocação do Grupo C, com seis pontos, atrás da França e Austrália, pelo saldo de gols. Agora, Cristiane aguarda, junto com suas companheiras de seleção, o fim da terceira rodada da primeira fase para conhecer a adversária do mata-mata.

Fonte: saopaulofc.net

Cristiane brilha e torcedores do São Paulo pedem atacante na equipe de Cuca; veja a repercussão

Pior ataque do Brasil entre os clubes da Série A em 2019, o São Paulo vem sofrendo com a ausência de presença decisiva em seu comando ofensivo. Contudo, os torcedores tricolores “propuseram” uma solução caseira para o técnico Cuca. De forma irônica, os internautas lotaram o Twitter para pedir a escalação da atacante Cristiane no time masculino, após a atleta marcar gols na vitória da Seleção Brasileira diante Jamaica, pela Copa do Mundo Feminina, neste domingo (9).

Jogadora da equipe feminina do São Paulo, Cristiane foi requisitada pelos torcedores para figurar no ataque Tricolor substituindo por exemplo o atacante Alexandre Pato.

LEIA TAMBÉM: Cuca lamenta sequência ruim: ‘ A autoconfiança não está em dia’

“Cuca reclamando que não tem uma referência no ataque.. olha a Cristiane aí pô!!!” – escreveu um internauta.

“Solução para o Cuca acabar com o jejum de gols so SPFC é escalar a Cristiane. Ela é melhor do que todos os atacantes atuais do time juntos” – disse outro torcedor.

 

 

 

Fonte: Torcedores.com

PARABÉNS! Cristiane é convocada para a Copa do Mundo, na França

Na manhã desta quinta-feira (16), o técnico Vadão convocou a Seleção Brasileira para a disputa da Copa do Mundo, que acontecerá na França, a partir de 7 de junho. O Tricolor estará muito bem representado pela atacante Cristiane, que defenderá o Brasil pela quinta vez no Mundial, em busca do título inédito para o país.

No São Paulo desde o início da temporada, a atacante quer continuar escrevendo sua história vitoriosa com a camisa do Brasil. Com duas medalhas olímpicas de prata (2004 e 2008) e uma do Mundial de 2007, Cristiane também chegou a ser indicada ao prêmio de melhor do mundo.

Cris ainda é a maior goleadora entre homens e mulheres dos Jogos Olímpicos, com 14 gols. Ela também está na terceira posição entre os artilheiros históricos da Seleção, atrás de Marta e Pelé, com a marca de 83 gols pelo Brasil.

A Seleção Brasileira Feminina fará a preparação para a Copa do Mundo da França em Portimão, na região de Algarve, Portugal. A escolha do local foi feita visando à aclimatação da equipe, levando em conta a temperatura no país europeu e o fuso horário. A comissão técnica e as jogadoras chegarão no dia 22 de maio e ficarão até o 5 de junho, quando viajarão para Grenoble, França, cidade da estreia diante da Jamaica, no dia 9.

A Seleção usará como base o Centro de Treinamento do Portimonense Sporting Clube. Durante a Copa do Mundo, a Seleção Feminina mudará de cidade de acordo com a programação de jogos.

No dia 9 de junho, o Brasil enfrentará a Jamaica, em Grenoble. No dia 13, a Seleção terá pela frente a Austrália, em Montpellier. A equipe conclui a participação na fase de grupos diante da Itália, em Valenciennes, no dia 18.

Outras jogadoras do São Paulo estiveram em Copas do Mundo nos últimos anos. Em 1999, foram convocadas Maravilha, Nenê, Kátia Cilene, Suzana, Juliana Cabral, Raquel e Andreia. Formiga, que esteve no São Paulo em 1997 a 1999, fará sua sétima Copa do Mundo com a camisa verde-amarela, em busca da conquista inédita ao lado de Cristiane.

 

Fonte: saopaulofc.net

Ridicularizado por ex-presidente, Morumbi recupera status de Copa

Em entrevista ao blog do Menon, em maio de 2014, o então presidente do São Paulo, Carlos Miguel Aidar, classificou o Morumbi como “velho”, previu que só partidas do Tricolor seriam realizadas por lá e o comparou ao Canindé. Pouco mais de quatro anos após ser escanteado da Copa do Mundo, o clube conseguiu recuperar o status do estádio, que será palco da abertura da Copa América de 2019 e terá o seu primeiro jogo neste domingo, às 17h, contra o Flamengo, com a possibilidade de o torcedor chegar de metrô.

