Campeonatos Futebol Home São Paulo

Cardiopatia Tricolor: Jogo na mão, mas de novo ressuscitamos um morto – SEP 3 x 1 São Paulo

Caros Tricolores TriMundiais!!! Sair sem derrota do campo dos caras era totalmente possível e foi muito provável até os 9 minutos do 2º tempo, quando, num jogo parelho e sem sustos, até então, o São Paulo tomou o 1º gol, no mínimo, duvidoso. Estávamos à frente no placar, Sidão não havia trabalhado, mas paramos de alternar a marcação em cima com uma postura de marcar meio-campo, Hudson saiu pra entrar Petros e, de repente, parece que tudo desandou. Até que, após um 2º gol claramente irregular da SEP, a chance de derrota se aproximou dos 100%.

Perdemos, mas não deve haver caça às bruxas. Somente apontamentos do que não funcionou. Vi uma derrota por circunstâncias do jogo, mas também vi um trabalho que está sendo feito.

Aguirre decidiu, de novo, jogar fora de casa com 2 volantes, mas com Marcos Guilherme e Everton em campo, pensando na recomposição que fazem pra não perder o meio-campo, que tinha, teoricamente, 4 nossos e 3 deles, tirando Nene da conta.

A SEP começou com mais pilha e tivemos lances ruins na defesa por estarmos tranquilo demais. Até os 10, jogo brigado, uma cabeçada de Diego Souza pra fora em cobrança de falta e desespero com chutões quando a bola era nossa na defesa. Hudson mostrava vontade demais e tivemos amarelo para Anderson e Militão em 15 minutos.

O jogo se equilibrou e o São Paulo começou a ensaiar os contra-ataques que marcaram as últimas vitórias. Jogo quente, divididas fortes, nenhuma chance de gol. Aos 26, Sidão foi líbero e salvou boa tentativa da SEP em chutão de Jaílson depois de escanteio nosso, mostrando uma defesa com buracos e um Sidão com ótima leitura de jogo.

O São Paulo saía mais pro jogo e, aos 29, em cobrança de lateral, saímos na frente. Reinaldo mandou seu balaço pra parede de Diego Souza. A bola passou, sobrou pra Edu Dracena, que recou de cabeça pra Jaílson. Mas o recuo foi curto e o incansável foguete Marcos Guilherme chegou pra dividir com o goleiro. O atacante nem precisou tocar na bola pra ela entrar. 1 x 0 São Paulo.

O gol, dado do jeito que foi, me fez pensar que, finalmente, ganhamos um gol em clássicos. Não demos. Não erramos e eles erraram. Houve um gol dado em clássicos e não foi nós que oferecemos. Parece que a tal fase influencia até nesses lances. Mas também mostra um time ligado, um Marcos Guilherme ligado mostrando que merece ficar. Porque se gastaram sei lá quantos milhões com Trellez e Jean, deve ser possível um esforço maior pela permanência dele.

Um chute de Reinaldo defendido, aos 33, e outro de Marcos Guilherme, aos 35, pra fora, foi o que fizemos até o fim do 1º tempo, onde todo o psicológico contra que vinha das partidas anteriores não atuou, pelo contrário, os jogadores mostraram muita confiança, principalmente após o gol, uma postura que vi nas vitórias anteriores quando também saímos na frente e acabamos com a vitória. Nem toda a pressão deles na arbitragem após falta de Anderson Martins onde se discute uma expulsão, já que ele já tinha amarelo, mudou a cabeça do time.

O 1º tempo acabou e vi um time muito bem postado em todas as fases do jogo. Subiu a marcação, marcou mais atrás, tentou tocar a bola e esticar o jogo nos momentos certos. Mais certos que errados. Jogo brigado, picado, falado, como se joga um clássico. Time começou devagar, mas se ligou rápido, e incrível como confiança é importante no futebol. Do nada jogadores passam a tomar as melhores decisões. Destaque para Everton, Jucilei e Marcos Guilherme no 1º tempo.

O 2º tempo trouxe Petros no lugar de Hudson e os amarelados em campo. Aguirre já fez substituições por amarelos antes. Aos 7, defesa mal posicionada de novo após escanteio nosso e outro chutão quase resultou em lance bom pros caras. Aos 9, Reinaldo perdeu a passada e permitiu cruzamento. Sidão rebateu mal pro meio da área e Willian tocou pro gol vazio. Dudu, em posição bem duvidosa, participa do lance, confunde o bandeira, que chama o juiz, que confirma o gol. 1 x 1. Nem a dúvida isenta, na minha opinião, a falha de Sidão.

O jogo nervoso até os 20 e o São Paulo pareceu não ter sentido o gol. Diego tomava faltas e segurava bem a bola na frente, tentando dar tempo pro time sair. Mas a pressão deles aumentou e fomos dominados nas laterais. Até que 10 minutos depois tomamos o 2º gol. Em bola dividida, Willian, totalmente impedido, marcou.

De repente, o São Paulo foi mais à frente. Mas saiu desorganizado, desesperado e, pouco tempo depois, com a defesa alta, tomou mais um gol, dessa vez, de contra-ataque. Tínhamos 4 contra 2, mas o posicionamento errado facilitou. O time ensaiou vários contra-ataques, eles não saíram e tomamos o 3º gol. A partir daí tivemos um domínio maior das ações, as alterações até deram algum efeito, mas o estrago já estava feito.

Parece que a saída de Hudson destruiu o posicionamento defensivo do time, pois Petros não foi visto nem na defesa nem no ataque. Mas não dá pra cravar que essa foi a causa da derrota. O time pareceu não ter sentido o 1º gol, mas não fez nada depois disso. Aí, com o tempo e os gols sofridos, parece ter sentido o psicológico novamente. Mas como pode isso, se poucos dos nossos jogadores de hoje participaram das derrotas anteriores? Não consigo entender.

Saímos à frente no placar, demoramos pra matar o jogo, paramos de marcar em cima e perdemos o jogo. Demos o 1º chute a gol no 2º tempo somente aos 41, com o garoto Paulinho Boia. Pouco, muito pouco. Ponho a derrota na conta de Sidão, muito mal, também no 3º gol; à saída de Hudson e tomar 2 gols em 3 minutos. Tomamos 5 nos 2 últimos jogos.

Não estou, nem quero, apontar culpados (tirando Presidência e Diretoria), pois vejo uma separação de campo e clube, uma continuidade de trabalho e tenho esperança com o que vi nos últimos jogos. Prefiro pensar que vencer a SEP é só mais um passo, um grande passo, para a formação de um time forte e competitivo até dezembro. Eu ainda acredito no trabalho que vem sendo feito, por isso, na próxima terça, estarei no Morumbi para apoiar o São Paulo em busca de mais uma vitória.

Fora Leco! Fora Leco! Fora cardeais centenários interesseiros! Fora conselheiros que torcem para os rivais! Devolvam nosso São Paulo!

Faça seu exercício, tome seus remédios do coração e Vamo São Paulo!

Saudações Tricolores!

Siga a Cardiopatia Tricolor!!!
Twitter – CardioTricolor
Facebook – /cardiopatiatricolor

Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net7197_crop_galeria

Anúncios

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.