Mais um lesionado! São Paulo perde mais um jogador na reta final do Brasileiro

O técnico Diego Aguirre, do São Paulo, poderá perder Luan para o restante da temporada. O volante sofreu uma entorse no tornozelo direito no empate por 2 a 2 com o Flamengo, no dia 4 de novembro, no Morumbi.

Na ocasião, Luan saiu de campo com a ajuda de membros da comissão técnica (veja na foto abaixo). Depois do empate por 1 a 1 com o Corinthians, sábado, na Arena Corinthians, Aguirre disse que há chances de não ter o volante nesta reta final. Luan foi desfalque no Majestoso.

– (…) Houve uma sequência de perda de jogadores: Everton (voltou no clássico após sofrer novo estiramento na coxa), Militão (vendido ao Porto), Rojas, que machucou gravemente o joelho (só volta em 2019), Luan agora o tornozelo. Talvez não esteja para até o final do ano. São jogadores importantes e não conseguimos encontrar o futebol que apresentamos anteriormente. Não é uma desculpa, mas claramente a perda de jogadores afetou o rendimento – disse Aguirre.

Aos 19 anos, Luan ganhou o lugar de Jucilei contra o Atlético-PR e foi titular em três jogos seguidos até se lesionar. O jogador revelado em Cotia tem contrato até dezembro de 2022.

O próximo compromisso do São Paulo é com o Grêmio, quinta-feira, às 19h, no Morumbi. Trata-se de um confronto direto na briga por uma vaga no G-4.

Além dos desfalques de Luan e Rojas, Everton Felipe é dúvida. Ele aprimora a forma física após um estiramento no ligamento colateral medial do joelho direito. Não há jogadores suspensos.

 

Fonte: Globo Esporte

Anúncios

Empate no Majestoso aumenta a pressão em cima de Diego Aguirre

A possibilidade do São Paulo disputar a fase prévia da Copa Libertadores no ano que vem tem aumentado a pressão em cima do técnico Diego Aguirre. Depois de flertar com a ideia de ser campeão nacional nesta temporada, o Tricolor sofreu uma queda vertiginosa de rendimento. Na próxima quinta, contra o Grêmio, a equipe do Morumbi tem uma partida decisiva pela frente, já que os gaúchos podem assumir a quarta colocação neste domingo. Em caso de um novo fracasso, assim como foi contra Flamengo e Corinthians, o clima ficaria instável para o uruguaio.

Depois de fracassar em seu projeto de conquistar o Brasil pela sétima vez, o São Paulo adotou como objetivo uma vaga direta na Copa Libertadores. Os recentes maus resultados, porém, têm colocado em dúvida a qualidade do trabalho desempenhado pela comissão técnica de Diego Aguirre. Isto porque, a equipe não foi bem contra o Flamengo, no Morumbi, e diante do Corinthians, com um a mais em campo no segundo tempo e com a possibilidade de quebrar o tabu de nunca ter vencido em Itaquera, o time jogou mal. Em ambas as partidas, o empate teve gosto de derrota.

Soma-se a isso, a dificuldade do Tricolor em diversificar suas jogadas de ataque. Sem o meia-atacante Everton em campo, o São Paulo sofre para criar pelas beiradas do campo. O mesmo acontece pela faixa central, que com a ida de Nenê para o banco de reservas, caiu de produção. Os críticos de Aguirre também têm reclamado do desempenho do sistema defensivo, que levou 14 gols em 14 jogos no returno, números considerados altos.

O próprio Diego Aguirre sabe que é preciso demonstrar um rendimento. Nas últimas semanas, o uruguaio mudou o esquema tático do São Paulo e passou a atuar com três zagueiros. Além disso, o técnico passou a escalar dois centroavantes (Gonzalo Carneiro e Diego Souza) para deixar o jogo aéreo mais forte. Apesar das mexidas, o Tricolor permanece não apresentando os resultados desejados pela torcida.

– Temos sido irregulares. Está claro que não estamos gostando deste momento, mas nós queremos que o time jogue melhor. Alcançar os objetivos que queremos, mas a única coisa que falo é continuar trabalhando. Voltar às vitórias. O campeonato está acabando. Faltam apenas 20 dias – afirmou o uruguaio após o empate, em 1 a 1, com o Corinthians no último sábado.

