Futebol Home São Paulo Times

Disposto a implantar uma “identidade tricolor” mentalidade de Cueva vira exemplo do que o SP não espera de reforços

O São Paulo não tem dúvidas de que Cueva é talentoso e uma das peças mais importantes do elenco. O meia, no entanto, perdeu moral por conta de sua mentalidade e conduta a ponto de ter virado reserva do time de Diego Aguirre e exemplo do que a diretoria de futebol não quer ver em seus reforços. Não foram poucos os casos polêmicos em que o peruano esteve envolvido no Morumbi desde que foi contratado, em junho de 2016. Por isso, disposto e implantar uma “identidade tricolor”, o departamento de futebol procura atletas com o perfil bem diferente do estrangeiro na hora de contratar.

A falta de comprometimento do camisa 10 irritou diversas vezes os dirigentes. Por conceito, a diretoria costuma não se intrometer na vida particular dos jogadores, mas quando o São Paulo perde uma partida ou o time enfrenta uma crise, como aconteceu no ano passado, não é recomendado que o jogador vá aproveitar a noite em uma boate, como aconteceu com Cueva em 2017, durante o Brasileiro.

Os atrasos sem justificativa e a falta de comunicação também foram recorrentes após servir à seleção peruana. O imbróglio no início deste ano, quando após o clube recusar negociá-lo, ele se rebelou e não aceitou viajar para ficar no banco de reservas, só piorou as coisas. Na ocasião o diretor executivo de futebol, Raí, não baixou a guarda e manteve o meia separado do time. O ex-jogador ganhou a queda de braço e o peruano só voltou depois de ter se mostrado arrependido publicamente.

Por causa de casos como esses, a diretoria espera que os jogadores que forem ser contratados tenham mais identificação com o clube e não vejam o São Paulo apenas como um trampolim para chegar à seleção ou ser negociado para o exterior. Everton, que trocou o Flamengo pelo clube do Morumbi, tem demonstrado tal comprometimento, na avaliação dos dirigentes.

Mesmo com tais questões, Cueva deve ganhar uma nova chance para mostrar serviço nesta quarta-feira, no Morumbi, contra o Rosario Central. Everton não foi inscrito nesta fase da Copa Sul-Americana, enquanto Nenê se recupera de lesão muscular e pode desfalcar o time. Essa também pode ser uma das últimas decisões do jogador pelo São Paulo. O meia é nome certo do Peru para a Copa do Mundo da Rússia e uma transferência para o exterior é dada como muito provável no segundo semestre.
Neste ano, Cueva esteve em campo pelo São Paulo em 1.064 minutos durante 17 jogos, com três gols e quatro assistências. Desde junho de 2016 no São Paulo, o peruano balançou as redes 20 vezes pelo Tricolor, sendo o melhor retrospecto em sua carreira.

Anúncios

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.