Sob a gestão de Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, a partir de outubro de 2015, o São Paulo programou algumas reformas pontuais. A sala de imprensa, por exemplo, foi totalmente remodelada em 2017, assim como o auditório para as coletivas de imprensa e a zona mista. Outra mudança avaliada de maneira positiva foi a substituição do Habib’s pela Team Eventos na comercialização de alimentos durante as partidas, agilizando o serviço.

A capacidade de 66 mil pessoas, superior as das arenas do Palmeiras e do Corinthians, é um fator que pesou muito a favor para a escolha do Morumbi para a realização de shows neste período, como os de U2 e Bruno Mars, em 2017, e para a abertura da Copa América. Neste últimos dois anos, o clube também teve as suas melhores médias de público na história, com mais de 30 mil pessoas por partida.

As obras devem seguir, principalmente depois do término do Campeonato Brasileiro – para que nenhum jogo do time profissional precise ser realizado em outro lugar. O clube vai modernizar os vestiários e mudar a rampa que dá acesso ao campo, para fazer com que os jogadores das duas equipes acessem juntas o gramado. Para tanto, não será necessário gastar, pois a diretoria vai utilizar o patrocínio da Ambev para reforma.

Para receber a competição de seleções, o Tricolor paulista também trocará os refletores, instalará a sala de VAR (árbitro de vídeo), ampliar as tribunas de imprensa, melhorar a rede sem fio de internet e instalar uma sala de tradução simultânea. O clube deve utilizar também verba de patrocínios ou permutas para tais obras. O único período previsto para que o estádio não seja utilizado pela equipe é 30 dias antes da Copa América, quando ficará à disposição da Conmebol.

 

Fonte: UOL

Tricolor repete arrancada de times campeões após parada da Copa do Mundo

A arrancada do São Paulo após a parada da Copa do Mundo é digna de campeão brasileiro. Com 22 pontos somados em nove partidas, o time do técnico Diego Aguirre repetiu marcas similares às obtidas por times vencedores na era dos pontos corridos.

Nos dois últimos anos, isso aconteceu com Palmeiras e Corinthians. A equipe alviverde teve exatamente o mesmo aproveitamento na sua melhor fase do Brasileirão 2016. Na ocasião, a arrancada palmeirense se deu já na reta final do campeonato, ao contrário do time alvinegro, que abriu frente já nas primeiras rodadas da última edição – os corintianos somaram 25 pontos no melhor momento na competição.

O próprio São Paulo conseguiu ser campeão por meio de arrancadas. As duas mais incisivas ocorreram em 2007 e 2008, anos em que o clube se mostrou hegemônico na competição. Nas duas edições, o time de Muricy Ramalho conseguiu emendar 25 pontos somados em nove jogos. Há 11 anos, a boa campanha aconteceu exatamente nas mesmas rodadas da atual.

Todos os times campeões brasileiros nos pontos corridos chegaram ao título depois de vitórias seguidas. O Cruzeiro, por exemplo, conquistou os títulos de 2003 e 2013 com arrancadas de 25 pontos em nove confrontos (oito vitórias e um empate). Santos (2004), Flamengo (2009) e Fluminense (2012) levantaram a taça com a mesma receita. O trio, inclusive, somou menos pontos que o São Paulo de Aguirre nas suas melhores fases no torneio [veja abaixo].

Desde que o Brasileirão 2018 voltou a ser disputado, o São Paulo venceu sete partidas, com um empate com o Paraná e uma derrota para o Grêmio em Porto Alegre, quando chegou a sair na frente do adversário. No mesmo período, o Flamengo, que era o líder antes da Copa, somou 14 pontos. O Inter, atual segundo colocado, conquistou 20.
O São Paulo volta a campo no próximo domingo depois de derrotar o Ceará por 1 a 0 no último fim de semana, no Morumbi. A partida contra o time do Rio será novamente no estádio são-paulino, às 16h, em jogo válido pela 22ª rodada do Brasileirão.