Diante deste contexto, a diretoria precisa dar uma resposta nos bastidores para acalmar os ânimos no clube. Na saída de Itaquera, Raí – diretor-executivo de futebol do São Paulo – pressionou a equipe por melhores resultados, mas optou por não se aprofundar no tema. Apesar da fala do cartola não ter sido tão incisiva, fica clara a insatisfação da cúpula tricolor com o segundo turno da equipe no Brasileirão.

– A gente não avalia o Aguirre por um jogo, ou por algumas partidas apenas. Avaliamos pela temporada toda, desde quando ele chegou. Vamos fazer isso com calma. E não vou falar de treinador por causa de um jogo em que foi mal – explicou o dirigente.

 

Fonte: Lance

Direção do SP se irrita com atuação no clássico; Renovação de Aguirre é incerta

A atuação do São Paulo no empate com o Corinthians, em Itaquera, no último sábado, irritou a diretoria. A postura e o desempenho do time desapontaram os dirigentes e colocam ainda mais dúvida na renovação de contrato do técnico Diego Aguirre – o vínculo termina no fim de 2018.

O Tricolor teve um jogador a mais durante todo o segundo tempo (Araos foi expulso) e apenas empatou, mesmo com erros de arbitragem a favor do São Paulo em lances capitais. O gol de Danilo não foi validado, apesar de a bola ter entrado, e um pênalti não foi marcado a favor do Corinthians, segundo o comentarista de arbitragem da TV Globo, Leonardo Gaciba.

Diante do futebol apresentado nas últimas partidas, a permanência de Diego Aguirre para 2019 é cada vez mais incerta. Depois do clássico, o executivo Raí fez duras críticas ao São Paulo e admitiu a chance de perder uma vaga no G-4.

-–A gente tem de admitir que o time foi muito mal. Temos de ver o que fazer rapidamente para melhorar. Temos cinco jogos importantíssimos para terminar bem o campeonato. Tudo depende do São Paulo. Tem que rever. Se jogar como hoje, com certeza vai ser difícil ficar entre os quatro. Então, temos que reverter essa situação o máximo possível, principalmente na atitude e na atuação – afirmou o dirigente.

Questionado sobre o futuro de Aguirre, Raí evitou cravar qualquer decisão e disse que o trabalho está sendo avaliado.

– A gente não vai avaliar o Aguirre por um jogo ou alguns jogos apenas. Vai ser por toda a temporada, desde que ele chegou até o final da temporada. A gente vai fazer isso com calma e não vamos falar de treinador por causa de um jogo ou alguns jogos que foi mal. É uma coisa que a gente consegue ir conversando com a comissão técnica e não vai avaliar por um período apenas.

Aguirre recebe criticas internamente e de parte da torcida. A favor da permanência do treinador pesam a continuidade do trabalho, a possibilidade de ajustar o elenco desde o início do ano com a sua cara e o crescimento do São Paulo ao longo do Brasileirão, já que não era esperado antes do campeonato que a equipe brigaria pelo título.

Contra o técnico pesa o futebol ruim nos últimos jogos e a péssima campanha do segundo turno. A classificação final do time no Brasileirão certamente influenciará no futuro de Aguirre.

Para não perder a vaga no G4, o São Paulo terá de torcer por um tropeço do Grêmio neste domingo, contra o Vasco, em Porto Alegre. Depois, o adversário é o próprio tricolor gaúcho, rival direto na briga por um lugar na fase de grupos da Libertadores.

 

Fonte: Globo Esporte

Andrés critica postura de Ricardo Rocha; Raí minimiza situação

Ao fim do Majestoso em Itaquera, empatado em 1 a 1, o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, criticou bastante a arbitragem do paranaense Rodolpho Toski Marques. Além de reclamar de ter sido prejudicado no clássico, o cartola reprovou a atitude de Ricardo Rocha, coordenador de futebol do São Paulo, em comparecer ao vestiário do trio de arbitragem antes do início da partida. Raí minimizou as críticas.

– Foi a primeira vez que desci no vestiário, os jogadores estavam tão revoltados que não estavam querendo voltar a campo. Absurdo! O Corinthians não vem fazendo um bom campeonato, os jogadores sabem disso, mas está demais. Não é porque se vota contra o VAR que você pode ser prejudicado dessa maneira. Esse ano está demais – esbravejou o presidente do Corinthians, lembrando o gol não dado para ao Timão ainda no primeiro tempo e a não marcação de um pênalti em Romero.

