Futebol Home São Paulo Times

Raí fala sobre reforços no São Paulo: ‘Temos excelentes oportunidades’

Diretor de futebol do Tricolor despistou sobre uma possível negociação com o equatoriano Marcos Caicedo e abriu o jogo sobre seus planos para o clube para 2019. Confira!

O São Paulo terá um time competitivo para a próxima temporada. Quem garante isto é Raí, diretor-executivo de futebol do Tricolor. No último domingo, durante evento de comemoração dos 20 anos da Fundação Gol de Letra, no Morumbi, o cartola explicou alguns pontos do planejamento do clube para 2019 e se mostrou confiante com a chegada de reforços para o elenco.

De acordo com o ídolo são-paulino, a diretoria está em negociações avançadas com alguns nomes, que não foram revelados por questões estratégias. Os possíveis novos contratados chegariam para reforçar o time para a disputa da Copa Libertadores do ano que vem, e recolocar o Tricolor na briga por títulos – o clube não levanta uma taça desde a Copa Sul-Americana de 2012.

– Precisamos nos reforçar em termos de números. Vamos disputar mais competições e queremos ir longe. Posso te dizer e afirmar que há bias possibilidades e bons nomes. Não dá para afirmamos, mas a torcida pode ficar tranquila. Estamos trabalhando bastante e temos excelentes oportunidades. Não vou prometer nada, mas estamos trabalhando bastante e estou otimista de que vamos nos reforçar em alto nível – afirmou o diretor do São Paulo.

Confira a entrevista completa de Raí durante a celebração dos 20 anos da Fundação Gol de Letra, no Morumbi:

O Marcos Caicedo, jogador equatoriano do Barcelona-EQU, começou a seguir o São Paulo nas redes sociais. Isso tem alguma relação com uma possível negociação dele com o clube?
(Risos) Não vejo todo mundo que segue o São Paulo, deve ter muita gente que segue o clube. Muitos jogadores que já jogaram aqui e outros nomes que querem e podem pensar em jogar aqui. Não vamos falar de nomes. Se não é ele, pode ser outro e tudo mais. Sinceramente, não tem nada em comum sobre ele começar a seguir e alguma negociação.

O que esperar do São Paulo para 2019? Há a ambição de reforçar bem o time?
Há a ambição, claro. O São Paulo fez uma boa temporada e nós já temos a base do time feita. Sabemos o que queremos para o ano que vem e, obviamente, a ideia é melhorar ainda mais. Não apenas em termos de reforços. Há um ano, quando aceitei o convite, o time vinha de duas temporadas muito difíceis. Agora, a ideia é melhorar ainda mais e pensar do tamanho que o São Paulo merece. Não podemos menos. Estou confiante e otimista de que vamos conseguir.

O orçamento de R$ 50 milhões para o futebol do São Paulo é suficiente para trazer esses reforços?
Temos que ser responsáveis, criativos e tentar jogar com as possibilidades. Não temos sobras, não temos folgas no orçamento. Esse é o grande trabalho. As negociações estão bem encaminhadas e vão chegar jogadores de alto nível, mas o número de jogadores de alto nível vai depender também dessas negociações e das nossas parcerias, que incrementarão nosso potencial de negociação.

O ano que vem será um ano de boas campanhas do São Paulo ou um ano de títulos para o clube?
Sempre falo o seguinte: ganhar títulos é tentar melhorar a sua probabilidade para isso. Você nunca vai ter certeza sobre isso. Entretanto, tenho certeza absoluta de que a probabilidade do São Paulo ser campeão em 2019 será muito maior do que foi em 2018. Disto, não tenho dúvida nenhuma. Agora, os detalhes, uma final e uma semifinal não temos como afirmar.

O Jardine não terminou a temporada com bons resultados. De alguma forma, essa campanha cria uma insegurança para o trabalho dele no ano que vem?
Primeiro, gostaria de dizer que não dá para chamar o período do Jardine no São Paulo de uma campanha. O Jardine está na Barra Funda desde o início do ano: conhece o elenco, conhece o trabalho, conhece todo mundo e o elenco o conhece muito bem. Estamos reforçando a comissão técnica com a chegada do Carlinhos Neves. Em pouco tempo, o Jardine mostrou um bom trabalho, mostrou liderança e mostrou o que quer para a próxima temporada, deixou isso bem claro para o elenco. Isso me deixou impressionado. Apesar dos resultados, teve um ou outro jogo que não foi bem, mas deu para ver o trabalho dele. Obviamente, não dá para chamar de uma campanha. Em 2019, não tenho dúvida de que ele vai poder demonstrar todo o seu potencial. A confiança e a convicção de um grande trabalho é muito forte.

O clube trouxe o Sandro Forner (auxiliar técnico) e o Carlinhos Neves (responsável pela preparação física) para compôr a comissão técnica. Dá para dizer que a comissão técnica do São Paulo está fechada para 2019?
A comissão técnica está praticamente feita. O Carlinhos Neves vai agregar bastante. Já tinha uma comissão técnica permanente, com pessoas experientes, com os fisiologistas, com o Altamiro (Bottino, coordenador científico) e com outros profissionais que não são conhecidos do público. O Carlinhos é uma pessoa que vem para nos ajudar também fora de campo, pela sua experiência, pelo conhecimento, por sua história no São Paulo. Estamos satisfeitos nessa parte.

Você completou um ano como diretor-executivo de futebol do São Paulo. Qual a autocrítica que você faz do seu trabalho, e quais são suas projeções para o ano que vem?
?Nós evoluímos, mas não me dou por satisfeito. Tivemos momentos bons, momentos difíceis, momentos complicados. Isso é normal no futebol. Tenho convicção de que estamos no caminho certo,

Recentemente, o Rodrigo Caio deu uma entrevista polêmica. Entre outras coisas, ele falou sobre o relacionamento ruim com o Diego Aguirre (ex-técnico do São Paulo). Como você percebeu essa entrevista dele?
?Vamos conversar internamente. O Rodrigo Caio é um jogador que já teve ótimos momentos no São Paulo, ótimos momentos na Seleção Brasileira. É um jogador que tem esse nível, todos reconhecem isso. Participou como um líder em um momento complicado do São Paulo. A imagem dele acabou ficando atrelada a estes momentos difíceis do clube. Quando você tem um temporada cheia, isso é muito desgastante. Você tem vários jogadores, com diferentes níveis e diferentes comportamentos. É natural que você tenha alguns atritos. Obviamente, que vamos conversar com o Rodrigo depois dessa entrevista. O Rodrigo já manifestou o interesse de mudar de ares. Vamos conversar com calma e decidir o que é melhor para ele e para o clube. Temos que valorizar a história dele no São Paulo.

Saída de Ricardo Rocha 

Como saída, foi da melhor maneira possível. É um amigo de longa e longa data. Quer fazer seus projetos pessoais de consultoria e, nos últimos dez dias, estive bastante com ele. Vamos deixar ele voar, mas, sem dúvida, a casa dele sempre será o São Paulo. Ele vai me ajudar e vai ajudar o São Paulo de onde estiver.

 

Fonte: Lance

Anúncios

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.