Confira algumas arrancadas de campeões:
Corinthians (2017)
25 pontos entre as 2ª e 10ª rodadas
9 jogos, 8 vitórias e 1 empate

Palmeiras (2016)
22 pontos entre as 26ª e 34ª rodadas
9 jogos, 7 vitórias, 1 empate e uma derrota

Cruzeiro (2013)
25 pontos entre as 15ª e 23ª rodadas
9 jogos, 8 vitórias e 1 empate

Fluminense (2012)
21 pontos entre as 14ª e 22ª rodadas
9 jogos, 6 vitórias e 3 empates

Corinthians (2011)
25 pontos entre as 1ª e 9ª rodadas
9 jogos, 8 vitórias e 1 empate

Flamengo (2009)
22 pontos entre as 30ª e 38ª rodadas
9 jogos, 7 vitórias, 1 empate e uma derrota

São Paulo (2008)
25 pontos entre as 27ª e 35ª rodadas
9 jogos, 8 vitórias e um empate

São Paulo (2007)
25 pontos entre as 13ª e 21ª rodadas
9 jogos, 8 vitórias e 1 empate

Santos (2004)
21 pontos entre as 38ª e 46ª rodadas
9 jogos, 6 vitórias e 3 empates

Cruzeiro (2003)
24 pontos entre as 29ª e 37ª rodadas
9 jogos, 8 vitórias e uma derrota

Tricolor pode repetir escalação pela primeira vez no Campeonato Brasileiro após a Copa do Mundo

O São Paulo enfrenta a Chapecoense, neste domingo, às 19h, no Morumbi. E pela primeira vez após a Copa do Mundo, o técnico Diego Aguirre pode repetir uma escalação, já que conta com todo o elenco à disposição.

O uruguaio não divulgou o time que vai a campo no Morumbi, mas é provável que a escalação seja a seguinte: Sidão; Bruno Peres, Arboleda, Anderson Martins e Reinaldo; Jucilei, Hudson e Nenê; Everton, Rojas e Diego Souza.

Essa formação é a mesma que venceu o Sport por 3 a 1, na última rodada do Brasileirão, fora de casa.

A dificuldade de Diego Aguirre em repetir a equipe tem relação com o fato de o São Paulo ser um dos times mais indisciplinados do campeonato. O Tricolor é o terceiro time mais advertido do campeonato, com 52 cartões amarelos, ficando atrás apenas de Palmeiras (57) e Vitória (56).

Com as constantes suspensões, Aguirre promoveu jogadores da base para o grupo profissional, casos do volante Luan e do zagueiro Lucas Kal.

Neste domingo, a preocupação com os pendurados continua. Everton, Jucilei, Liziero, Regis e Nenê entram em campo para enfrentar a Chapecoense com dois cartões amarelos.

O São Paulo lidera o Brasileirão com 38 pontos, e diante da Chapecoense, tem a possibilidade de encerrar o primeiro turno com o título simbólico da competição nacional.

O São Paulo nas últimas Copas do Mundo

O Site Oficial, finalizando uma série especial de um mês sobre a relação do São Paulo, jogadores, técnicos e dirigentes do clube, com a Copa do Mundo, retrata as edições de 2014 e 2018.
A COPA DO MUNDO DE 2014

A edição da Copa realizada no Brasil não contou com um atleta são-paulino sob as cores da seleção nacional. Alan Kardec esteve presente na lista de espera, de sete nomes, na convocação do técnico Luiz Felipe Scolari. Dois jogadores do plantel principal da equipe convocada tinham passagem pelo time profissional do São Paulo: Hernanes e Oscar (David Luiz, Victor e Hulk somente em categorias de base).

Se na equipe canarinho não houve jogador do Tricolor ativo, o mesmo não pode ser dito da Seleção do Uruguai. A Celeste levou para a Copa do lateral esquerdo Álvaro Pereira, atleta são-paulino desde o início de 2014. Pela equipe uruguaia, Álvaro fez três jogos na Copa do Mundo (vitórias contra Inglaterra e Itália, e a derrota para a Colômbia, nas oitavas de final). O time uruguaio também contou, novamente, com o ex-são-paulino Diego Lugano.

Como em 1950, quando o Tricolor hospedou a seleção do Uruguai na sede do Canindé, o São Paulo recepcionou duas equipes nas dependências do clube. A Seleção Colombiana, que alcançou as quartas de final da competição, se hospedou no Centro de Formação de Atletas “Presidente Laudo Natel”, em Cotia. Já a Seleção dos Estados Unidos, que avançou até as oitavas de final, foi recebida no Centro de Treinamento “Frederico Antônio Germano Menzen”, na Barra Funda.