Durante a entrevista, Sanchez criticou a postura de Ricardo Rocha. Com a permissão do inspetor da partida, o dirigente do Tricolor foi até o vestiário da arbitragem antes da bola rolar. Na súmula, Rodolpho Troski Marques admitiu a visita do cartola, e explicou quais foram os assuntos tratados.

– Informo que antes do início da partida compareceu ao vestiário da arbitragem o senhor Ricardo Rocha, diretor da equipe do São Paulo, após
solicitar autorização ao inspetor da partida, com o objetivo de cumprimentar e desejar sucesso para a arbitragem. Antes de sair, disse que
seus jogadores estariam orientados a respeitar as decisões da arbitragem – escreveu o árbitro – escreveu Marques.

Ainda segundo a súmula da polêmica partida, Alessandro Nunes – diretor de futebol do Corinthians – também compareceu ao vestiário da arbitragem com a permissão do inspetor e pediu desculpas. O árbitro, no entanto, não deixa claro o que teria motivado este pedido.

– Relato também que após o término da partida compareceu ao vestiário da arbitragem o senhor Alessandro Nunes, diretor do Corinthians, após solicitar autorização ao inspetor e ao árbitro da partida, com o objetivo de pedir desculpas para qualquer ato exagerado que pudesse ter ocorrido. Compreendendo a pressão que todos os envolvidos no futebol sofrem, desejando que a arbitragem tenha mais apoio e sucesso na sequência da temporada – diz o documento.

Na saída da Arena Corinthians, Raí – diretor executivo de futebol do São Paulo – minimizou as críticas dos corintianos e falou em jogo midiático do presidente do clube rival. Ainda de acordo com o cartola tricolor, Ricardo Rocha tem o costume de conversar com adversários e demais envolvidos nos jogos antes da partida.s

– Esse é um jogo de palavras midiático do Andrés. O Ricardo Rocha cumprimenta, não só o árbitro, mas os adversários em todos os jogos. Ficou conversando 20 minutos antes do jogo com o próprio Andrés. Contra o Flamengo, conversou com o Dorival. É cordialidade, apenas”, sobre a acusação feita por Andrés Sanchez de que Ricardo Rocha teria ficado 10 minutos dentro do vestiário da arbitragem antes da partida – argumentou Raí.

 

Fonte: Lance

Raí condena atuação do São Paulo, cobra reação rápida no Brasileirão e aguarda para avaliar Aguirre

Raí espera uma reação rápida do São Paulo nos últimos cinco jogos do Campeonato Brasileirão. O diretor de futebol tricolor fez duras críticas à atuação do time de Diego Aguirre no empate em 1 a 1 com o Corinthians neste sábado, na Arena, pela 33ª rodada da competição nacional.

– A gente tem que admitir que o time foi muito mal. Temos que ver o que fazer rapidamente para melhorar. Temos cinco jogos importantíssimos para terminar bem o campeonato. Tudo depende do São Paulo. Tem que rever. Se jogar como hoje (sábado), com certeza vai ser difícil ficar entre os quatro. Então temos que reverter essa situação o máximo possível, principalmente na atitude e na atuação – afirmou Raí, sobre o fato de o São Paulo ter apenas empatado com o rival mesmo jogando com um jogador a menos desde o fim do primeiro tempo.

Se o Grêmio ganhar do Vasco no domingo, em sua arena, ultrapassará o São Paulo na tabela do Brasileirão. Hoje na quarta posição, o time de Aguirre ainda está no G-4, zona de classificação direta para a fase de grupos da Libertadores – a quinta e sexta posição dão vagas na primeira fase da competição continental, que é eliminatória.

Sobre o futuro de Aguirre, cujo contrato termina no fim do ano, Raí prometeu uma decisão apenas ao fim do Brasileirão:

– A gente não vai avaliar o Aguirre por um jogo ou alguns jogos apenas. Vai ser por toda a temporada, desde que ele chegou até o final da temporada. A gente vai fazer isso com calma – disse o diretor de futebol.

O próximo adversário do São Paulo será o Grêmio, no Morumbi, na próxima quinta-feira. Independentemente do resultado do Tricolor gaúcho neste domingo, o confronto será direto por uma vaga no G-4 do Brasileirão.

Arbitragem polêmica
Raí também comentou a reclamação do presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, que afirmou que o coordenador de futebol tricolor, Ricardo Rocha, teria ficado 10 minutos dentro do vestiário da arbitragem antes da partida. No primeiro tempo do clássico, o São Paulo foi beneficiado por erro da arbitragem, que não marcou um gol de Danilo em que a bola ultrapassou a linha antes de ser espalmanda por Jean.

