Futebol Home São Paulo Times

David Neres, o ‘empresário’: como provocação ao Corinthians ajudou a criar marca de bonés

No dia 4 de setembro de 2016, o São Paulo fez 5 a 0 no Corinthians em partida do Campeonato Paulista sub-20. Dois meses mais tarde, em 5 de novembro, o clube tricolor voltou a golear o rival, mas no profissional, por 4 a 0. Em comum nos dois jogos, a presença de David Neres.

O atacante, que hoje serve à seleção brasileira em preparação para a Copa América, comemorou as duas goleadas da mesma forma em suas redes sociais: usou “O Bagulho é Loco”, em forma de hashtag, em caixas altas, em publicações no Instagram.

A frase era uma das favoritas do jovem, sempre tímido e de poucas palavras diante da imprensa, com os companheiros de base no São Paulo. Acabou colocando, porém, Neres também no mundo dos negócios, já que dá nome a sua marca de bonés.

Ver essa foto no Instagram

#OBAGULHOÉLOCO

Uma publicação compartilhada por David Neres (@davidneres) em 

“Só criei um negócio de boné e estão falando que sou empresário? Então eu sou”, brincou o hoje atacante do Ajax, da Holanda, ao ser perguntado pelo ESPN.com.br pelo assunto.

A ideia do negócio, conta Neres, partiu justamente da repercussão do termo nas redes sociais. “Eu falava um negócio lá quando estava na base. Bastante gente comentava também nas minhas fotos, e aí eu decidi: vamos fazer”, contou o atacante, em Teresópolis.

A “Obagulhoeloko” existe desde outubro de 2017. Neres é o responsável pelo investimento por trás da empresa, que surgiu com capital social de R$ 3 mil. No quadro societário do negócio, no entanto, o atacante não aparece, mas sim seus irmãos.

Marcos Vinicius Neres é o maior responsável por tocar o dia a dia da marca, que vende seus produtos pela internet. A irmã Kimberlly também é sócia da “Obagulhoeloko”.

A linha atual de modelos disponíveis no site da loja virtual tem bonés de aba reta e curva, e os valores variam de R$ 59,90 a R$ 79,90. David Neres, porém, diz que os negócios não vão bem.

“Não, não está dando muito certo não, mas eu gosto”, sorri ele, que diz não ter muito clientes “boleiros”. “Os amigos pedem bastante, os fãs também compram bastante, mas jogador não curte muito não”, afirma, embora diversos jogadores já tenham posado com a marca.

Com a mesma sinceridade que revelou que as vendas não embalaram, Neres também não escondeu que as goleadas sobre o Corinthians, no início da carreira, motivaram o batismo da “Obagulhoeloko”. “Teve um pouquinho, um pouquinho”, confessou.

Na Granja Comary, onde a seleção se prepara para a Copa América, atualmente, Neres tem poucas opções para tentar popularizar sua marca, já que apenas outros sete convocados já se apresentaram – Ederson, Filipe Luís, Casemiro, Fernandinho, Allan, Richarlison e Gabriel Jesus.

A partir deste sábado, porém, o grupo ganha um potencial garoto-propaganda de peso, Neymar, que conseguiu antecipar a liberação junto ao PSG e se apresentará mais cedo.

 

Fonte: ESPN

Anúncios

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.