A COPA DO MUNDO DE 2018

Foto: Divulgação/ Site Oficial

A Seleção Brasileira mais uma vez não contou com nenhum atleta são-paulino entre os 23 que disputaram a Copa. O tricolor Rodrigo Caio figurou na relação de nomes reservas, da lista de 35 jogadores, somente. Apesar disso, o torcedor são-paulino teve alguns nomes de grande identificação nessa seleção: Casemiro, meio-campista revelado pelo Tricolor, e Miranda, zagueiro tricampeão brasileiro pelo time do Morumbi entre 2006 e 2008. O terceiro goleiro, Ederson, também teve uma passagem rápida pelas categorias de base do clube.

Por outro lado, como em 2014, a Copa da Rússia contou com um atleta do São Paulo em campo defendendo outra seleção, que não a brasileira. O meio-campista Cueva participou da edição 2018 atuando com as cores do time do Peru. O jogador participou de três partidas, tendo atuado 262 minutos ao todo.

No primeiro jogo, contra a Dinamarca (0 a 1), Cueva sofreu um pênalti, mas errou a cobrança. Na segunda partida, pouco pode fazer contra a equipe da França, posterior finalista da competição (0 a 1), sendo substituído aos 37 minutos do segundo tempo por Ruidíaz. Por fim, na rodada final da primeira fase, contribuiu com um passe para gol (que sofreu desvio e não foi contabilizado oficialmente pela FIFA) na vitória da seleção peruana sobre a australiana (2 a 0).

 

saopaulofc.net

Pausa para a Copa do Mundo rende mais opções de elenco ao Tricolor

A comissão técnica do São Paulo está satisfeita com o resultado das semanas de treinamento durante a pausa da Copa do Mundo. Além dos reforços contratados, o técnico Diego Aguirre poderá contar também com jogadores liberados pelo DM.

Contratado em abril e ainda sem nenhuma partida oficial pelo Tricolor, Carneiro é o principal exemplo. No período da folga do elenco, o atacante voltou a treinar para aprimorar a parte física e deve ser relacionado por Aguirre para o jogo contra o Flamengo, na quarta-feira, no Maracanã.

Morato é outro que está à disposição depois de um trabalho mais intenso de recuperação no último mês.O atacante será emprestado para o time de aspirantes, para disputar alguns jogos e ganhar ritmo antes de voltar a ser utilizado no profissional.

E, por último, Edimar, que se recuperou de entorse no joelho, pode voltar a ser opção para a lateral esquerda. Ele também pode atuar improvisado como zagueiro.

Rodrigo Caio continua sendo desfalque. O zagueiro está em recuperação de cirugia no pé esquerdo e não tem previsão de retorno. Existe a expectativa ainda de que ele seja negociado. Mas, caso isso não aconteça, ele ficará à disposição de Aguirre.

Régis,que foi afastado por problemas pessoais, voltou a treinar, mas é um caso à parte. O lateral vai seguir por um tempo em recuperação física e, não deve voltar a campo por enquanto.

Os reforços

Rojas, contratado do Talleres, da Argentina, fará sua estreia contra o Flamengo, na quarta-feira, no Rio de Janeiro. O meia-atacante chegou para ser titular e treinou como tal desde que chegou ao Tricolor.

Já Bruno Peres vai demorar um pouco mais a estrear. O lateral precisa fazer um trabalho de pré-temporada para estar em condição de ser relacionado por Aguirre.

Bruno Peres e Rojas serão apresentados oficialmente na próxima segunda-feira, no CT da Barra Funda.

O São Paulo na Copa do Mundo de 1998

A Copa do Mundo de 1998, realizada na França, foi a primeira a contar com 32 equipes, divididas em 8 grupos, na fase principal. Novidade também foi o fato de não haver mais sedes fixas: todos os times teriam que viajar pelo país anfitrião desde o primeiro jogo.


Outras mudanças no regulamento iam da implementação do gol de ouro (ou morte súbita) nas prorrogações dos jogos, ao aumento do número de substituições permitidas (de duas, para três).

174 seleções nacionais se inscreveram para a disputa das 30 vagas oferecidas nas eliminatórias da Copa. Não houve grande surpresas entre as excluídas nessa fase. As equipes estreantes, bem sucedidas na classificatória, foram África do Sul, Croácia, Jamaica e Japão. As três últimas, curiosamente, caíram em um mesmo grupo da fase principal.