– Esse é um jogo de palavras midiático do Andrés. O Ricardo Rocha cumprimenta, não só o árbitro, mas os adversários em todos os jogos. Ficou conversando 20 minutos antes do jogo com o próprio Andrés. Contra o Flamengo, conversou com o Dorival. É cordialidade apenas – disse Raí.

 

Fonte: Globo Esporte

Entrevista com Diego Aguirre: Renovação para 2019, Jogo-chave com rival e valor do G-4 para o SP

O técnico Diego Aguirre não sabe se continuará no São Paulo em 2019. Nem o uruguaio nem a diretoria podem dar esta resposta agora.

O contrato de Aguirre termina no fim de dezembro. Ou seja, daqui menos de dois meses. Mas os dois lados decidiram conversar sobre a questão depois do Brasileirão.

– Faz parte do meu trabalho tentar fazer o melhor para o São Paulo. Não é somente acertar um contrato de dinheiro e “ah, tudo bem”. Não. Têm coisas que precisam melhorar – disse Aguirre, em entrevista exclusiva ao GloboEsporte.com na sexta-feira.

É certo, no entanto, que o prestígio de Diego Aguirre no São Paulo diminuiu após a radical queda de rendimento do time no segundo turno. O Tricolor tem a 13ª campanha do returno, com 41% de aproveitamento.

Antes o treinador era praticamente uma unanimidade entre direção e torcida. A tendência natural era a renovação, segundo o próprio presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, disse em agosto.

Foi quando, inclusive, o São Paulo procurou Aguirre para renovar contrato, mas o técnico preferiu adiar a conversa. Agora, o que era uma tendência virou uma dúvida.

Prestes a disputar o último clássico da temporada, contra o Corinthians, neste sábado, na Arena do rival, Aguirre disse ver o Majestoso como um jogo-chave, não crê que atuar como visitante seja uma desculpa para não jogar bem e falou qual seria o valor de conquistar uma vaga no G-4 após liderar parte do Brasileirão.

Leia a entrevista com Diego Aguirre:

GloboEsporte.com: Quem chega melhor ao clássico? São Paulo ou Corinthians?
Diego Aguirre:
 – Não acredito nos momentos antes de um clássico. Clássico é outro tipo de jogo. E se emparelha tudo e qualquer um pode ganhar. Tanto Corinthians como São Paulo estão em condições de fazer um bom jogo e vencer. Nós estamos confiantes, achamos que é possível, mas não vou falar muito. Tem de ver na hora do jogo.

Obviamente você só pensa no Corinthians, mas na próxima rodada tem o Grêmio… (Aguirre interrompe)
– É impossível pensar em outra coisa. Talvez você poderia pensar em outro jogo, mas como tem um jogo tão importante como o Corinthians…. Juro que não penso em nada para frente que não seja o Corinthians.

Mas há uma preocupação com esse jogo-chave para manter o time no G-4…
– Claro, isso sim. É um jogo-chave, importantíssimo. Também pelo que significa. Independentemente da posição e de manter o G-4, que é importante, seria muito bom para nós conseguirmos uma vitória e nos firmar na tabela.

Neste ano, você venceu três clássicos, perdeu três e empatou um. Esse será o tira-teima…
– Sim, também não sou de olhar muito os números. Mas sempre é importante (clássico), porque sei o que significa para torcida, jogadores e diretoria ganhar do Corinthians. Nós vamos dar tudo para que isso possa acontecer.

Na semifinal no Paulistão, o São Paulo fez um dos melhores jogos na Arena Corinthians e, embora já tenha empatado, perdeu por um detalhe no fim do jogo. Como foi para você digerir aquela derrota, pela forma como foi e com um erro de posicionamento de bola parada?
– Passou muito tempo. Eu só tinha uma semana aqui no São Paulo. Então, não foi… Obviamente que doeu. Foi um momento difícil. Mas tomei como uma coisa que pode acontecer. Depois tivemos a possibilidade de jogar com o Corinthians e ganhar. Futebol é assim.

“Para mim, jogar fora de casa não é uma desculpa para não fazer um bom jogo. Não é jogar no Morumbi ou fora… Não significa mais. Para mim é a mesma coisa” – Diego Aguirre.

