Futebol Home São Paulo Times

São Paulo é condenado a pagar R$ 2,7mi a descobridor de Ceni

Funcionário do São Paulo por 29 anos, divididos em duas passagens, Gilberto Geraldo de Moraes acaba de ganhar um processo trabalhista no valor de R$ 2,7 milhões em cima do Tricolor. Professor Gilberto, como era chamado, foi demitido quatro anos atrás, depois de ocupar diversos cargos dentro do clube.

Mas o ponto alto das quase três décadas do funcionário no São Paulo se deu em 1990, quando ele aprovou Rogério Ceni em um teste, permitindo que o maior ídolo da história tricolor fosse contratado.

Na oportunidade, o Professor Gilberto atuava como preparador de goleiros. Homem de confiança de Juvenal Juvêncio, ele também teve outras missões importantes. A última delas foi a de gerente operacional do São Paulo, com a incumbência de cuidar de todas as propriedades do clube, incluindo Morumbi, CT da Barra Funda e Cotia.

“Depois que o Juvenal deixou a presidência, acabaram me demitindo. E ainda sugeriram que eu procurasse meus direitos. Foi o que eu fiz”, explica Professor Gilberto, sem esconder a tristeza com a dispensa. “Não tem como, moralmente, o São Paulo se retratar. E deixei claro, em todas as audiências, que não quero um real a mais do que mereço.”

De acordo com o ex-funcionário, não cabem mais recursos e a condenação dos R$ 2,7 milhões é definitiva. Antes de trabalhar para o Tricolor, Professor Gilberto havia sido goleiro, passando pelo Morumbi em 1959 e depois de 1963 a 68.

Procurado pelo Blog, o São Paulo não se manifestou.

Vale lembrar que, no ano passado, o Tricolor já havia sido desembolsado outra bolada, de R$ 5 milhões, com Rogério Ceni. Era esse o valor da multa rescisória em caso de demissão do então treinador.

Fonte: Blog do Jorge Nicola

Anúncios

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.