A Croácia, por sinal, foi a maior surpresa do torneio: Avançou às oitavas como segunda colocada do grupo, eliminou depois Romênia e Alemanha e só caiu, nas semifinais, para os futuros campeões da França, de virada. Terminaram na terceira colocação geral, contando ainda com o artilheiro do torneio: Suker. Outro fato bem inesperado foi a eliminação, logo na fase inicial, de Espanha e Bulgária, para Nigéria e Paraguai, no Grupo D.

O Brasil era o maior favorito à conquista do título. A Seleção Brasileira havia vencido, pouco antes, a Copa América e a Copa das Confederações. Mas o caminho até a final não foi fácil. O time brasileiro, ainda na primeira fase, perdeu para a Noruega, por 2 a 1 (em toda a história, o Brasil nunca conseguiu vencer os noruegueses). Na semifinal, somente superou a Holanda nos pênaltis, após empate em um gol.

Na decisão, pouco antes da partida, o atacante Ronaldo sofreu uma convulsão e foi hospitalizado temporariamente. Edmundo chegou a ser anunciado como titular, no lugar do camisa 9, na escalação enviada à mídia. Contudo, o técnico Zagallo voltou atrás e enviou Ronaldo ao campo. A França impiedosamente venceu o Brasil por 3 a 0, com dois gols de Zidane, e sagrou-se campeã do mundo pela primeira vez.

OS SÃO-PAULINOS

Denilson e Aristizábal (ao fundo) disputaram a Copa de 1998

Na França, os tricolores vice-campeões mundiais foram Denílson e Zé Carlos. O São Paulo contou ainda com Aristizábal, na Seleção da Colômbia.

Denílson, jovem promessa do futebol cuja transferência para o Bétis, da Espanha, renderia valores recordes, esteve em campo nos sete jogos do Brasil vestindo a camisa 19 (foi titular somente contra a Noruega). Pelo Tricolor foram 192 jogos e 26 gols. Ele foi ainda campeão da Copa Conmebol de 1994, da Master Conmebol de 1996 e Paulista de 1998.

Zé Carlos foi uma “revelação” tardia do futebol nacional que alcançou o ápice da carreira ao disputar a semifinal da Copa contra a Holanda, a única partida do camisa 13 na competição. Após passar pela segunda divisão paulista, onde jogava na Matonense, Zé Carlos foi campeão paulista de 1998 pelo São Paulo, chamando a atenção de Zagallo, que o convocou à Copa para substituir Flávio Conceição, que fora cortado por contusão. No Tricolor, o lateral teve 72 jogos e 2 gols.

O colombiano Aristizábal infernizou as defesas adversárias do Tricolor no final dos anos 90, ao lado de França e Dodô. As atuações dele levaram-no à Copa do Mundo da França, onde esteve em campo, com a camisa nº 15, nas três partidas que a Colômbia tomou parte, mas somente na derrota para a Romênia, por 1 a 0, foi titular. Na vitória contra a Tunísia, por 1 a 0, e na derrota para a Inglaterra, por 2 a 0, o atacante entrou no decorrer da partida, no segundo tempo, não chegando a marcar gols. No grupo “G” da competição, a Colômbia terminou em terceiro lugar, atrás de Romênia e Inglaterra, sendo assim eliminada. Aristizábal, depois da Copa, deixou o Tricolor, onde fez 37 gols em 79 jogos, e passou a atuar no Santos.

O São Paulo poderia ter contato com outro jogador defendendo a Seleção no torneio realizado na França. Márcio Santos foi convocado por Zagallo para competição, mas foi cortado, posteriormente, devido a uma contusão, sendo chamado, no lugar dele, André Cruz.

Outros jogadores que tiveram passagem pelo Tricolor, naquela Copa do Mundo de 1998: Leonardo, então atleta do Milan; Cafu, da Roma; Junior Baiano, do Flamengo; e Doriva, do Porto.

Sem render o esperado, Cueva volta menos valorizado do que se imaginava

Há dois meses sem atuar pelo São Paulo, Cueva se reapresentou no CT da Barra Funda após o fracasso na Copa do Mundo. Com atuações abaixo do esperado, o atleta voltou menos valorizado do que se imaginava. No primeiro semestre, o Tricolor recusou uma proposta da China superior a 7 milhões de euros (R$ 27,8 milhões na época). Nesta segunda-feira (10), o jornal Olé, da Argentina, publicou que o Independiente ofereceria US$ 6,5 milhões (aproximadamente R$ 25 milhões) pelo peruano.