Aquela atuação mostrou ser possível para o São Paulo bater o Corinthians na Arena, embora nunca tenha acontecido…
Óbvio, para o São Paulo vencer qualquer time é possível. É uma coisa normal. São jogos sempre difíceis, mas também difíceis para eles. Nós respeitamos todos os rivais, mas também acho que é uma oportunidade muito boa para podermos ter uma grande vitória e acabar da melhor forma possível.

Depois de liderar o Brasileirão um bom tempo e agora disputar o G-4 o que significaria essa vaga? Obrigação, o mínimo ou um grande prêmio pensando que o time brigou para não cair em 2017?
É um objetivo importante. Mas vamos ver nessas seis rodadas que faltam. Agora tem de focar, não tem de pensar em G-4 nem nada disso. É o jogo com o Corinthians e ganhar. Depois vamos vendo o que vem e o que vai acontecer. Agora a única coisa que temos de colocar na mente é ganhar do Corinthians.

Em outro momento a diretoria procurou você para renovar contrato e o São Paulo era líder, mas você preferiu conversar depois do Brasileirão. Imagino que a postura agora seja a mesma. Mas você tem consciência de que essa queda de rendimento pode ter tornado a renovação uma dúvida?
Não, a verdade é que não penso nisso. É algo que vamos ver quando acabar o Brasileiro, como falamos há alguns meses, e ver o que acontece. Não vou falar muito mais que isso, porque foi o acordado. Vamos falar lá na frente para ter toda a liberdade e a tranquilidade de tomar a melhor decisão, para ninguém estar pressionado, nem ter assinado algo que não quer continuar. Por isso acho que é o natural e bom para todos. Acaba o campeonato e falamos. Aí analisaremos entre todos o que foi o melhor.

No programa “Bem, Amigos”, você disse que exigiria coisas para chegar a um acordo. Isso está na sua cabeça?
Sim, faz parte do meu trabalho. Tentar fazer o melhor para o São Paulo, não somente acertar um contrato de dinheiro e “ah, tudo bem”. Não. Têm coisas que temos de melhorar, que podemos ajudar o São Paulo a continuar um trabalho de crescimento. A ideia é junto com a diretoria falar de tudo (nota da redação: uma das exigências está ligada a questões estruturais, como a reforma nos vestiários do CT da Barra Funda – obra prevista para ser realizada pelo clube).

Dá para dar algum exemplo?
Não, são coisas internas. Muitas coisas, mas normais. Fazem parte do trabalho que temos de falar e ver o que acontece.

 

Fonte: Globo Esporte

Relacionados para Corinthians x São Paulo

Com três reforços, o técnico Diego Aguirre relacionou 23 jogadores para o duelo com o Corinthians que será disputado neste sábado (10), às 17h, fora de casa, válido pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O goleiro Jean e o volante Hudson retornam após cumprir suspensão contra o Flamengo (2 x 2) no último final de semana, no Morumbi. Já Everton volta após se recuperar de um estiramento na região posterior da coxa esquerda que o tirou dos últimos quatro jogos.

Os desfalques para o Majestoso são Luan (entorse no tornozelo direito), Everton Felipe (aprimora forma física após um estiramento no ligamento colateral medial do joelho direito) e Rojas (passou por cirurgia no tendão patelar do joelho direito nesta semana e só retorna aos gramados em 2019).

Confira a lista com os atletas relacionados:
Goleiros: 
Jean, Lucas Perri e Sidão
Laterais: Bruno Peres, Edimar e Reinaldo
Zagueiros: Anderson Martins, Arboleda, Bruno Alves e Rodrigo Caio
Volantes: Araruna, Hudson, Jucilei e Liziero
Meias: Everton, Helinho, Nene e Shaylon
Atacantes: Brenner, Caíque, Diego Souza, Gonzalo e Tréllez

 

Fonte: saopaulofc.net

Aguirre conta com força máxima em penúltimo treino antes do Majestoso

Nesta quinta-feira, o São Paulo fez seu penúltimo treino antes do clássico contra o Corinthians e, mais uma vez, pouco se viu. No CT da Barra Funda, o técnico Diego Aguirre voltou a fechar as atividades para a imprensa, permitindo o acesso apenas nos primeiros 15 minutos, referentes ao aquecimento. Fato é que o uruguaio contou com todo o elenco disponível para o confronto, incluindo Diego Souza e Gonzalo Carneiro, que não integraram o grupo nesta quarta.

