São Paulo chega a 50 clássicos da ‘era Leco’ com aproveitamento de 30% e ‘números de rebaixado’

empate sem gols com o Corinthians, sábado, no Morumbi, foi o 50º clássico do São Paulo com Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco, na presidência. E os números, como mostra o levantamento feito pelo historiador Alexandre Giesbrecht no Twitter, são vergonhosos.

Desde 15 de outubro de 2015, quando Leco assumiu o cargo após a renúncia de Carlos Miguel Aidar, o São Paulo tem estatísticas facilmente compatíveis a equipes rebaixadas quando enfrenta CorinthiansPalmeiras e Santos, seus principais rivais no estado.

O time do Morumbi venceu apenas dez clássicos no período, nove como mandante e apenas um fora de casa (em 15 de fevereiro de 2017, contra o Santos, na Vila Belmiro). Também empatou 15 vezes e perdeu 25, um aproveitamento de 30% – como grau de comparação, o Cruzeiro caiu no Brasileirão do ano passado com 31,6%.

Em todo o período, o São Paulo fez 43 gols, ou seja, menos de um por jogo, e sofreu 72, média acima de um tento por clássico.

Os números melhoram um pouco em casa, onde o São Paulo venceu nove dos 22 jogos e conseguiu 50% dos pontos, além de marcar 22 gols e sofrer 19.

Como visitante, a diferença é absurda: uma vitória, oito empates e 18 derrotas em 27 clássicos, com 21 gols a favor e 53 contra.

Veja abaixo o aproveitamento contra cada um dos rivais:

Corinthians

  • 21 jogos: 4 vitórias, 8 empates e 9 derrotas – 31,3%

Foi contra o Corinthians que o São Paulo de Leco passou uma de suas maiores vergonhas recentes, ao ser goleado por 6 a 1 pelos reservas do rival, já campeão brasileiro em 2015, na Arena. No período, o time tricolor também foi eliminado em duas semifinais do Paulistão (2017 e 2018) e perdeu uma final do estadual (2019).

De positivo, tem uma goleada por 4 a 0, no Brasileiro de 2016, em jogo marcado pela grande atuação do meia peruano Cueva, e a conquista da Florida Cup de 2017, em uma decisão por pênaltis que terminou com brilho de Sidão.

Palmeiras

  • 15 jogos: 2 vitórias, 4 empates e 9 derrotas – 22,2%

É contra o Palmeiras que o São Paulo de Leco mais sofre quando o assunto é clássico. Foram apenas duas vitórias, ambas no Morumbi, e muitas derrotas, a maioria no Allianz Parque, onde o time nunca venceu – chegou a levar 3 a 0 duas vezes, inclusive, no Paulistão de 2017 e no Brasileiro do ano passado.

O Choque-Rei mais positivo do período foi na semifinal do Paulistão de 2019, quando Tiago Volpi defendeu dois pênaltis e classificou o São Paulo à decisão após empate sem gols, no Allianz. De negativo, além das surras, houve a perde da invencibilidade de 16 anos sem perder no Morumbi.

Santos

  • 14 jogos: 4 vitórias, 3 empates e 7 derrotas – 35,7%

Os melhores números do São Paulo de Leco são contra o Santos. Foi contra o alvinegro que o clube tricolor venceu seu último clássico fora de casa, há três anos, e contra quem também ostenta o melhor aproveitamento.

O Santos foi, aliás, o primeiro clássico de Leco à frente do São Paulo. Seis dias depois de assumir, o presidente viu Doriva escalar uma formação suicida com todos os medalhões juntos (Ganso, Michel Bastos, Alan Kardec, Pato e Luis Fabiano) e perder por 3 a 1 pela semifinal da Copa do Brasil. Este foi, também, o último jogo oficial de Rogério Ceni.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.