O São Paulo e os empresários de Cueva tinham a certeza de que a Copa do Mundo seria o palco ideal para um negociação vantajosa para o jogador e o clube. Porém, o Mundial não foi tão positivo quanto o esperado. O meio-campista perdeu pênalti na derrota para a Dinamarca e foi eliminado com sua seleção ainda na primeira fase.

O valor estipulado pelo camisa 10 sempre foi de 8 milhões de euros (R$ 36,07 milhões) e, agora, o objetivo chega perto dos US$ 10 milhões (R$ 38,45 milhões). A diretoria do São Paulo tem tranquilidade no momento por crer que a situação tem sido tocada com transparência por todos os envolvidos.

O treinador Diego Aguirre admitiu que a expectativa é de que Cueva seja negociado, ainda mais com o trio Nenê, Everton e Diego Souza dominando o setor ofensivo. Com o meio-campo titular em alta, o peruano terá de provar seu valor para reassumir o posto de titular.

Cueva retorna ao Tricolor, mas ainda segue com futuro indefinido

A reapresentação de Cueva no São Paulo está programada para a próxima segunda-feira. O meia está longe do Tricolor desde a vitória por 1 a 0 sobre o Rosario Central, em jogo que marcou a classificação do time à segunda fase da Copa Sul-Americana, no dia 9 de maio.

Cueva foi liberado para acompanhar o nascimento de seu filho e depois se apresentou à seleção peruana, pela qual disputou a Copa do Mundo. De volta ao Tricolor, o camisa 10 não saberá ainda qual o seu futuro. A expectativa da diretoria Tricolor era negociar Cueva por conta da participação do meia na Copa do Mundo, mas até o momento nenhuma proposta oficial chegou ao clube.

O técnico do Independiente disse que Cueva é a prioridade da lista de contratações do clube argentino, em entrevista para o site do jornal peruano “Libero”. Segundo Ariel Holan, as negociações já começaram, mas Ricardo Rocha negou a informação.

Cueva tem contrato com o São Paulo até 2021, mas está sem clima no elenco depois de alguns problemas de indisciplina. O jogador também tem interesse em deixar o Tricolor. No clube, caso ele não seja negociado, a expectativa passa a ser ele estar disposto a compor o elenco e ser uma opção a Nenê, um dos principais jogadores do time.

O técnico Diego Aguirre utilizou Cueva em apenas sete partidas até o momento, porém, abriu as portas para o meia, mas deixou claro recentemente que o São Paulo ainda tem a intenção de vender o peruano.

Tabu que se mantém: Brasil nunca foi campeão do mundo sem jogadores de Palmeiras e São Paulo

A eliminação da seleção brasileira contra a Bélgica, na Copa do Mundo, reforçará um histórico tabu que envolve São Paulo e Palmeiras.

Isso por que o Brasil nunca conseguiu ser campeão do Mundial sem pelo menos um jogador de cada um destes dois clubes em seu elenco.

Em 1958, o atacante Mazzola representou o time alviverde enquanto o zagueiro Moaxir, o lateral De Sordi e o meia Dino Sani eram do tricolor paulista. Em 1962, Djalma Santos, Zequinha e Vavá eram os atletas palestrinos, enquanto Bellini e Jurandir eram são-paulinos.

No esquadrão de 1970, o goleiro Emerson Leão e o zagueiro Baldocchi representaram o Palmeiras, enquanto o meia Gerson, o São Paulo.

No tetra, em 1994, o lateral Leonardo e o atacante Muller pertenciam à equipe tricolor, enquanto Mazinho, ao alviverde.

Finalmente, no pentacampeonato de 2002, Rogério Ceni, Beletti e Kaká eram atletas do São Paulo, enquanto o goleiro titular Marcos era jogador do Palmeiras.

Ex-São Paulo é cotado para assumir a seleção da Argentina

​Eliminado das oitavas de final da Copa do Mundo pela França, a Argentina começa a se planejar para os próximos anos. O primeiro passa é achar um substituto para o treinador Jorge Sampaoli, que deve deixar a seleção.

FBL-WC-2018-MATCH53-BRA-MEX

Para o lugar dele, ​um ex-técnico do São Paulo está sendo cotado na Argentina. Trata-se de Juan Carlos Osório, que comandou o México neste Mundial.

A informação é da rádio Antena 1, da Colômbia. Segundo o veículo, Osório seria o favorito, junto com o treinador do River Plate, Marcelo Gallardo, para assumir a seleção da Argentina.