Diego Souza já se recuperou das dores musculares e, conforme o esperado, voltou a trabalhar nesta manhã. Gonzalo, que ontem só correu em volta do gramado, por sua vez, também ficou à disposição nesta quinta. O atacante uruguaio sofria de desgaste físico e, nesta quarta, foi submetido a uma carga de exercício mais leve.

As exceções ficam por conta dos dois únicos desfalques certos para o jogo deste final de semana. O atacante Rojas rompeu o tendão patelar do joelho e só volta em 2019. Já o volante Luan, que sofreu uma entorse no tornozelo e teve de deixar o campo diante do Flamengo, continua no Reffis e tem retorno previsto apenas para a próxima semana.

Leia também Jornalista da Fox crava futuro de Nenê

Na Arena Itaquera, São Paulo e Corinthians se enfrentam a partir das 17h (horário de Brasília) deste sábado, em duelo válido pela rodada 33 do Campeonato Brasileiro. Para vencer, o time comandado por Diego Aguirre terá de quebrar um tabu, já que nunca venceu no estádio do adversário. São oito jogos nos domínios dos alvinegros, com seis derrotas e dois empates.

Uma provável escalação titular do Tricolor tem: Jean; Bruno Peres, Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Jucilei, Hudson, Liziero e Diego Souza; Everton e Gonzalo Carneiro.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

Helinho é exemplo de como Aguirre deveria usar mais a base no Tricolor

O empate em 2 a 2 com o Flamengo, na tarde do último domingo, evidencia a necessidade do São Paulo de aproveitar melhor seus jogadores das categorias de base, uma das mais fortes do futebol brasileiro. Embora quase metade do elenco tricolor seja formado por atletas revelados em Cotia, ainda há pouco espaço para os jovens jogadores no time do técnico Diego Aguirre.

O resultado contra a equipe carioca, embora lamentado pelos são-paulinos, apenas foi possível graças ao gol do meia-atacante Helinho, que fazia sua estreia como profissional. O garoto, de apenas 18 anos, entrou no intervalo da partida e com apenas quatro minutos em campo acertou um belo chute de fora da área. Detalhe: era sua estreia como profissional.

Casos como o de Helinho poderiam ser mais recorrentes caso houvesse uma abertura maior para os garotos de Cotia. Atualmente, o São Paulo conta em seu elenco com 12 jogadores formados na base do próprio clube, mas contra o Flamengo apenas dois deles (Luan e Liziero) tiveram a oportunidade de iniciar o duelo como titulares.

Questionado sobre o tema, o uruguaio Diego Aguirre explicou que a cautela com os jogadores da base é sua, e não da diretoria, e também falou que todos ganharão uma oportunidade quando chegar o momento certo. O técnico ainda pediu calma aos torcedores com este assunto, pois há uma diferença grande entre o ritmo praticado na base e no profissional.

– Tenho a liberdade para tomar as decisões. Todos gostamos de ver os meninos aparecerem. É o caso do Luan, que é uma realidade. Hoje é um jogador muito importante dentro do time e tem somente 18 ou 19 anos. Assim como o Liziero. Chegou a hora do Helinho, de colocar ele na equipe. Teve uma estreia sonhada com um gol maravilhoso – explicou.

Apesar da base não ter sido tão bem representada nos últimos jogos do São Paulo, é importante frisar que o clube tem trabalhado forte para aumentar a presença de Cotia no elenco principal. Além de Brenner, Shaylon, Caíque, Lucas Perri, Lucas Paes e Igor Gomes, que esperam sua chance, novos nomes devem subir em breve. Casos dos zagueiros Rodrigo e Walce, e do atacante Toró.

– Vamos com calma. A mesma ansiedade que tem a torcida, eu também tenho. Temos que ir com cuidado para pensarmos na melhor coisa para o jogador – explicou Aguirre, deixando claro que tem a intenção de dar mais chances aos garotos, mas sem deixar de lado alguns fatores igualmente importantes para a construção de um São Paulo forte e competitivo.

 

Fonte: Lance

Sidão se diz perseguido e vê Aguirre influenciado pela torcida no São Paulo

Sidão retornou ao gol do São Paulo nesse domingo, depois de três partidas como reserva de Jean. A recepção dos torcedores no Morumbi não foi nada boa. Mais uma vez, a chiadeira tomou conta do ambiente a cada participação do goleiro. Contra o Corinthians, no próximo sábado, em Itaquera, a tendência é que o camisa 12 volte a ser suplente. A notória rejeição, na opinião do próprio Sidão, não é justa nem bem fundada.

“Acho que os jogos estão aí. Acho que fiz um ótimo Campeonato Brasileiro. Tenho números ao meu favor. Não estou inseguro. Se fala muito, mas sabe-se pouco da posição. Vejo muito o julgamento de todos os gols do Brasileirão, gente tomando muito gol duvidoso e ninguém fala nada. Quando é comigo é diferente, mas, enfim, estou bem. Sempre que aparece uma oportunidade tento dar o meu melhor”, comentou.

Contratado a pedido de Rogério Ceni, o ex-arqueiro de Osasco Audax e Botafogo tem 73 atuações pelo Tricolor do Morumbi, 46 delas só na atual temporada. A derrota para o Palmeiras por 2 a 0 no Morumbi, apenas a segunda dos são-paulinos com Sidão à frente da meta, foi o estopim para Diego Aguirre.

“Acho que talvez a pressão externa por conta da torcida tenha pesado para que ele (Aguirre) fizesse essa troca, mas acho que fizemos um ótimo primeiro turno, e eu joguei todo o primeiro turno. No segundo turno, o time caiu de produção e acaba sobrando para alguém”, contestou o jogador de 35 anos.

O vínculo entre São Paulo e Sidão vai até o fim de 2019. Apesar da relação desgastada, o goleiro não fala em quebra de contrato ou sobre uma eventual saída por empréstimo.

“Não, sou muito feliz aqui. Já passei por isso aqui, já fiquei na reserva, já entrei em momento bem ruim ano passado, consegui dar a resposta, o time saiu da situação difícil. Esse ano brigamos por algumas coisas, saímos na semifinal do Paulista, um ótimo primeiro turno, então, meu trabalho está sendo feito, estou à disposição do São Paulo, sou atleta do São Paulo e, enquanto o São Paulo contar comigo, eu estarei à disposição”, avisou.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

Reinaldo se recupera de gripe, treina e fica à disposição de Aguirre

Reinaldo se recuperou de uma forte gripe e voltou a treinar no São Paulo. O lateral-esquerdo perdeu três dias de treino (de segunda a quarta-feira) por conta do problema, mas nesta quinta-feira participou normalmente.


Com a volta de Reinaldo, o São Paulo se prepara para encarar o Flamengo, neste domingo, às 17h, no Morumbi, pelo Brasileirão. O técnico Diego Aguirre comandou um treino tático contra o time sub-16, com portas fechadas para a imprensa.

Para encarar o Flamengo, o técnico Diego Aguire não terá Rojas (ruptura no tendão patelar do joelho direito), Jean, Hudson (suspensos), Everton Felipe (lesão) e Everton (em fase final de recuperação de um estiramento na coxa esquerda).

Aguirre faz mistério e não revela a escalação. Diante disso, o possível time do São Paulo é o seguinte: Sidão; Bruno Peres, Arboleda, Bruno Alves e Edimar; Luan, Jucilei (Liziero) e Diego Souza; Reinaldo, Tréllez (Helinho ou Liziero) e Gonzalo Carneiro.

 

Fonte: Globo Esporte

Auxiliar de Diego Aguirre, André Jardine volta ao São Paulo após período na Europa

Auxiliar da comissão técnica de Diego Aguirre, André Jardine voltou ao São Paulo depois de um período na Europa para assistir a jogos e buscar intercâmbio com profissionais do continente.


Jardine se reapresentou ao São Paulo na manhã desta quarta-feira e apareceu ao lado de Diego Aguirre no treinamento – que teve como principal novidade a presença do meia-atacante Everton em campo.

Na Europa, André Jardine assistiu a seis jogos entre Liga dos Campeões, Liga Europa e campeonatos nacionais:

Terça-feira (23/10) – Real Madrid 2 x 1 Viktoria Plzen, pela Liga dos Campeões (Santiago Bernabéu, Espanha);

Quarta-feira (24/10) – Barcelona 2 x 0 Inter de Milão, pela Liga dos Campeões (Camp Nou, Espanha);

Quinta-feira (25/10) – Milan 1 x 2 Bétis, pela Liga Europa (San Siro, Itália);

Sábado (27/10) – Atlético de Madrid 2 x 0 Real Sociedad, pela Liga Espanhola (Metropolitano, Espanha);

Domingo (28/10) – Barcelona 5 x 1 Real Madrid, pela Liga Espanhola (Camp Nou, Espanha);

Segunda (29/10) – Tottenham 0 x 1 Manchester City, pela Premier League (Tottenham Stadium, Inglaterra).

Jardine tem o sonho de um dia virar treinador do time principal do São Paulo. O clube sabe do projeto futuro e investe na capacitação do profissional, mas não há pressa nem um prazo determinado para isso virar realidade.

O agora auxiliar chegou a treinar interinamente a equipe do Tricolor entre a saída de Dorival Júnior, hoje no Flamengo, e a contratação de Aguirre. Jardine comandou o time nas vitórias sobre RB Brasil (3 a 1, pelo Paulistão, no Morumbi) e CRB (3 a 0, pela Copa do Brasil, em Maceió).

Com Jardine de volta e Diego Aguirre no comando, o São Paulo enfrenta o Flamengo no próximo domingo, às 17h (de Brasília), pela 32ª rodada do Brasileirão.

 

Fonte: GE

Veja as opções de Aguirre para o lugar de Rojas no São Paulo

A ausência de Rojas, desfalque até 2019 por conta de sério problema no joelho direito, é o principal problema para o técnico Diego Aguirre, do São Paulo, neste domingo, às 17h, contra o Flamengo. E para o restante da temporada também…

O técnico uruguaio precisa achar um substituto para o equatoriano e tentar firmá-lo para o restante do ano. Nos dois treinos realizados esta semana, Diego Aguirre não deu nenhuma pista da equipe. Mas o comandante tricolor tem algumas opções para jogar na direita do ataque.

Contra o Vitória, jogo em que Rojas se machucou, Everton Felipe entrou em seu lugar. Mas também sentiu uma lesão no joelho e virou desfalque para os próximos jogos. Sendo assim, o São Paulo tem alternativas das mais diversas para o jogo de domingo.

Veja abaixo quais são:

Made in Cotia

Se não quiser mudar muito o estilo de jogo e continuar com um atacante de velocidade pela ponta, Aguirre tem três opções que foram formadas nas categorias de base: Brenner, Helinho e Antony.

Brenner está no elenco profissional desde o ano passado e não tem tido chances com Aguirre. Os outros dois foram promovidos recentemente e possuem características para jogar pelo lado.

Helinho, aliás, se recuperou de problema no tornozelo esquerdo, voltou a treinar com bola na terça-feira e muito provavelmente deve ser relacionado.

Improvisos

O centroavante Tréllez também é uma possibilidade para jogar pela direita do ataque. Em outras ocasiões, o colombiano já fez esse papel sob o comando do técnico uruguaio.

Araruna, que joga de volante e lateral-direito, também foi utilizado pela ponta direita, assim como Bruno Peres, que é atualmente o lateral-direito titular do São Paulo.

Meias clássicos

Por fim, Nenê e Shaylon, dois armadores, surgem como alternativas para Diego Aguirre. Mas, nesses dois casos, o técnico mudaria o esquema de jogo, que atualmente tem contado com Diego Souza mais recuado para armar.

 

Fonte: Globo Esporte

Aguirre chama boliviano para completar treino do São Paulo

Recheado de desfalques, o técnico Diego Aguirre convocou alguns jogadores das categorias de base para compôr os treinamentos do São Paulo na última segunda e também nesta terça. Um dos nomes chamados pela comissão técnica foi o boliviano Raul Medeiros Gutierrez, de apenas 20 anos.


Revelado pelo Universitario Sucre, o jogador iniciou a carreira como atacante, mas assim que chegou em Cotia foi recuado e hoje atua como volante. Raul chegou ao Tricolor para jogar no time de aspirantes, que disputa o Brasileirão Sub-23, e espera que a experiência no Brasil possa lhe render uma oportunidade futura na seleção de seu país.

Nesta terça, o jogador treinou com os profissionais no CT da Barra Funda a pedido da comissão técnica, já que não viajou com o time de aspirantes para o Paraná, onde o São Paulo venceu o Coritiba por 3 a 0, na última segunda. Em conversa informal com os jornalistas, disse que é fã de Reinaldo e não poupou elogios para Nenê, a quem chamou de craque.

– É a chapada do Nenê, não é? (risos). Ele joga muito – brincou o jogador, que demonstra ter aprendido a língua portuguesa.

 

Fonte: Lance